Rádio e TV online abrem caminhos para o jornalismo

Nova Escola de Marketing
02 de outubro de 2006

Qualquer pessoa pode criar programas de rádio e televisão e transmitir pela internet. Bom também para as empresas jornalísticas, que podem utilizar estas vantagens para gerar conteúdos de qualidade e relevância.

Para que as emissoras de rádio e televisão possam transmitir, é preciso uma concessão do governo (através de concorrência pública) que estabelece o alcance e a freqüência, seja em âmbito municipal, estadual ou nacional. Além da concessão, é preciso equipamento adequado para garantir a boa qualidade das transmissões, como torres e satélites. Com isso, fica evidente que é preciso poder político e econômico ? proporcional ao alcance das transmissões ? para criar uma emissora, seja de rádio ou TV.

Na internet, pelo contrário, qualquer pessoa pode montar sua emissora. Não é preciso obter uma concessão e o alcance é mundial. Os custos do equipamento são modestos (se comparados aos estúdios profissionais) e, em geral, quase todo computador pessoal é capaz de gravar sons de um microfone, assim como as máquinas digitais mais populares são capazes de gravar vídeos.

É claro que, para o jornalismo, a maior parte do que é produzido pelos usuários não interessa, pois, além de serem produções amadoras, não possuem relevância social.

Contudo, esta explosão de possibilidades ilustra como a informação deixou de ser centralizada por causa da rede. Qualquer pessoa pode agora produzir conteúdos de áudio, vídeo e texto e divulgá-los particularmente sem a intermediação de um editor.

As empresas jornalísticas podem então utilizar todas estas vantagens (ausência de concessão, disponibilidade permanente e baixo custo de distribuição) para gerar conteúdos de qualidade e relevância, muito superior ao amador, já que contam com estúdios e equipamentos profissionais ? além de jornalistas, principalmente.

Desta forma, a internet permite que o equipamento seja uma questão secundária para os serviços de telecomunicações online. Não importa quem tem uma concessão mais abrangente, pois esta não existe na rede, assim como a notável diferença das freqüências AM e FM. O que realmente importa é a qualidade do conteúdo, como ressalta os respeitados profissionais do rádio Heródoto Barbeiro e Paulo Rodolfo de Lima:

“A concorrência vai se desenvolver entre as rádios individuais, do bairro, da cidade, do país, do continente ou do mundo. A nova tecnologia [a internet] iguala todas as emissoras, não importa onde estejam, uma vez que tecnicamente estão todas igualmente preparadas? (BARBEIRO & LIMA, 2003, p. 35).

Complementando, afirmam que:

?[…] com a facilidade de acesso do ouvinte-internauta a uma rádio de programação nacional, não mais haverá necessidade das formações de rede como se conhece hoje. […] A web proporciona a uma única rádio cobertura mundial, sem necessidade de outras emissoras. Com isso, as rádios nacionais poderão vender publicidade com a absoluta certeza de que esta será veiculada em todo o país? (BARBEIRO & LIMA, 2003, p. 37).

De fato, as rádios online proliferaram pela rede. Algumas são distribuídas em arquivos, permitindo que o usuário ouça-as no momento que quiser e até guarde no computador seus programas preferidos. Outras, são verdadeiras rádios virtuais, transmitindo em tempo real.

Não concorrem com rádios tradicionais

E, seriam estas rádios online concorrentes para as rádios tradicionais? Pelo contrário. Além do público-alvo que já é bastante distinto (principalmente pela renda), muitas empresas radiofônicas estão utilizando as duas mídias para um trabalho conjunto, permitindo, por exemplo, a um ouvinte que tenha perdido o horário de determinado programa, consultar o banco de dados da versão online para ouvi-lo na hora que desejar. Além disso, é possível ouvir a rádio eletrônica (tradicional) em tempo real, através da internet, durante o acesso à sites e a realização de outras atividades, sendo um grande exemplo de integração e complementaridade das duas mídias.

Já os canais de TV aberta, por enquanto, ainda não são transmitidos em tempo real pela rede, mas isto pode mudar com a implantação da TV digital, fato que, inclusive, gera controvérsias. A TV online, contudo, é muito interessante por permitir a flexibilidade do horário de audiência e, além de ser distribuída em arquivos (download) é também acessível em tempo real (streaming).

Arquivos devem ser leves

A internet reúne então os principais recursos de outras mídias: texto e imagem (impresso), áudio (rádio), áudio e vídeo (televisão). Por isso, é considerada multimídia. Mas, apesar dos grandes avanços tecnológicos, estes recursos precisam ser adaptados às regras da rede. Por exemplo, os vídeos devem utilizar resoluções (qualidade de imagem) inferiores às da TV, caso contrário somente os usuários de banda larga terão velocidade de conexão satisfatória para acessá-los.

O mesmo ocorre com o áudio, ainda que formatos como o MP3 diminuam o tamanho dos arquivos. Portanto, independente do conteúdo que será produzido, deve-se pensar nas especificidades da internet.

O formato streaming é o mais eficaz para a transmissão de rádio e TV online, pois permite o acesso imediato aos arquivos, que são baixados simultaneamente à execução. Para administrá-lo, o programa Real Media é o mais popular, pois, além de pioneiro, é também o mais adequado para conexões discadas. Já o Windows Media é a alternativa da Microsoft, que está crescendo em importância a cada dia, além de contar com recursos avançados. O Quick Time é também utilizado, mas, talvez por ter sido desenvolvido inicialmente para os computadores Macintosh, não é tão popular nos computadores pessoais. Contudo, todos permitem que o plug-in necessário para executá-los seja obtido e instalado gratuitamente.

A produção dos programas

Em geral, a maior parte dos conceitos de rádiojornalismo e telejornalismo continua válida para a internet, pois a produção de cada um possui elementos bastante distintos.

Recomenda-se, portanto, a leitura de manuais específicos para cada área, como o ?Manual de Rádiojornalismo? dos já citados Heródoto Barbeiro e Paulo Rodolfo de Lima, assim como o ?Manual de Telejornalismo?, também destes autores.

De certa forma, a produção é a mesma, o que muda é a distribuição. O mais importante é trabalhar com arquivos de tamanho reduzido, seja em streaming ou download. Outra dica importante é evitar que a cor da roupa do apresentador de TV online seja idêntica ao plano de fundo, pois em formatos de vídeo em que a qualidade é reduzida, corre-se o risco da imagem ficar uniforme ? como se fosse uma coisa só. Portanto, fortes contrastes de cor são importantes nos vídeos.

As grandes referências em emissão online são os portais UOL, Terra e IG. As emissoras tradicionais também se destacam, como o portal Globo.com, que disponibiliza conteúdo de rádio (Rádio Globo, CBN), TV (Rede Globo, Globo News) e também impresso (O Globo, Extra, Diário de S. Paulo) ? além de outros. A CBN, por exemplo, rádio com programação exclusiva de notícias, mantém em seu site um organizado acervo de todos os programas que vão ao ar em rede nacional, acessível por determinado período após terem sido transmitidos (um acervo ?permanente? de texto é perfeitamente viável, mas áudio e vídeo ocupam muito espaço).

Na edição do dia 13 de setembro de 2006, a revista Veja publicou matéria de capa sobre o You Tube, site norte-americano que disponibiliza um imenso acervo de vídeo, enviado por pessoas do mundo todo. A reportagem destacou artistas e celebridades que passaram a produzir vídeo exclusivamente para o site em busca de autopromoção. Além disso, observou que a proliferação de sites do gênero marca ?o fim da TV como se conhecia até hoje? (MARTHE, 2006, p. 89). Isto reflete como a internet pode incorporar características e ?roubar? o público de outras mídias. Na edição seguinte da revista, leitores indicaram sites brasileiros semelhantes ao You Tube, já bastante acessados, como o Videolog e o Videopop . Eis uma das grandes características da internet: sempre há uma alternativa.

A allTV dá uma grande lição de interatividade com o público. Além de transmitir ao vivo sua programação 100% online, permite que o os usuários revejam o que já foi transmitido em um banco de dados que guarda a programação anterior de até três dias (por enquanto, em construção). Porém, o principal atrativo é a possibilidade de interagir com os apresentadores através de um chat ou mensagens instantâneas. O diretor Alberto Luchetti, profissional com larga experiência, seja em impresso, rádio e televisão, afirma em entrevista ao Webinsider que a allTV, em menos de três meses, alcançou a audiência de 3.000 usuários únicos que, no total, geraram mais de 12 milhões de pageviews (KULPAS, 2002).

Por fim, as rádios e TVs online estão progressivamente se posicionando no mercado, conquistando espaço entre o público e contratando jornalistas como Lilian Wite Fibe, Juca Kfouri, José Simão (UOL), José Roberto de Toledo, Carlos Sardenberg (TERRA) e Paulo Henrique Amorin (IG), além de muitos outros em diversos sites. Não há duvidas, portanto, de que a transmissão de conteúdo multimídia deva crescer com a popularização (ainda muito distante) das conexões banda larga e principalmente com a digitalização da TV e do Rádio no Brasil, o que facilitará a convergência das tecnologias. O mais importante é considerar a internet como um meio de comunicação, sério e respeitável, capaz não apenas de entreter, mas também de gerar lucro e informar. [Webinsider]

…………………………………………………..
Referências bibliográficas

BARBEIRO, Heródoto & LIMA, Paulo Rodolfo. Manual de radiojornalismo: produção, ética e internet, 2ª edição. Editora Campus, 2003.
KULPAS, Sergio. AllTV:Tupi or not tupi?, 04/07/2002.
MARTHE, Marcelo. A nova Era da televisão. Revista Veja, edição 1973 ? ano 39 ? nº 36. Editora ABRIL, 2006.

…………………………………………………..
Este artigo foi baseado no Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) que está sendo produzido pelo autor .

.

Avalie este artigo:
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

20 respostas para “Rádio e TV online abrem caminhos para o jornalismo”

  1. Emerson Mendes disse:

    Bom Dia
    li sua reportagem, achei muito interessante, tenho projeto de montar uma radio e TV online, peço informções de como montar este sistema online, quais equipamntos e procedimentos necessario para dar inicio a este projeto, Obrigado.

    Contato 32 8872 6351

    Atenciosamente
    Emerson Mendes

  2. Roque Luiz disse:

    Boa tarde gostei de alguma dicas para tv. quero saber, eu tenho tudo, mesa de edição filmadora digital etc. quero saber qual o portais melhor para eu fazer a minha tv online com qualidade, grato. esse site.

  3. Dilival Martins disse:

    Desejo instalar uma Web TV e WEb Rádio. A quem procurar para saber de equipamentos, licenças, links, custos e tempo para funcionamento?
    Muito Obrigado.

  4. christopher felex disse:

    tai alguem que fala do sabe e ensina sem interesses nem medo de conconrencia,obrigado pelas dicas,gostava de saber oque e necessario para montar uma tv online,ja tenho uma radio online,cujo servidor esta no brazil!
    gostava de ter o teu parecer e o know how detalhado se faz favor,abraço

  5. Jose Silva disse:

    Pedido de ajuda

    Caros amigos

    Sou de Portugal, director de um Rancho Folclórico, gostaria de criar a Radio Tv. Folclore do Minho online.

    Já tenho DOMÍNIO, já fez a Web pagina, agora pretendo fazer a rádio, já vi alguns programas do winamp do média encoder.

    A gora precisava da ajuda dos entendidos na matéria.

    Pergunto ? è necessário servidor, ou posso ter os conteudos no meu disco rígido de 500+500 gigabites, videos e músicas em mp3.

    Obrigado pela ajuda – aguardo Resposta

    Santa Natal para todos vós e bom ano de 2009

    Jose Silva um forte abraço

  6. kaldyveloso disse:

    Estou disposto a entrar nessa nova era.Acho espetacular vou abrir a minha radio e tv.Kaldy veloso

  7. Roberto Curupaco disse:

    gostaria de saber como montar uma radio,ou tv pela intermet

  8. Sua tese é ótima, e abre os caminhos para a ampliação da comunicação sem burocrácia.

  9. guilherme pannain disse:

    gostaria de montar uma rádio na universidade. como faço preciso de ajuda.

    obrigado

  10. Rodrigo Alvarez disse:

    Olá !
    Gostaria de saber quais as rádios aqui em São Paulo, colocam à disposição em site, o conteúdo informativo (notícias) transmitido durante a programação da rádio na integra.

    Obrigado;

    Rodrigo Alvarez

  11. LAUDICEIA G DOS SANTOS disse:

    PROCURO PELO MENOS DOIS CANAIS DE TELEVISÃO ONLINEMINA INTERNET E DISCADA COM VELOCIDADE 50.6
    É POSSIVEL ME AJUDEM EU SEM O JORNAL DA GLOBO FICO RUIM OBRIGADO
    LAUDICEIA

  12. Vicente Mota disse:

    Gostaria de enviar som e imagem pela internete como devo fazer,começo por onde?e qual o custo de uma melhor qualidade.

  13. Ramon Nascimento disse:

    A sua tese é reveladora, e mostra o caminho que um jornalista deve seguir para se tornar um profissional competente, capaz de satisfazer às necessidades do mundo atual.

  14. orivaldo disse:

    muito bom a materia, mas tenho um grande desejo de transmitir os culto de minha igreja via net. o que devo fazer?

  15. Raimundo Rorigues Bitencourt neto disse:

    Sou presideente do Tribunal de Mediação,Conciliação s Justiça Arbitral do Brasil.Fundei a rádio e tv justiça arbitral brasileira,como também sou presidente da Comissão internacional de direitos humanos e paz,por estas razo~es que pretendo colocar a rádio e tv inserida na internet.

  16. raimundo ridrigues bitencourt neto disse:

    Preciso colocar uma rádio e tv na internet,solicito informações.

  17. Valdemiro Alves da Silva disse:

    Gostariamos de transmitir som e imagem atravez da tv e radio online.
    como devo proceder?

  18. Gelson, parabéns pelo artigo.

    Muito do que foi comentado aqui é fato.

    É possivel construir verdadeiras rádios e emissoras de TV totalmente administradas pela WEB com infraestrutura adequada.

    Porém para tornar isso viável é necessário possuir banda disponível. Esse tipo de serviço não é nada amador. Construir uma radio ou TV para 1 ou 2 visitantes é algo muito longe da idéia de prover conteúdo com alcance mundial.

    DO amador para o profissional o detalhe é a qualidade do conteúdo, a banda disponível (diretamente proporcional a audiência esperada) e uma ferramenta que automatize o processo.

  19. TOMAZINA MANUEL NKAVADEKA disse:

    peço o endereço de CBN news TV.

  20. Renato Shirakashi de Sousa disse:

    Gelson

    Super pertinente o assunto do seu artigo, já que esse foi um dos temas mais discutidos no meio tech nos EUA, devido ao lançamento do revision3 (www.revision3.com). O revision3 é um site criado pelos fundadores do digg que promete ser trazer programas no formato de TV para a Internet, de forma dedicada.

    A diferença em relação a AllTv é grande. Vou explicar. A AllTv trabalha com conteúdo ao vivo on demand, com um formato bastante parecido com a TV atual. O Revision3 trabalha no mesmo formato dos podcasts. Você escolhe quais e a hora em que deseja assistir cada programa. Logicamente esse formato fortacele os programas em si e não a emissora. Aos olhos dos mais cuidadosos, temos aí uma diferença essencial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *