Contratação por CLT ou PJ. Qual é a melhor?

02 de abril de 2008

Ao ser contratado para trabalhar em uma empresa, você pode ter a carteira assinada ou ter que atuar como um prestador de serviços em pessoa jurídica. Como é isso?

Hoje no nosso mercado existem dois tipos de contratações: por CLT (Consolidação das Leis de Trabalho) ou por PJ (Pessoa Jurídica). A maioria das empresas de grande porte prefere contratar seus empregados pela CLT, mas é muito grande o número de empresas de TI que preferiram abolir a arcaica CLT e adotar a contratação por PJ.

Qual das duas opções é melhor para o contratado?

É uma pergunta difícil de responder pois ambas possuem vantagens e desvantagens. Eu já trabalhei com as duas formas de contratação e explicarei para vocês como é que funciona cada uma delas. A partir das explicações vocês poderão tirar suas próprias conclusões.

CLT (Consolidação das Leis do Trabalho)

Benefícios: a contratação por CLT garante uma série de benefícios para o empregado, como vale-transporte, vale-refeição, férias remuneradas de 30 dias, 13º salário, aviso prévio, FGTS, seguro desemprego, licença saúde (opcional), licença maternidade, licença paternidade, 15 dias de salário em caso de acidentes, entre outros benefícios.

Custo para as empresas: o custo de contratação é excessivamente alto, podendo chegar a até 230% a mais do que o valor do seu salário, isso sem contar os custos com a burocracia;

Contribuições do empregado: o empregado é obrigado a pagar 6% do seu salário para receber o vale-transporte e também deve pagar alguns impostos como INSS e Imposto de Renda;

Salário: o salário do empregado contratado por CLT é sempre mais baixo do que o PJ, pois a empresa gasta bastante dinheiro com impostos e benefícios;

Jornada de trabalho: o empregado deve trabalhar 8h48min por dia (5 dias por semana), ou 8hs durante a semana e 4hs no sábado.

PJ (Pessoa Jurídica)

Benefícios: a contratação por PJ não garante benefícios ao empregado já que não há um vínculo com a empregadora. Algumas empresas pagam 13º salário e férias remuneradas, mas gastos com transporte e alimentação ficam por conta do empregado;

Custo para as empresas: a empresa geralmente fica somente com o custo da nota fiscal.

Contribuições do empregado: os custos dos impostos sobre a nota ficam para o empregado. O valor a ser pago de imposto é de 13,33% por nota fiscal emitida: IRRF (4,80%), COFINS (3%), PIS (0,65%), CSLL (2,88%), ISS (depende da cidade – na cidade de São Paulo o valor é de 2%) mais o custo do contador (entre R$ 100,00 e R$ 415,00 por mês);

Salário: o salário do empregado contratado por PJ é em torno de 20% a 100% maior do que o da CLT, já que as empresas repassam o que economizaram com encargos para o funcionário;

Jornada de trabalho: como o empregado contratado por PJ ganha por hora, o horário de trabalho é bastante flexível. Se você trabalhar muito, ganhará muito. Se trabalhar pouco, ganhará pouco.

Como você pode ver, existem vantagens e desvantagens em ambos os tipos de contratação. O importante é analisar direitinho qual é a opção mais adequada para você antes de aceitar uma proposta de emprego. Faça as contas e veja o que vale mais a pena.

É muito importante que o profissional contratado por PJ faça um plano de previdência privada e pague um plano médico particular, pois como ele não contribui com o INSS não terá o direito de se aposentar.

É importante ressaltar também que sou apenas um profissional especializado em internet. Para maiores informações procure um contador. [Webinsider]

Avalie este artigo:
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (15 votes, average: 3,27 out of 5)
Loading...
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

50 respostas para “Contratação por CLT ou PJ. Qual é a melhor?”

  1. VALDIRENE AP BUENO disse:

    boa noite trabalho uma vez por semana de camareira no drayve das 23 as 7 DA MANHA SEM REGRISTO PODE TRABALHAR SEM REGISTRO

  2. Janete Aldrovandi disse:

    Uma pessoa que trabalha em uma fazenda com atividade de caseiro,pode ser atribuído a outro regime, sem ser o CLT?

  3. Ricardo Santos Bezerra disse:

    Depende, esses impostos são referentes às optantes pelo lucro presumido, se puder ser optante pelo simples nacional, serão apenas 6% de desconto do valor bruto mais contador (Pago R$180,00/mês). Nesse molde que estou falando, o valor ideal seria algo em torno de 35% à 40% à mais que CLT Full, por exemplo: R$5.000,00 CLT Full seria equivalente à R$6.800,00 à R$7.000,00 PJ, sendo que, agora, em 2015, um CLT de R$5.000,00 teria um líquido de uns R$4.100,00 (É um chute) e PJ de R$6.800,00 (Valor mais baixo que mencionei), seria de R$6.100,00 (Não é chute), ou seja, R$2.000,00 à mais. Você pagando R$730,00 de convênio do Bradesco básico apto, pra 4 pessoas, levando almoço de casa e indo de condução, irá ter um valor líquido no mínimo R$1.000,00 maior e previdência pra receber o equivalente ao teto CLT (Cerca de R$4.600,00 se não me engano), você irá pagar pra uma aposentadoria próximo disso (R$4.000,00) na CEF R$721,19/mês. Daria quase na mesma ser CLT ou PJ, mas (sempre tem um mas) CLT não desconta só INSS e IR, desconta no convênio dos dependentes, desconta transporte, ou seja..dinheiro mesmo, uma merreca, fora que é bem mais fácil arrumar como PJ e, os valores que me oferecem como CLT aqui em SP varia entre R$5.000,00 e R$6.000,00 e como PJ entre R$8.500,00 e R$9.500,00. Sou 100% PJ. Espero ter colaborado. Abraços.

  4. danilo disse:

    o regime da Clt tem tipos ou diferenças por ser militar. ? ou ter trabalhado eu uma empresa normal?

  5. Marcos disse:

    E no caso de um PJ pedir desligamento, existe algum ganho ou ressarcimento após 3 anos, ou sai da empresa sem nada ???

  6. Joel disse:

    Parabéns pelo seu comentário.
    Porém tenho alguns pontos sobre ele.
    1-) Nem sempre o pago para PJ é maior que CLT, digo isso por experiência própria.
    2-) PJ é uma empresa, se a empresa te dá horário para entrar e sair, se vc tem chefe, você é empregado, pode exigir na justiça o que a empresa te negou.
    3-) PJ vale a pena se o salário for muito maior, pq como vc disse terá que pagar contador, nota fiscal, plano de saúde, condução e plano de previdência.
    4-) Quando for demitido não receberá nada, não terá FGTS, nem férias, nem 13º.
    5-) Muitas empresas começaram a criar o CLT Flex, que não existe legalmente, pq PJ na maioria é uma farsa, para não te dar os seus direitos. Hj tem muitas pagando pouco e tratando vc como um empregado.
    6-) PJ é bom quando vc tem várias empresas e não tem horário fixo. Trabalha em casa e presta seu serviço livremente, caso contrário é uma roubada.

  7. Marcos disse:

    Boa tarde, Este texto foi escrito em Abril de 2008, pergunto: os valores de impostos pagos pela PJ continuam os mesmos, ou mudaram?
    Muito obrigado

  8. João Victor dos Santos Manhães disse:

    Muito importante e esclarecedor esse seu post, tirou minhas dúvidas em poucas palavras, parabéns e abçs.

  9. Herica disse:

    Respondeu todas minhas perguntas com um unico texto…salvou minha vida,agora posso apresentar meu trabalho pois sei do que vou falar!!!

  10. Marcos Herculano disse:

    Otimos comentários, pois estou justamente analisando essa situação de CLT E PJ, para ver qual a melhor opçao nesse momento para minha situacao atual.

    Acredito que é mais isso que deve-se analisar, a sua situacao atual, pois muita das vezes você nao aguenta mais toda aquela burocracia de CLT e como PJ embora também ocorra diversas, você tem muito mais opção e oportunidade.

    Valeu

  11. Paulo disse:

    Todos os comentários foi de absoluto esclarecimento,mais ao analisarmos os dois tipos de contratação percebemos que a contratação por Pessoa Jurídica (PJ), o maior beneficiado é o empresario e o governo, o empregador não recolhe o INSS do empregado, logo não ira repassar para o governo. Sendo assim em caso de desemprego, o empregado não terá direito a seguro desemprego a FGTS, e outros benefícios. Então filho é SAL. Trabalhou tanto pra nada.

  12. Leonardo disse:

    O site Calculador.com.br disponibilizou uma ferramenta para comparação entre PJ e CLT. Vale a pena conferir:

    http://calculador.com.br/Trabalhista/SalarioCLTxPJ.aspx

  13. Roberto disse:

    Muito bom essa matéria,esclareceu todas as minhas dúvidas Obrigado

  14. liamar pereira disse:

    Caraca, quanta matéria interessante. Parabéns.

  15. janaina disse:

    Sanei todas as minhas duvidas.excelente essa “disculção”em torno desse mal que acredito eu atinja a maioria dos trabalhadores brasileiros a duvida da estabilidade VRS rentabilidade.No final a empresa sempre ganha com clt ou pj(se não fecharia as portas.

  16. Carlos disse:

    Excelente o debate e a contribuições deixadas. Realizei muitas buscas e consultas na web, li outras publicações, algumas planilhas e cálculos comparativos, enfim, não há uma métrica exata pois cada caso é um caso então deixo duas contribuições: 1) o fator médio que achei foi 1.9608, aplica-se 1.9608 para cada $1.000 CLT e terá $1.960,80 PJ e 2) Vale sempre a máxima da negociação, sua força de trabalho é um produto “oferta e demanda” avalie bem para saber valorizar ou ajustar o seu produto ao mercado. Sucesso para todos nós.

  17. itamar alves disse:

    boa noite sou mecanico . gostaria de umas informcao so que trabalho com varios tipos de equipamentos mexo com solda,massarico,tornearia,e motores de todos os tipos de maquinas so que nessa enpresa eles tem um costume de ter nivel de funcao 1,2,3 e ter salario diferente por nivel so que todos tem que fazer a mesma coisa gostaria de saber se existe nivel para nos sendo que fazemos a mesma coisa aguardo resposta obrigado!

  18. itamar alves disse:

    boa noite estou buscando respostas ,trabalho em um empresa que por funcao tem mecanico 1,2,3 com varios salarios diferentes so que todos fazem a mesma coisa gostaria de saber se isso e legal ou inlegal.

  19. Fernando disse:

    Gostei demais dessa matéria, sanou todas as minhas dúvidas. Obrigado

  20. Roseane disse:

    Sou contratada do estado,estou grávida e meu contrato vai reincidir e não pode mais ser renovado.Mesmo assim tenho direito a receber licença maternidade?

  21. elson disse:

    E quanto a funcionario publico, tudo isso ´pe a mesma coisa??? ou tenho que fazer o que o pref manda?????
    e quanto a carga horaria deve ser estipulada pela CLT ou pelo pela prefeitura??

  22. daiane almeida de souza disse:

    ola meu nome é daiane. estou desempregada ha quase 6 meses e estou aprocura de empregos ja mandei varios email mas ate agora não houve nenhuma resposta gostaria que vocÊs mim mandasse uma resposta de um emprego, se for possivel obrigado pela emportancia do meu email se não eu agradeço da mesma forma, obrigado. cargo garçonete,habilidades,atendimento ao clientes dinãmico pró ativo,facilidad de aprender.auto avaliação,procuro fazer sempre o melhor do meu trabalho, com atenção 100%,sou pontual ao meu dever,e sei quais são as minhas obrigações pessoal,sou uma pessoa alegre, sorridente,e simpatica e de bem com a vida e com todos.

  23. jossue disse:

    o que é clt!!!

  24. Cyro disse:

    Gostaria de saber a diferença entre cargo de confiança e cargo em comissão.
    muito obrigado

  25. Paulo Renato disse:

    Olá, estou numa situação dificil, sai de uma empresa da minha cidade de Minas Gerais para trabalhar no Espirito Santo, só que eles combinaram uma coisa e estão fazendo outra. Minha esposa esta grávida de três meses, e estou no Espirio Santo a 4 meses, ela não esta acostumando com a cidade. Se no caso eu voltar para Minas, qual o Tempo ideal de me desligar da empresa caso eu saia. Obrigado pela atenção.

  26. Henrique da Silva Abreu disse:

    Ola a todos….muito boa essa iniciativa..

    A minha duvida, é a seguinte.
    Sou PJ e trabalhei nas eleições 2008, gostaria de saber se tenho direito aos dias prometidos?
    OBS: tenho todos os vinculos empregaticios bem como:
    tenho horas pra entrar e sair, trabalho na empresa, uso o patrimonio da empresa entre outras…

    Att

  27. André disse:

    Muito interessantes os comentários…
    Mas me veio uma dúvida:

    Sou técnico em eletrônica (com carteira registrada) trabalhando como técnico em informática.
    Quanto às horas semanais (40), como calcular ?
    Deve-se incluir 1 hora de almoço ou não?

    Pois no meu caso fica assim:

    segunda a sexta = 45 horas (com 1 hr de almoço)
    sábados = 5 horas (com 1 pausa 20min)

    logo tenho 50 horas semanais ?
    está certo ?

    Por estar registrado como Aux. Técnico em Eletrônica a empresa não precisa obedecer o limite de 40 horas ? Porém o serviço exercido é somente de informática.

    E os colegas de trabalho que são registrados como Técnico em informática, como ficam ?

    Grato,
    André

  28. Julio disse:

    Concordo com o último comentário (do Luiz Vieira). Essa discussão se PJ é empregado ou não é perda de tempo. É óbvio que o contratado como PJ é empregado e está subordinado a alguém na hierarquia da empresa e, na maioria das vezes, trabalha na atividade principal da empresa.
    Se ser contratado como PJ é melhor para a empresa contratante, melhor pra nós contratados, que podemos aumentar nosso teto visto que a empresa não precisará pagar os impostos da contratação CLT para o governo (que, por sinal, são absurdamente caros).

    Muito bom artigo e ótimos debates (comentários).
    Aí está minha opinião!

    Abraços

  29. Luiz Vieira disse:

    Li todos os comentários e acho um tremendo equívoco as pessoas falarem que trabalhar como PJ é escravidão. Nós brasileiros temos que parar de implorar emprego, como se ao ser contratado (CLT ou PJ) a empresa tivesse nos fazendo um imenso favor.
    A única diferença que vejo entre CLT e PJ é que como CLT vc deixa a cargo do governo investir o seu dinheiro pra que vc tenha uma certa segurança na aposentadoria ou em caso de doença. Como PJ vc deve tomar as rédeas da sua vida e se precaver investindo bem o seu dinheiro.
    O que a maioria de nós não percebe é que em ambos os casos quem decide quanto merecemos ganhar somos nós mesmos. Se uma empresa que quer te contratar como PJ por umm valor que vc acha abaixo de quanto o seu trabalho vale, simplesmente não aceite. Todos nós temos essa opção.
    Bom, acho que me enrolei um pouco, mas deu pra passar o que penso sobre o assunto.

  30. Michel disse:

    Um outro ponto que não é muito comentado, é a relação dos contratados por CLT e o sindicato. Todos os funcionários de informática, têm descontado em olerite (não sei escrever isso.. rs) uma porcentagem (acho que 1%) sobre o salário para contribuição sindical.

    Eu pergunto: alguém de informática já teve algum dos seus interesses defendidos pelo sindicato??
    Se sim, gostaría de saber. Pois pra mim o sindicato da nossa área não passa de um cabidão daqueles…

  31. Will disse:

    Vamos ao que importa: Não existe opção legal fora da CLT na imensa maioria dos casos!

    Tem muita gente trabalhando como PJ que é empregado e não sabe. Pode portanto entrar com ação trabalhista e reivindicar seus direitos CLT sonegados, desde que cumpra os seguintes requisitos para enquadrar-se como empregado:

    1 – Atividade FIM: Só é permitida a terceirização em atividade MEIO (acessória) na mesma empresa ex: limpeza, restaurante, administração e segurança. Caso você trabalhe na atividade principal da empresa, ou em atividade primordial para o negócio dela, você é empregado ( neste caso nem importa outros requisitos – a terceirização é ILEGAL);

    2 – Subordinação: aqui também, se você é subordinado a alguém da hierarquia da empresa, se dele recebe diretamente as ordens, já era, você é funcionário e não se discute o resto. É além do quesito 1, o mais forte;

    3 – Pessoalidade: Você pode enviar alguém em seu lugar para executar o serviço, naquele dia que você não deseja ir? Se não… então você é empregado.

    4 – Habitualidade: Você tem que cumprir horário, trabalhar regularmente (não eventual)? Então você é empregado.

    5 – Onerosidade: Claro, você recebe um salário para trabalhar. Este requisito deve combinar com mais algum dentre os demais.

    Como comprovar o rolo? 3 testemunhas para garantir e eventuais provas documentais, como e-mail, etc… Você precisará dar evidências e a empresa terá de provar o contrário.

    90% das terceirizações são fraudulentas, apenas com o propósito de lucrar ainda mais com seu trabalho.

    Um bom advogado é fundamental, pois as empresas procuram por falhas no processo que seu advogado montar.

    Abraços.

  32. Jmacfil disse:

    Cuidado do contratante:com a prestação de serviços
    feita por PJ na sua atividade fim, o titular ainda assim tem como ser caracterizado como empregado.Se for na atividade meio é melhor.

  33. elizete disse:

    estava lendo os comentarios acima…
    CLT uma contratação normal, contratado pela empresa para quem vai trabalhar.
    PJ um prestador de serviço, ou seja, serviço tercerisado.

    pelo que eu li acima, a empresa que faz uma contratação PJ corre riscos de ter vinculos empregaticios com esta pessoa? corre riscos de ter que pagar toda despesa que e uma empresa tem com seu empregado?

    o que podemos fazer para que este risco seja minimo?

    aguardo resposta
    grata
    elizete

  34. Deusa Yasmin da Silva Más disse:

    Prezados Srs,

    Destas 44 horas semanais q regem a CLT estão incluídas o horário de almoço e ou jantar e qunto tempo p/ estas refeições?
    Outro tema:
    Como viajo a trabalho (inclusive sábados e até domingos) como são computadas estas horas trabalhadas.
    Pergunta final: um folguista de hotel q trabalha 2 vezes por semana (8 horas por dia) como é aplicada CLT neste caso?

    Muito obrigada,

    Atte

    Deusa Yasmin

  35. Jair disse:

    Acho que a coisa não é tão simples como está sendo colocada, acho que a maioria desconhece PJ e principalmente desconhece o tipo de profissional que trabalha como PJ, geralmente são profissionais ALTAMENTE QUALIFICADOS que estão pouco se lixando para o que as empresas farão com eles, pois geralmente essas empresas fazem de tudo para que esses profissionais permaneçam na empresa, ou seja, dizer que CLT é seguro é balela, a empresa pode te demitir a qualquer momento e tudo que você terá serão 30 dias de aviso prévio, e os beneficios da recisão, beneficios esses que já foram descontados no seu salario anteriormente, portanto, é só uma poupança forçada… vale tambem ressaltar que geralmente PJ é uma escolha do PROFISSIONAL, não da empresa, então não existe isso de que é conversa que a empresa inventa pra enganar esse ou aquele.

    A segurança em casos de doença, acidentes, gravidez, etc, da CLT é conseguida a custos altos para determinados tipos de profissionais, e que muitas vezes não usufruem dos beneficios da CLT, eu mesmo nunca consegui receber seguro desemprego ou FGTS nas vezes que trabalhei como CLT, porque simplesmente eu nunca fui demitido, isso é um problema pra mim pois tenho que pagar um absurdo de INSS e o desconto do FGTS mas simplesmente não consigo usufruir dos beneficios.

    Outro problema é a segurança tão alardeada, primeiro que ela não existe de fato, segundo que muitos não se interessam por ela.

    Quanto à previdencia, tanto o CLT como PJ são obrigados a pagar INSS, a diferença é que PJ você pode escolher pagar sobre o minimo, e dado o pessimo custo/beneficio da previdencia publica brasileira, para quem tem salarios altos simplesmente não vale a pena.

    Agora, se você tem uma familia, dependentes, enfim, esse tipo de coisa, e não pode ter nenhum tipo de variação no salario, a CLT é mais interessante, note que só para o caso de variação de salario, pois ninguem garante que você será ou não demitido, essa garantia não existe (exceto para as mulheres gravidas).

    Mas os dois casos são validos, porem o que deve ser analisado são os beneficios de cada um, e o objetivo de cada um em determinado momento da vida profissional.

    Pra quem acha que só vale a pena ser PJ por salarios altissimos, eu penso o mesmo sobre CLT, então, isso não é absoluto, como eu disse, vai do objetivo de cada um… as contas devem ser feitas e os objetivos analisados.

    Mas vale lembrar que para ser PJ a pessoa deve ser um profissional razoavel, e ser razoavelmente organizado, pois em PJ o governando não decide o que fazer com seu dinheiro, se você torrar tudo e não se precaver, azar é seu. No caso de CLT o governo já te força a se precaver, mesmo contra a sua vontade.

    Pra quem tem duvida quanto a valores, a apinfo disponibiliza uma planilha para calculo:

    http://www.apinfo.com/sal.xls

  36. Karen disse:

    Hoje para o empresário sobreviver com uma empresa e funcionários em condição de CLT é muito dificil, acredito que algumas empresas partem para este lado de PJ, não para burlar o governo ou as leis e sim para sobreviver e dar oportunidade e mais emprego para o povo do nosso país, pois sabemos que a maior parte dos brasileiros trabalham em empresas de pequeno porte, estas empresas que fazem o dinheiro girar no país.

  37. Roberto disse:

    Apenas uma contribuição.
    O site http://www.calculador.com.br calcula alguns descontos no salario.

    Continuo fazendo a conta salario liquido x 1.65 pra saber um valor justo para salario PJ.

  38. Designer gráfico Demétrios Martins disse:

    Sensacional a matéria e os comentários. Eu particularmente não gosto de PJ pelos motivos já citados acima…

    Mas uma coisa que faltou citar para abrir os olhos das empresas e dos profissionais PJs é que da mesma forma que eles não tem vínculos conosco, pra nós também fica fácil sair, como PJ quem paga mais leva…portanto se a empresa tem um projeto, um objetivo a longo prazo e precisa de uma equipe comprometida é essencial contratar como CLT, como CLT o profissional pensa 10 mil vezes antes de pedir as contas, sujar a carteira, perder os benefícios e estabilidade.

    Pra trabalhar como PJ só ganhando 10, 15, 20 mil reais…só assim da pra fazer seu 13°, seu seguro desemprego, sua aposentadoria…

  39. AILTON V FIGUEIRA disse:

    Sou sócio de uma Cooperativa de Trabalho, pergunto se eu posso trabalhar pela mesma.
    Obrigado.

  40. Geraldo disse:

    Este papo furado de CLT arcaica é simplesmente para enganar a você amigo que pretende ou trabalha na area de TI, você não têm nenhuma segurança, é isto mesmo, pra nada !!! Se você não poder ir trabalhar, por qualquer motivo, doença, acidente, qualquer motivo, isto significa duas coisas,uma você não recebe, duas, você tá fora, e sem ter direito a nada, na roça amigo !!! FERIAS NEM PENSAR ! (algumas ainda lhe dão 5 dias por ano e acham que é beneficio) 13o. NEM EM SONHO !!!, SE VOCE É MULHER E FICAR GRAVIDA ENTÃO, E RUA, RUA PRA VOCÊ E SEU PIMPOLHO, APOSENTADORIA, VAI TRABALHAR ATÉ OS 90, SE DURAR ATÉ LÁ, ISTO É GOLPE, GOLPE PRA DRIBLAR A LEGISLAÇÃO TRABALHISTA, ESTE PAPO DE MODERNIDADE, INTERPRETE COMO ESCRAVIDÃO, VOLTA AO PASSADO, UM PASSADO SEM LEIS E SEM DIREITOS !!! QUE SÓ INTERESSA A EMPRESARIOS IMORAIS.

  41. Rafael Lima disse:

    Que fique bem claro que isso NÂO deveria ser uma opção assim. Contratar PJ para trabalhar como funcionário da empresa é ILEGAL.

    Se você está sendo contratado por uma empresa, faça questão de que ela contrate por CLT. Se você trabalha com um amigo e possuem recursos próprios (computador, telefone, etc) pode ficar tranquilo em trabalhar como PJ.

    Para os que estão na dúvida, a diferença de valor de uma contratação para a outra é de 44% ou seja ganhar R$ 10.000,00 em PJ é equivalente que ganhar R$ 5.600,00 em CLT. Mas atenção pois este percentual não é absoluto, ou seja, varia conforme a empresa (contratada), pois os impostos variam de acordo com o município e com o CNPJ da empresa.

    Rafael Lima
    http://rafael.adm.br

  42. Paulo disse:

    Não é verdade que trabalhar como PJ não dá direito a aposentadoria.
    Essa pessoa, em vez de empregado, será autônomo e, por lei, está até obrigado a se inscrever no INSS, pagando 20% de contribuição (em cima de um valor que ele quiser usar como parâmetro para uma futura aposentadoria, sendo pelo um salário mínimo e indo até uns 8 salários).

    Agora tem uma coisa: se houver certos requisitos, o empregado PJ pode conseguir na justiça do trabalho provar que era empregado…

  43. Fellipe Cicconi disse:

    Sou PJ, e a questão é: Imediatismo versus Longo Prazo.

    Eu, jovem, quero juntar o máximo de grana que posso. Digamos que, por hora, eu não preciso de segurança extra. Faço o mínimo para me garantir (com saúde e previdência) e a minha rentabilidade é máxima. Ganho exatamente o que trabalho e ponto.

    Caso eu tivesse dependentes e tivesse que me precaver por todos os lados, com certeza optaria por CLT.

    PS: A empresa aberta facilita a emissão de NFs para freelas ;D

  44. Na contratação PJ, com o advento do SuperSimples, o prestador paga apenas um imposto que varia de 6 a 8% em média, dependendo do valor recebido mensalmente.

    Uma observação é que, segundo o último dissídio para profissionais de informática, a carga horária semanal foi reduzida de 44 para 40 horas. Portanto, verifique com o sindicato a legalidade da empresa exigir as 44 horas semanais.

    Outro dado importante para aqueles que estão em dúvida se passam ou não de um lado para o outro: se você é CLT, multiplique seu salário bruto por 1,6. Se o valor obtido for superior ao valor da proposta como PJ, não vale a pena. Para os que são PJ, basta dividir o salário por 1,6 para obter o valor correspondente como CLT.

    É uma conta simplória, mas é bem funcional na maioria dos casos.

    Abraços.

    Silvio Delgado
    http://www.silviodelgado.com.br

  45. Rafael C. disse:

    Carina, estou na mesma dúvida.. só que no seu caso, não pensaria nada… pra mim é mais fácil pois sou CLT e tenho empresa aberta com minha mãe.

    Mas ganho um valor x, tenho uma série de benefícios e por ser instituição educacional, tenho chances de estudar (pós ou outros cursos) e na outra empresa o valor é praticamente a mesma coisa.

    Na atual o crescimento é muito burocrático e não ganho muito… sem a menor idéia de tempo para subir, na pretendida não faço idéia… Muito difícil tomar essa decisão!

    No seu caso pesquisaria mais os valores e colocaria numa planilha os gastos… se achar que vale a pena e que compensa, vai sim! O meu caso é bem menor e pelas burocracias só já fiquei na dúvida… rsrs

  46. Carina disse:

    Nossa essa matéria caiu como uma luva para mim !! Trabalho como CLT em uma empresa e ganho R$ 3.000,00 e recebi uma proposta de outra para ser PJ…. e querem me pagar R$ 6.500,00. Será que vale a pena? 🙁

  47. Chan disse:

    Particularmente prefiro CLT, creio que só vale apena ser PJ se o salário for o dobro do que vc ganharia sendo CLT, PJ tem muita dor de cabeça, se não tiver um contador de confiança e ele não pagar os impostos, vc pode se dar mal, e vc esqueceu de falar do ITPU, toda empresa tem que ter um local físico, se a pessoa colocar a casa em que mora o IPTU aumenta (na verdade quase dobra o valor), então vc terá que pagar o IPTU, a conta dos gastos fica +- assim:

    (16% do salario) +
    (valor do contador) +
    (15,00 * 20 almoço por dia) +
    (1 salarrio de feria / 12) +
    (Iptu / 12) +
    (Decimo Terceiro / 12) +
    (40% de Multa em cima do INSS total / 12) +
    (INSS / 12) +
    (Seguro desespero / 12) +
    (Aviso Previo / 12) +
    (Transporte) +
    (Valor da conta Juridica Mes) +
    (Valor da abertura da empresa) +
    (valor de fechamento da empresa)

    isso é a media do que se perde, claro que tem valores que nao se perder todo ano, como o valor da abertura e fechamento da empresa, mas é bom saber que vc vai pagar cedo ou tarde…

  48. Thiago Victorino disse:

    Tem que ter cuidado, pois PJ pode sim ter um vínculo empregatício, até porque se ele estiver usando o uniforme de sua empresa, trabalhando no mesmo lugar, usando o patrimonio da empresa…automaticamente o seu prestador de serviço pode querer ser encarado como empregado, aí a empresa contratante tem que pagar todos os atrazados.
    Acredito que PJ só é vantagem pra quem contrata, ser empregado lhe da muito mais garantia. Porém, as empresas de pequeno e médio porte não conseguem contratar muitos funcionários, devido aos impostos mencionados no artigo.

    PJ é um empregado em comodato

    E assim caminha a humanidade…

  49. Valmir Silva disse:

    No que diz respeito aos cálculos, acredito que se deva realmente consultar um contador, mas quanto à legislação e às conseqüências jurídicas em se adotar uma ou outra forma de contratação,eu penso que se deveria consultar um advogado especialista nesta área. Esclareço desde logo que não atuo nesta área.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *