A diferença entre o e-mail marketing e o spam

Nova Escola de Marketing
22 de julho de 2008

Seria simplista colocar no mesmo plano o spam e o e-mail marketing honesto, só porque o mundo está cheio de propaganda invasiva e irresponsável no inbox, na TV e nas ruas. E tente se descadastrar de um telemarketing...

A prática de envio de e-mail marketing é muitas vezes confundida com o envio indiscriminado de propaganda invasiva e até ilegal. Vamos discutir aqui o assunto, questões filosóficas, existencialistas ou fanáticas à parte.

O e-mail marketing, antes de tudo, é uma forma de entregar informação. Ser a favor ou contra o e-mail marketing em si é como ser a favor ou contra o jornal, o rádio, a televisão, o cinema, o outdoor, o folder ou a própria internet.

Portanto, não é o caso de reprovar qualquer e-mail marketing, mas sim discutir razões técnicas para usar ou não este recurso de vendas e relacionamento. E quando usar, fazê-lo com responsabilidade e inteligência. Uma faca pode ser usada para passar manteiga no pão ou ferir o próximo por qualquer razão torpe ou fútil.

O e-mail marketing não é spam quando e porque o cliente o recebe voluntariamente (opt-in). E quando o cliente desejar não mais receber, pode facilmente usar a ferramenta de descadastro (opt-out), prática realizada por todas as empresas sérias e com credibilidade.

Sim, há quem compre mailling de origem duvidosa e lote caixas e mais caixas de correspondência eletrônica com conteúdo indesejado e ainda faz a ferramenta de descadastro ser tão impossível quanto enfiar uma girafa numa caixa de correio. Quem nunca foi vítima desta prática desonesta?

Contudo isso não é e-mail marketing, é spam. A prática predadora e irresponsável de muitos não nos permite ser simplistas demais e reduzir profissionais qualificados ao mesmo balaio burro e nocivo, porque aí sim o resultado será inexistente ou avesso à intenção inicial.

Ainda sobre a questão do opt-out, o e-mail marketing está léguas à frente de outras mídias. É muito difícil o cliente conseguir se descadastrar de telemarketing, mala direta ou mesmo evitar abordagens no meio da rua ou centros comerciais para divulgar cursos, perfumes e badulaques diversos. Existem comerciais absurdos na TV paga (e quando o volume aumenta sozinho?) e até mesmo no pay-per-view, entre outras práticas publicitárias realmente invasivas.

Diretores de arte e criação e designers estão atentos às questões que tornam um e-mail marketing mais eficiente. É uma mídia objetiva e inteligente, limpa e correta, que não derruba árvores, não usa papel e não polui as ruas (para jogar fora basta um delete). O público pediu e recebe informações sobre algo no mínimo semelhante ao que já procurou.

É também fácil de medir e mostrar resultados em um curto espaço de tempo.

Há também uma série de questões técnicas a serem consideradas. A principal delas é a relevância. Os profissionais, ao contrário dos amadores e aventureiros, já perceberam que não se trata de pegar um folder ou revista digitalizados e enviar por e-mail. Para obter resultados de verdade sem ser predador é importante tornar o e-mail marketing realmente interessante para as necessidades dos clientes.

Existe uma ciência. Existe uma forma de dirigir o olhar do usuário e trabalhar suas sensações através de conceitos como semiótica, sintaxe de linguagem visual, arquitetura da informação, usabilidade, design de interface, psicodinâmica das cores e planejamento (conceito, estratégia e periodicidade adequada). Técnicas e cuidados são de importância fundamental para separar a mídia inteligente do mero lixo eletrônico.

É importante tornar o e-mail marketing um verdadeiro pool de produtos, promoções e serviços que estabeleça, crie e mantenha a relação da loja virtual com o cliente, fidelizando-o simplesmente por colher plena satisfação com o que está sendo oferecido, trazendo para as lojas virtuais mais do que resultado financeiro imediato, mas também valor agregado às marcas.

Para maior clareza, podemos fazer uma analogia a partir de um exemplo cotidiano e banal sobre a diferença entre enviar ou não enviar spam.

Quando os automóveis param nos semáforos das grandes cidades, os motoristas são abordados com um sem-número de práticas nem sempre desejadas que visam vendas. Quando a mocinha educada com um folder na mão nos oferece a sua propaganda, temos a oportunidade de aceitá-la ou não, sem constrangimento. Seja por julgar a informação interessante ou por contribuir com o trabalho dela.

Contudo, vendedores de rua praticam spam quando penduram saquinhos de balas nos nossos retrovisores ou rapazes com água e sabão de quinta dentro de uma garrafa de refrigerante e um rodinho de pia “limpam” nossos vidros dianteiros sem autorização, sem que tenhamos sequer a chance de dizer que não queremos.

É esta a prática que nós, profissionais do marketing e publicidade online, não devemos realizar. Para o nosso bem e para o bem daqueles para os quais prestamos serviço. [Webinsider]

.

Avalie este artigo:
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

15 respostas para “A diferença entre o e-mail marketing e o spam”

  1. E se eu mandar uma mensagem com o e-mail da loja tipo uma propaganda e colocar uma mensagem “Nós respeitamos o seu direito à privacidade. Caso não queira mais receber nossos informativos através de “e-mails” favor responder a esta mensagem escrevendo no campo Assunto (Subject) a palavra: REMOVER”.
    Conseguiria enviar e-mails sem ter problemas??

  2. Fabio disse:

    Na verdade é tudo papo furado, se você tentar mandar uma propaganda sem PAGAR a alguma empresa é SPAM se você tenta você mesmo mandar uma propaganda ou divulgação do seu trabalho pela INTERNET e SEU EMAIL, onde era uma terra livre de COBRAS querendo engolir dinheiro de todos é errado, agora se você pagar para uma empresa capitalista para fazer a mesma coisa que você iria fazer na sua casa ou escritório, haaaa ai é diferente é EMAIL MARKETING, na verdade isso é política de venda casada. OU VOCÊ PAGA OU NÃO PODE PORRA NENHUMA. simples assim.

  3. Mara Nunes disse:

    Olá Luiz.

    Queria tirar algumas dúvidas quanto a esta maneira de fazer marketing, pois estou pensando em montar este serviço em casa e colocar a gurizada pra trabalhar.Não tinha noção nenhuma e também achava que poderia ser algo ilegal.
    Vou continuar a pesquisar, mas se puderes me ajudar me dizendo como se cobra pelo serviço prestado?

    Agradecida.
    Mara Nunes

  4. Cleiton disse:

    Muito interessante…
    Gostaria de saber sua opinião de como poderia promover meu portal (www.ousar.net) utilizando o e-mail marketing?

  5. Rodrigo Reis disse:

    Olá Luiz,

    Estou planejando entrar no e-commerce em um seguimento específico do mercado de eletro-eletrônicos. Contudo, estou com algumas dúvidas de como começar a divulgar a minha loja e a minha atividade.

    Comprar um banco de emails direcionado para meu público-alvo e enviar informações sobre a loja, dando a opção para o destinatário optar por não receber mais emails seria uma prática considerada ofensiva? Seria spam?

    Parabéns pelo artigo e pelos esclarecimentos que traz.

    Abs,

    Rodrigo Reis
    rodrigooreis@gmail.com

  6. Luiz Dias disse:

    A/C Karen
    Data: 24/07/2008 às 11:13 am

    Karen, você tem toda razão.

    Deve ter havido algum problema que foge a minha área de atuação, e não tenho ferramentas suficientes para dar umar esposta mais precisa.

    Contudo, me proponho solucionar esse problema. Me envie um email que cuidarei disso pessoalmente.

    Um abraço e obrigado pelas pertinentes colocações.

    Luiz Dias

  7. karen disse:

    Olá Luiz,

    Parabéns pelo artigo.
    Só acho uma pena o fato de eu ter me cadastrado no site da Gimba há 1 mês e não ter recebido nenhum email promocional, aliás, email nenhum… Acredito que frequência e padrão devem ser levados em conta. Leve isso como uma dica já que seus artigos são bons, mas não temos como comprovar que suas idéias sejam, realmente, colocadas em prática.

    Um abraço,

  8. Angela Kielkowski disse:

    ótimo artigo.
    Vale para darmos a devida importância a esse
    incrível meio de comunicação que ainda não
    está sendo utilizado da maneira adequada por
    uma série de resistências, às vezes até banais.
    A segmentação adequada pode ser o principal caminho!
    abraços
    Angela

  9. Adriano disse:

    Luiz,

    Muito bom teu artigo!!!

    Achei bem legais as analogias que vc fez entre o povo dos sinais de trânsito e o spam? =)

    Parabéns!!!

  10. Dady meu amor disse:

    mozi, acho que é interessante vc dar uma olhada nessa noticia, apesar de que nem cheguei a ler ela!

    te amo!

  11. Marcelo Mattei disse:

    Caro Luiz,

    Parabéns.

    Até que enfim alguém escreveu sobre esse assunto tendo como base uma linha de raciocínio que é no mínimo lógica e inteligente.

    Abraços,

    Marcelo Mattei

  12. Adal Bueno disse:

    Ótimo artigo, Luiz.
    Realmente é insuportável o quanto recebemos propagandas indesejadas por e-mail ou outras mídias.

    Toda e qualquer prática invasiva, na web, é ruim e desrespeitosa. =)

    []s

  13. Ótimo artigo, Luiz.

    É infame o número de abordagens que recebemos diariamente das mídias tradicionais. O E-mail Mkt é o uma forma moderna e limpa de propaganda, entretanto a prudência e o respeito se fazem necessários no seu uso.

    Abraços.

  14. Walmar Andrade disse:

    Nos EUA, um empresário acaba de pegar 4 anos de prisão por praticar spam:

    http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL688690-5602,00-EMPRESARIO+E+CONDENADO+POR+SPAM+NOS+EUA.html

    Ele devia ter lido este artigo antes 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *