A inovação pode impulsionar a educação no Brasil

Nova Escola de Marketing
18 de maio de 2012

Os sistemas tradicionais de ensino têm muitas dificuldades para se alinhar às oportunidades atuais do mercado. E as melhorias só acontecerão com uma mudança de foco.

O Brasil está numa fase muito favorável. Fatores como a descoberta de recursos naturais inexplorados, uma democracia robusta, uma população jovem e empreendedora, um amplo mercado interno e o reconhecimento internacional estão entre as diversas razões para ser otimista. Porém, neste cenário, o desenvolvimento da educação continua como uma das principais restrições ao crescimento. Embora o número de estudantes no Ensino Superior tenha dobrado nos últimos 10 anos, atingindo 6,5 milhões no ano passado, as empresas continuam sofrendo nos cenários locais e globais por causa da falta de mão de obra qualificada. Para mudar este cenário, é fundamental entender porque os sistemas tradicionais de ensino têm dificuldades em superar os desafios atuais do mercado e quais são as alternativas para propulsar a educação no Brasil.

A primeira grande restrição dos mecanismos tradicionais é a lentidão na qual se consegue desenvolver o conhecimento dos alunos. O período de formação é simplesmente incompatível com o ritmo dos negócios da maioria das empresas e com a velocidade na qual o mundo muda hoje em dia. Embora a mão de obra qualificada faça falta, não se investe para obter um resultado incerto num prazo inadequado. Três, quatro ou cinco anos são prazos nos quais as empresas e os governos conseguem estabelecer os seus planejamentos estratégicos, portanto, fica difícil para qualquer gestor justificar decisões de investimento cujo impacto será perceptível fora deste prazo.

O segundo motivo é a falta de flexibilidade na oferta de formação. Embora a diversidade de oferta em cursos superiores tenha crescido, muitas vezes, as empresas querem resolver problemas específicos e pontuais. As instituições de ensino só conseguem responder a essa demanda por meio de programas longos e genéricos em que embutem atividades que não correspondem à demanda da empresa ou a necessidade do aluno.

A mudança é lenta e complicada porque os modelos de ensino são baseados em volume de alunos e tempo de permanência na instituição. Por consequência, a preocupação em resolver problemas de capacitação específicos em pequena escala foge das prioridades.

Problemas que poderiam ser resolvidos em módulos de uma, quatro ou vinte horas não representam um bom negócio a menos que o número de interessados seja realmente grande. Ou seja, instituições especializadas em ensino presencial saem atrás neste mercado.

Assim como a venda de músicas por unidade nas lojas virtuais está acabando aos poucos com o mercado de discos, o setor educacional deve se preparar para a venda de certificação por competência, em vez de venda de grade curricular e diplomas. Nesse contexto, os avanços nas tecnologias digitais prefiguram uma evolução tão marcante do que está acontecendo na indústria da música, do cinema e do livro. As possibilidades oferecidas pelas plataformas de aprendizagem on-line e o conteúdo digital estão mudando a configuração deste mercado para todos os envolvidos: aprendizes, professores, instituições formadoras e empresas que precisam de mão de obra qualificada.

Inexistente em 2001 na área de Ensino Superior brasileiro, a Educação a Distância cobrirá, em 2012, mais de 15% das matrículas do país, atingindo mais de um milhão de alunos. O que é interessante observar é: as instituições que lideram este movimento no Brasil não são aquelas que predominavam na modalidade tradicional de ensino. Quando se fala em inovação, mudar pode ser bem mais difícil do que sair do zero. Com a mudança tecnológica que está por trás dessa modalidade, aparecem novas oportunidades para atender a demanda reprimida no mercado corporativo, trazendo possibilidade de intervir de maneira mais pontual na capacitação de funcionários, numa filosofia por demanda.

Outro ponto a ser considerado com esta mudança, é que enquanto o mercado educacional sempre foi relativamente local, o mercado de ensino online tende a ser globalizado. As melhores instituições de ensino do mundo já estão se consolidando para oferecer os seus cursos não mais para milhares de pessoas selecionadas a escala nacional, mas sim para milhões de candidatos interessados em nível global.

Neste panorama, tanto as empresas quanto as instituições de ensino brasileiras têm uma oportunidade de repensar a questão do desenvolvimento de competências profissionais sob o olhar da inovação. Estabelecendo novas parcerias e métodos que levam em consideração o que a tecnologia já permite oferecer: qualidade em quantidade.

[Webinsider]

…………………………

Leia também:
Para inovar é preciso antes criar a cultura certa
O mal estar das organizações: tensão e mudança

…………………………

Acompanhe o Webinsider no Twitter e no Facebook.

Assine nossa newsletter e não perca nenhum conteúdo.

Avalie este artigo:
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votes, average: 5,00 out of 5)
Loading...
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

Uma resposta para “A inovação pode impulsionar a educação no Brasil”

  1. Erica disse:

    Olá,

    Gostaria de aproveitar o tema aqui discutido para divulgar o site Professores de Plantão, uma iniciativa bastante inovadora no Brasil na área de educação. Pela plataforma, alunos do ensino básico têm a oportunidade de realizar tutoria com universitários das melhores faculdades do país para tirar dúvidas imediatas, 100% online e com duração flexível, por meio de vídeo e chat.

    Obrigada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *