Como a Nero superou o declínio do CD e está aí firme

Nova Escola de Marketing
31 de agosto de 2016

Momento #prontofalei: executivo da Nero conta como a empresa deu a volta por cima, depois de apontada como um zumbi condenado à extinção.

Como a Nero superou o declínio do CD e está aí firmeOs brasileiros têm um senso de humor peculiar e, muitas vezes, cáustico.

A Nero, onde trabalho há anos, já foi vítima dessa particularidade dos brasileiros de fazer piada com tudo: uma revista brasileira listou nossos produtos, coisa de quatro anos atrás, em uma matéria que nos comparava a zumbis tecnológicos. O artigo era jocoso, mas sério.

Por que a tal publicação se pegou justo nesse ponto? Bem, imagino que por dois principais motivos.

O primeiro, mais flagrante, decorre de a Nero ter nascido de um software para gravação de CDs, o hoje legendário Nero Burning ROM, que nos levou a ser a maior companhia do mundo, em vendas e em tecnologia, nesse mercado.

A relação seria com uma empresa vinculada a uma tecnologia supostamente morta-viva. O segundo motivo, creio, tem a ver com os aspectos novidadeiros do mercado. Algo assim: uma start-up é charmosa, mas uma companhia com 20 anos e fora do radar hipster é antiga.

Que zumbi nada

São estereótipos, e é nisso que reside a graça. Mas, no outro extremo do campo da ironia, essa história tem ensinamentos caros ao mundo dos negócios. Por que sou eu quem está escrevendo esse artigo – e não, por exemplo, o redator que me definiu como zumbi?

Por um motivo simples: a revista em que ele perpetrou a graça fechou as portas por não ter sido capaz de se adaptar aos novos ventos do mercado, enquanto a Nero soube recriar suas velas e continuar navegando.

Mas a matéria que brincou com a gente tinha um fundo de realidade. O mercado em que nós historicamente atuamos mudou tão dramaticamente que muitos de nossos concorrentes dos anos 90 sumiram do mapa.

Declínio da mídia física

A Nero também passou por momentos de desafios críticos. Nós antevimos a virtualização extrema que se desenhava para as atividades típicas de gravação em mídias físicas – o registro de dados e, principalmente, de música, vídeo e fotos – e lá no princípio desse movimento até criamos um conceito, inspirado na filosofia, chamado mídia líquida.

Quer dizer, um conteúdo de mídia já não teria um suporte por excelência, mas se espalharia por todos como água.

Superar as dificuldades que o usuário encontra

A percepção estava certa, e foi ela que nos reconduziu aos trilhos da história. Nós paramos de focalizar apenas o suporte de mídia em si, no qual nossa tecnologia continua imbatível, e passamos a olhar para o conteúdo: que tipo de coisa o usuário quer colocar nesse suporte, seja lá qual ele for? E que tipo de dificuldade esse usuário tem quando todos os suportes são possíveis?

Questões assim nos levaram a uma grande reflexão coletiva que conduziu nosso time de criativos a reinventar produtos, desenvolvendo o conceito de pacotes multimídia completos.

Ou seja, um buquê de aplicativos bem amarrados para editar, publicar e compartilhar música, vídeo e fotos entre a infinidade de suportes disponíveis – do velho CD ao Blu-ray, passando por celulares, tablets, consoles de games, tevês inteligentes e mídias sociais, cada qual com seu formato típico de arquivo.

Nesse verão aqui na Alemanha – e nesse pós-olímpico fim de inverno brasileiro – nós tivemos o prazer de ouvir sirenes tocando em nossos sistemas de gestão. Elas avisavam que o esforço de reinvenção tinha dado certo.

A gente já sabia isso, mas é diferente quando uma sirene toca por se ter atingido uma daquelas metas corporativas que se traduzem em um tipo de número mágico. E que número mágico: a informação que obtivemos então foi da contabilização de 100 milhões de usuários de nossos softwares no mundo. Correndo o risco de soar piegas, digo que foi emocionante.

Melhor ainda foi observar que o número é consistente. Isto é, as instalações novas continuam de vento em popa, com média mensal de 1 milhão de downloads de aplicativos Nero. Como se diz no Brasil, é software de baciada – a cada 3 segundos um de nossos programas é baixado ou adquirido em uma loja física e instalado.

Zumbis e deboistas

Falando nisso, um dos nossos orgulhos é a performance dos pacotes multimídia s no Brasil, essa nação tão musical: há hoje pelo menos 12 milhões de brasileiros usando programas Nero para cuidar de seus acervos de música e vídeo, e recentemente, o país foi o primeiro colocado no mundo em downloads de um APP para celular que lançamos.

Para nós, isso corresponde a uma medalha de ouro. E a gente pensa que, para os fãs de nossas soluções, também. Foi um caminho duro, mas uma coisa é certa: aprendemos com o humor brasileiro que zumbi a gente não é. Estamos mais para inventores de novas maneiras de nossos usuários serem deboístas. [Webinsider]

Avalie este artigo:
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votes, average: 5,00 out of 5)
Loading...
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

2 respostas para “Como a Nero superou o declínio do CD e está aí firme”

  1. Paulo Roberto Elias disse:

    Caro Eduardo,

    Acabei de ser ofertado com a pré-compra do Nero Platinum 2017, a ser lançado em outubro.

    Se você tiver um tempo, e se a informação estiver a seu alcance, poderia me informar que melhoramentos esta nova versão teria em relação a de 2016?

    Grato por qualquer resposta sua, obrigado.

  2. Paulo Roberto Elias disse:

    Prezado Eduardo,

    Este que vos escreve tem uma coluna regular aqui no Webinsider, e é usuário do Nero Burning ROM desde a década de 1990.

    Que bom que o seu texto foi escrito e publicado. Espero que os comentários a seguir sejam usados para um feedback na sua companhia.

    Antes de mais nada, queria te dizer que o Nero Burning ROM é, até hoje, o único software que eu conheço que permite programar o intervalo entre as faixas de um CD, quesito este essencial para o meu trabalho daquela época, em que eu me dei ao trabalho de remasterizar o que sobrou da minha extinta coleção de Lps. Alguns desses álbuns tinham trechos onde faixas não tinham interrupção do conteúdo sonoro, obrigando assim a zerar o intervalo padrão de 2 seg entre elas, contidas nos CDs. Alguns programas permitem tudo ou nada, mas o Nero Burning ROM permite fazer isso faixa a faixa.

    Por outro lado, a suite do Nero inchou sobremaneira, coisa contra a qual eu não vejo empecilho de uso, pelo contrário, tanto assim que passei a instalar a suite completa, mesmo sem ter uso para alguns de seus aplicativos.

    Eu acho que eu entendo a filosofia de expansão da Nero, mas o que eu ainda não entendo é a falta de suporte entre uma versão da suite e outra.

    Há algum tempo atrás, eu instalei o Nero Platinum 2015, a partir do qual consegui manter o Nero Blu-Ray player, comprado anteriormente.

    Crente que este seria o caso da versão 2016, eu acabei descobrindo que o player havia desaparecido. O que aconteceu é ao desinstalar a versão 2015 o player foi junto com ela. Resultado: eu hoje tenho as versões 2015 e 2016 Platinum somente por causa de um aplicativo.

    O pior foi saber que a Nero decidira retirar de uso este player em algum momento do futuro. No meu último contato com o suporte, me foi afirmado que este plano está adiado sine die, o que me poupou de adquirir algo equivalente.

    O Nero Blu-Ray player não é nenhuma obra-prima e sofreu pela ausência de atualização na reprodução de algumas mídias. Mas é, por outro lado, mais compacto e com todas as funções dos seus concorrentes, principalmente na área de acesso a menus.

    Sobre o CD, esta é mais uma falácia de mercado. Nem o Lp morreu, nem o CD morrerá. Qualquer artista, quando lança algo novo, o faz em CD. E eu continuo fazendo os meus em casa, a partir de downloads que eu adquiro.

    Eu agradeço a você a leitura do meu comentário e espero ter boas notícias da Nero em um futuro próximo. No momento o nível de queixa sobre o Blu-Ray Player nos fóruns continua em alta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *