Agora sou mídia também e tenho que aprender a lidar com isso

09 de janeiro de 2017

Precisamos aprender a lidar com conteúdo abundante e não mais escasso, com responsabilidade de produção e repasse de conteúdo.

Agora sou mídia tambémO grande impacto de uma revolução civilizacional na sua primeira etapa é o aumento radical de poder de mídia de cada cidadão.

Há uma migração de um consumidor radical de conteúdo para um produtor radical de conteúdo. Todo mundo acaba tendo que tirar a sua objetividade e subjetividade do armário!

Há uma pulverização do poder de mídia e cada um, querendo, ou não, passa a curtidor, produtor e repassador de conteúdo. E nós precisamos ser treinados, educados e refletir sobre e para isso.

E mais:

No primeiro momento temos uma crise que necessita URGENTEMENTE de ação educacional.

Precisamos aprender a lidar com conteúdo não mais escasso mas abundante, com responsabilidade de produção e repasse de conteúdo!

Existem alguns fenômenos que são decorrentes do rápido e radical poder de mídia:

  • Excesso de autopromoção, selfies.
  • O que o pessoal tem chamado de pós-verdade, quando as pessoas reproduzem boatos sem filtrar.
  • Baixa capacidade de reflexão individual para avaliar informações.
  • Incapacidade de lidar com a abertura das oportunidades para a diversidade de cada um.

É um fenômeno global e que atinge o Sapiens em cheio.

Hoje, se reclama do fenômeno e não se vê saída, pois o modelo educacional foi todo montado para o Sapiens 2.0, que vivia num mundo pré-digital.

Temos que sair da tecnofobia e partir para a compreensão mais filosófica do fenômeno, não questionando, mas ajudando a refletir sobre ele.

É isso, que dizes? [Webinsider]

. . .

Sobre o episódio 1 da terceira temporada de Black Mirror

Leia também:

A formação individual no ensino do século 21

Há um continente 3.0 e não o enxergamos

Avalie este artigo:
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *