Tesouro Direto: é preciso analisar os prós e contras

Nova Escola de Marketing
10 de janeiro de 2017

A ressalva é a segurança do investidor no longo prazo, caso o crescimento da dívida pública venha a impossibilitar o Governo de honrar seus compromissos.

Tesouro Direto: prós e contras Sensação do momento, o Tesouro Direto vem oferecendo ótima rentabilidade e novidades para facilitar a vida dos investidores, especialmente os de perfis moderado e conservador.

Nos últimos meses, o Governo Federal reformulou o site de compras para facilitar o entendimento da aplicação e gerar melhor visualização dos rendimentos dos títulos, remunerações e vencimentos dos papéis.

Em dezembro, lançou a chamada “segunda onda” de melhorias, para tornar mais fáceis, acessíveis e seguras as operações, lançou um aplicativo para facilitar agendamentos, resgates, consulta de extrato e análises das transações e alterou o horário de resgate, que agora pode ser feito das 9h30 às 18h.

Melhoria no controle das operações

Com todas essas facilidades, o Tesouro Direto desponta como um dos melhores investimentos para 2017?

Para chegar à resposta a essa pergunta, precisamos refletir sobre a aplicação.

Por meio dela o investidor empresta dinheiro ao Governo Federal – em ação que visa custear gastos públicos pela Secretaria do Tesouro Nacional – que depois de um período, devolve o valor acrescido de juros.

Investindo pela modalidade pré-fixada, a taxa de rendimento é definida no ato da aplicação, enquanto pela modalidade pós-fixada, a rentabilidade será associada a um índice em seu valor futuro, como a taxa Selic ou o IPCA, o que pode gerar bom rendimento ou perdas, de acordo com a variação da taxa.

O risco é baixo mas existe

O risco do investimento é baixo, uma vez que o governo é a garantia. Entretanto, observamos atualmente a instabilidade da situação política e econômica que o Brasil atravessa.

Por isso manifesto a minha ressalva sobre a segurança que o investidor tem de que seu retorno estará garantido no médio e longo prazo, uma vez que o crescimento da dívida pública pode impossibilitar o Governo de honrar seus compromissos.

Os afetados, caso a situação se agrave, serão justamente os investidores do Tesouro Direto, que correrão o risco de não receber o que lhes é devido.

Não acredito que neste momento os investidores devam retirar suas aplicações, apenas alerto para que acompanhem o desdobramento da crise, sempre fazendo uma análise crítica das informações. Além das facilidades oferecidas, é preciso observar o cenário como um todo.

As melhorias que dizem respeito às aplicações foram relacionadas mais ao controle das operações do que às garantias do investidor, portanto é importante agir com cautela e sempre pulverizar os investimentos de acordo com os objetivos, para ter maior segurança. [Webinsider]

. . . . . .

Leia também:

Investir na carreira traz retorno a médio prazo

Avalie este artigo:
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

Uma resposta para “Tesouro Direto: é preciso analisar os prós e contras”

  1. Eduardo Melo disse:

    Excelente artigo, mas em relação ao risco do governo não ter a capacidade de pagar, devemos lembrar que praticamente todo fundo de investimento oferecido pelos bancos possuem lastro com o Tesouro Direto, então se este quebrar, muita coisa já vai ter quebrado antes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *