Novo modelo administrativo tira a gestão do gerente

06 de abril de 2017

A principal mudança hoje acontece na administração, onde a gestão caminha para a curadoria baseada em reputação digital, na qual todos avaliam todos.

A gestão bimodal Bimodal significa dois modelos operando em paralelo. Bimodal é utilizado pelo ser humano desde que descemos das árvores.

Há algo novo e algo velho e é preciso fazer transição. Parte é passado é parte é futuro. O bimodal é necessário em mudanças muito diferentes, não contínuas.

Um fotógrafo me disse que foi bimodal quando chegou o modelo digital. Ora ele usava o analógico e ora o novo, até passar completamente para o digital.

A Gartner ao adotar o conceito bimodal apontou o uso principalmente para a área de tecnologia.

Um ambiente novo, com nova forma de pensar e agir para resolver problemas. Duas áreas separadas para evitar perda de continuidade do processo. O “modal 1” continua operacional e o “modal 2” se prepara para tomar o lugar.

Um determinado dia se vira a chave de um para outro. Que pode ser feito, inclusive, com áreas pilotos para expansão progressiva para testes e aculturação.

Quando falamos em transformação digital, muita gente tem optado por criar o ambiente bimodal, mesma que não chame desse nome.

Criam áreas de pesquisa ou aceleradoras de negócios. Porém, sempre com a ideia de bimodal tecnológico, ou mesmo de negócios. E a ideia, quase sempre, é que o “modal 2” cria uma série de processos, produtos ou serviços para ser, de novo, incorporado, ao “modal 1”.

A minha pesquisa, ao longo dos últimos 11 anos, percebeu que vivemos hoje um conjunto de mudanças profundas.

Novo modelo administrativo

Existe uma, porém, que é a mais radical de todas: o modelo administrativo. A morte do gerente da cooperativa de táxi, que trabalhava na gestão, e agora passa a trabalhar na curadoria do Uber.

No Uber não existe gerentes, pois há comunidade de consumo, que se auto gerencia, através da reputação digital (avaliação via estrelas e comentários de parte a parte). Quem não consegue determinada taxa de meritocracia digital sai da plataforma, ou deveria sair.

Este é o modelo administrativo da curadoria.

Quando organizações pensam em “transformação digital” muitas já admitem o bimodal tecnológico ou de negócios.

Porém, são raras as que percebem que o bimodal necessário não é tecnológico, mas administrativo.

Pode ser bimodal administrativo em parte ou no todo, mas que exige profunda mudança de mentalidade na forma de controle de pessoas e processos.

Sai gestão, entra curadoria.

Tudo o que temos visto de novidade traz certo grau de dificuldade de absorção, mas nada se compara a esse novo modelo administrativo, que podemos dizer que está alojado no fundo da alma de todo administrador.

É para isso que o foco das ações estratégicas inovadoras deve se preparar e investir.

É isso, que dizes? [Webinsider]

. . .

Como usar as hashtags do Instagram para contatos

O avanço da uberização e os critérios do uberômetro

Leia também:

Agora sou mídia também e tenho que aprender a lidar com isso

Sobre o episódio 1 da terceira temporada de Black Mirror

A formação individual no ensino do século 21

Há um continente 3.0 e não o enxergamos

Avalie este artigo:
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *