Os táxis perderam a capacidade de serem regulados pelo consumidor

Nova Escola de Marketing
12 de abril de 2017

O modelo dos táxis faliu, como outros na sociedade, pois o mundo aumentou o patamar de complexidade demográfica e o modelo de administração não acompanhou.

O táxi e a regulação - a questão UberRegular é estabelecer regras. Regras que permitam que o consumidor seja respeitado.

Os táxis, de cooperativa, ou não, perderam a capacidade de serem regulados pelo consumidor. Muitos táxis e poucos fiscais. Assim, os taxistas passaram a fazer o que queriam com os passageiros, sem o risco de serem punidos.

Surgiram as cooperativas exatamente para ser a “elite dos táxis” e aumentar a confiança do consumidor.

O modelo dos táxis faliu, como vários outros na sociedade, pois o mundo aumentou o patamar de complexidade demográfica e nosso modelo de administração não conseguiu mais acompanhar o novo ambiente.

O Uber e serviços similares trazem nova forma de regulação muito mais eficaz, aberta e compatível com a atual complexidade. Através das tecnologias digitais, conseguem que passageiros e motoristas se auto fiscalizem o tempo todo. Quem não estiver adequado com o padrão daquela comunidade de consumo é afastado, sem a necessidade de um centro fiscalizador.

É o modelo usado no Airbnb, no Mercado Livre, na Estante Virtual. De certa forma, no Facebook, no YouTube e no Google, que se baseiam em reputação para subir ou descer o status de determinado conteúdo.

O que precisamos fazer agora é migrar mais e mais a sociedade para o novo modelo e não o contrário.

Muita gente pede que se regule o número de motoristas do Uber, até novos motoristas do Uber. Querem agora quer criar o corporativismo 3.0.

Isso, entretanto, não se resolve com regulação de número de motoristas, mas com mais tecnologia. Teremos:

  • Novos concorrentes, que permitirão que consumidores escolham novas comunidades de consumo na área dos transportes de passageiros, que se adequam mais a cada perfil.
  • Melhoria na plataforma, em que se pode definir que tipo de carro se quer pegar (por exemplo, só carros do ano), ou motoristas mais experimentes, ou que tem cinco estrelas, nada mais, nada menos, o que elimina determinados segmentos
  • Pode-se criar roteiros cada vez mais inteligentes para que motoristas possam circular em áreas menos concorridas, ou se especializar em nichos, tais como deficientes físicos, pets, surfistas, ciclistas, etc.

Conflito de mentalidades

Obviamente, que se passar a não valer a pena em termos financeiros estar nos Ubers, muita gente vai fazer outra coisa e o mercado vai se regulando por ele mesmo.

Temos aí, no fundo, conflitos de mentalidade: a mentalidade 2.0, da gestão, do centro definindo tudo por todos versus a mentalidade 3.0, da curadoria, das relações definindo o que é melhor para o conjunto.

O Uber e serviços similares expressam bem o que é o Liberalismo 3.0

Parece-me evidente quem vai vencer no amanhã, mas até lá viveremos tempos difíceis, pois quem ama o passado adora colocar areia no tanque de gasolina do futuro para ver se ele fica mais lento. [Webinsider]

. . .

Novo modelo administrativo tira a gestão do gerente

Como usar as hashtags do Instagram para contatos

O avanço da uberização e os critérios do uberômetro

Leia também:

Agora sou mídia também e tenho que aprender a lidar com isso

Sobre o episódio 1 da terceira temporada de Black Mirror

A formação individual no ensino do século 21

Há um continente 3.0 e não o enxergamos

Avalie este artigo:
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *