Conseguir uma colocação no mercado de trabalho é um desafio para a maioria das pessoas. E este desafio é ainda maior para os jovens que procuram o primeiro emprego.

Segundo a OIT (Organização Internacional do Trabalho), o desemprego no Brasil afeta 12,3 milhões de pessoas. Para os jovens, entre 16 e 25 anos, o desemprego é ainda maior, alcançado a casa dos 31%. (Fonte: Estadão)

Esta dura realidade apresenta um cenário no qual jovens recém-formados, seja na universidade ou no ensino e nível médio, não encontram colocação profissional.

Em todos os aspectos, desde a confecção do currículo, até as entrevistas de emprego, conseguir uma primeira oportunidade de trabalho é um dos maiores obstáculos de uma carreira profissional.

Há sempre a desconfiança dos empregadores quanto à falta de experiência, de qualificação e de maturidade. Muitas empresas simplesmente não possuem capacidade para absorver, treinar e propiciar progressão profissional, de quem nunca trabalhou em alguma outra empresa na vida.

Isto tudo se soma ao fato de quem entra no mercado de trabalho hoje, procurando o primeiro emprego, enfrenta a concorrência de pessoas com experiência. Que, no entanto, estão desempregadas e à procura de recolocação profissional.

Desta forma, a demanda por vagas é muito maior que a oferta. E isto naturalmente é prejudicial a quem não tem experiência anterior.

Mas, existem formas de diminuir esta desvantagem e neste artigo vamos dar dicas sobre isso. Veja, também, porque é tão difícil conseguir o primeiro emprego. E porque, quem está entrando no mercado de trabalho, deve já se atentar aos desafios das ditas “profissões do futuro”. Confira!

As primeiras dúvidas na hora do primeiro emprego

Quem está à procura de uma primeira oportunidade profissional, possui dúvidas naturais. “Qual carreira seguir?”, “Qual a qualificação certa?”, entre tantas outras. As dúvidas, apesar de serem naturais, não possuem respostas fáceis.

Qual carreira seguir?

Esta é uma dúvida que está na mente de muitos jovens, mesmo quando não estão em idade de ingressar no mercado de trabalho.

A escolha do curso universitário depende muito do tipo de respostas interna que a pessoa dá a esta dúvida. E para responde-la, alguns pilares são analisados. Como “qual profissão possui salários maiores”, “qual profissão possui mais vagas”, “quais profissões serão tendência no futuro”.

Esta análise muitas vezes é fria e não considera as deficiências, preferências e habilidades pessoais. E não considerar estes pontos é dar um passo quase certeiro na direção de uma vida profissional infeliz.

Por isso, na hora de decidir qual carreira seguir, é importante procurar aquelas que melhor se adaptam às habilidades e são menos afetados pelas suas deficiências. Desta forma, a trajetória profissional poderá seguir caminhos menos tortuosos.

Veja também: Investir na carreira traz retorno a médio prazo

Qual a qualificação abre mais portas no mercado?

Uma resposta definitiva para esta pergunta “definitivamente” não existe. Não há profissão que irá garantir riqueza, sucesso profissional ou maiores oportunidades. Isto porque o mercado varia muito e em todas as áreas existem profissionais bem e malsucedidos.

Obviamente, algumas áreas, especialmente as relacionadas às de Tecnologia da Informação (TI), apresentam futuro profissional com maiores oportunidades. O ramo da Medicina, por exemplo, historicamente possui déficit de profissionais em qualquer lugar do mundo.

E por serem demandados mais profissionais do que existem, os médicos costumam ter salários altos e muitas oportunidades de emprego.

Veja também: A importância de aprender programação

Enquanto outras áreas, como as de Administração, Direito e Jornalismo, apresentam cenário inverso. Muitos profissionais e poucas vagas disponíveis. Desta forma, os salários tendem a ser menores e encontrar uma boa oportunidade não será tão fácil.

Porém, basear esta escolha apenas pelo mercado é um erro. Remontando ao que dissemos no item acima, é preciso procurar uma oportunidade que se adeque às suas habilidades, deficiências e preferências.

Um fato que demonstra isso é a mudança de ramo após os 35 anos. Seja motivada pelo desemprego, pelo desanimo com a carreira, ou busca de melhores oportunidades, cerca de 36% dos profissionais mudam de ramo, após esta idade. (Fonte: G1)

E recomeçar a carreira, após certa idade, é um desafio ainda maior. Pois, nem todas as áreas utilizam os conhecimentos de outra e o caminho profissional pode ter que recomeçar do zero.

Como ter experiência profissional, antes do primeiro emprego?

Pode parecer um contrassenso, mas é possível ter “experiências profissionais” antes do primeiro emprego.

Uma das formas mais fáceis de se conseguir é atuando como freelancer. Você poderá conquistar habilidades novas, expandir a sua rede de contatos e ainda acrescentar experiência ao currículo.

Algumas plataformas permitem que você ingresse no mundo profissional como freelancer. É possível atuar como redator de artigos, tradutor, designer, promotor de vendas online, entre outras funções. Não será um emprego, mas terá seu valor profissional.

Diferencie-se!

Imagine você indo atrás do seu primeiro emprego. Sem experiência profissional anterior e com um diploma “fresco” em mãos. Você estará no mesmo patamar de muitos outros procurando uma primeira oportunidade.

Desta forma, diante de tamanha concorrência, será escolhido o profissional que apresentar diferenciais. Mesmo que eles sejam mínimos.

E hoje em dia, falar uma segunda língua já não é tão diferencial assim. Pois, segundo a EF Education First, o número de brasileiros que falam inglês aumenta 6,5% a cada ano.

Por isso, é importante procurar ter diferenciais “realmente diferentes”. Tenha um perfil profissional no LinkedIn completo, com todas as suas experiências, relacionamentos e interessantes relevantes.

As redes sociais, como um todo, são fatores que estão sendo levados em conta na hora da contratação. Segundo, a Reppler, 90% das empresas pesquisam as redes sociais de um candidato, antes de o contratarem para uma vaga aberta.

Escreva artigos relacionados a sua área e os publique no LinkedIn. Isto irá mostrar seu conhecimento e como você é um profissional atento ao ramo e às mudanças e fatores que o cercam.

Uma boa forma de fazer uma auto avaliação sobre este aspecto é: “Se um empregador pesquisar o seu nome no Google, o que irá aparecer?”

Pense sobre isso, é bem melhor o seu nome estar relacionado a algum artigo relevante ou a alguma citação em pesquisa.

Porque o primeiro emprego é tão difícil?

Pense em como uma empresa calcula a decisão de contratar um profissional sem experiência. É preciso considerar que ele deverá aprender a profissão e terá menor maturidade para lidar com desafios profissionais.

Um profissional já experiente, mesmo em outras áreas, já terá maturidade emocional para lidar com problemas de trabalho e no relacionamento com os colegas. Além disso, muitas das vezes será preciso alocar um outro profissional mais experiente, para treinar, acompanhar e ajudar o profissional novato.

Por isso, o investimento em um profissional sem experiência, é muito bem estudado. Não vale a pena investir em alguém sem experiência, que não se torne um membro valioso da empresa. E como muitas empresas não possuem tanta margem de manobra para apostar em quem não tem experiência, evitam quem está à procura do primeiro emprego.

Como preparar o currículo para o primeiro emprego?

O currículo é o cartão de visita de um profissional a uma empresa. É, de fato, um documento que irá apresentar alguém a alguma empresa.

Portanto, precisa ser bem preparado e escrito, para causar a melhor impressão possível. Mas, como escrever um bom currículo sem experiência de trabalho anterior?

Um dos pontos mais avaliados em um currículo é a experiência profissional. E quem a possui, procura deixar bem destacada no currículo. Mas, para quem não possui, existem formas de ocupar esta lacuna.

Aponte as suas experiências em ações de voluntariado, cursos adicionais e mesmo experiência em atividades freelancer. Se o currículo for enviado em formato virtual, deixe um link para que o recrutador acesse o seu perfil no LinkedIn, aonde poderá ter mais detalhes e informações sobre você.

Veja dicas de como escrever o currículo para o primeiro emprego.

O primeiro emprego: Como conseguir?

Para conseguir o primeiro emprego, aposte as fichas em sua rede de contatos. A desconfiança natural das empresas com profissionais sem experiências é reduzida, quando há a indicação profissional por um conhecido.

Por isso, construir relacionamentos profissionais é um dos passos mais importantes de uma trajetória profissional. Uma excelente dica sobre isso é o Podcast Nerdcast Empreendedor 28 – O Valor do Networking.

Não tenha vergonha de entrar em contato com todos que podem te ajudar a conquistar o primeiro emprego.

Os desafios das “profissões do futuro” 

Todas estas dicas são muito úteis, mas, um pensamento que não pode passar despercebido por quem busca o primeiro emprego, é os desafios das ditas “profissões do futuro”.

Apesar de parecer um clichê, muitas das profissões de hoje não existirão, o que exige adaptação profissional constante. E para quem entra no mercado, estar atento a estas mudanças irá permitir que a atualização constante seja um desafio sempre presente no radar.

Daqui a alguns anos, a profissões repetitivas não existiram mais. Somente haverão empregos para profissionais criativos, cujas funções não poderão ser feitas por algoritmos. Por isso, o jovem profissional tem a oportunidade de já se preparar para este novo mundo, com menos traumas do quem já possui anos e anos de experiência.

Esperamos que estas dicas sejam úteis e ajude você a conquistar o seu primeiro emprego. Lembre-se: não fique no lugar comum, procure ser desejado pelo mercado e você não terá que enfrentar o drama comum de quem entra no mercado de trabalho.

Respostas

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+

  1. Fernando Káxam

    Belíssimo artigo, sou Coach de carreira e salta aos olhos o número de jovens que realmente não sabem que curso fazer… acabam fazendo “algum” para se verem livres de pressões, ou seguem conselho de alguém… quando sabem o que fazer, normalmente não sabem depois que área de trabalho procurar dentro da profissão escolhida… Minha dica: Procurem um profissional, de preferência Analista Comportamental para encontrarem o que querem como objetivo de vida, aí o curso brota como passe de mágica.