A publicidade busca alternativas, novos apelos e conceitos ao mesmo tempo em que tenta se focar na experie?ncia do indivi?duo para criar elos mais profundos com as marcas.

A tentativa de massificac?a?o de ideias parece perder espac?o numa sociedade cada vez mais moldada pelos padro?es de comportamento da internet e das mi?dias sociais, que exigem mais aproximac?a?o, novas formas de participac?a?o e sensac?a?o de exclusividade.

O conceito de gamification surge como uma forma de engajar pessoas em diversas a?reas, inclusive o consumo.

O que e? gamification?

Gamification procura trazer para o cotidiano das pessoas o uso de conceitos usados nos jogos, tais como o alcance de novos ni?veis, o acu?mulo de pontos ou de si?mbolos de status (badges), simbologia clara de e?xitos quando objetivos importantes sa?o alcanc?ados (feedbacks), barras de progresso para atividades reais, para citar apenas algumas das estrate?gias.

Comec?am a aparecer ideias e aplicac?o?es desses conceitos nas mais diversas a?reas, como educac?a?o, sau?de, meio ambiente, financ?as e ate? mesmo poli?tica.

O termo e? bastante novo e ha? argumentos contra?rios, mas parece na?o haver du?vidas que seja reflexo natural da popularizac?a?o da linguagem dos video games surgida ha? poucas de?cadas e da chegada de uma gerac?a?o de pessoas que cresceram inseridas nesse contexto ao mercado de trabalho, ao controle de organizac?o?es e das novas possibilidades surgidas com a advento da internet.

Uso do gamification na publicidade

Certamente ha? um enorme campo de gamification a ser explorado tambe?m pela publicidade que te?m buscado com freque?ncia engajar pessoas atrave?s de estrate?gias chamadas virais, ac?o?es onde a mi?dia e? esponta?nea e participativa.

Esse tipo de racioci?nio poderia ser aplicado, por exemplo, a determinado produto (digamos, um novo detergente biodegrada?vel) que conferiria ao consumidor um status cada vez maior de protetor da natureza a? medida que ele fosse utilizado, atrave?s de acu?mulo de badges e de sua promoc?a?o atrave?s de ni?veis.

Ou talvez, atrave?s de geolocalizadores, como ja? acontece no Foursquare, fornecer aos clientes determinadas vantagens de fidelidade ou o status de mais assi?duo frequentador, conferido-lhes descontos. Uma empresa de planos de sau?de poderia, por exemplo, oferecer benefi?cios aos clientes que fizessem check-ins em parques e outros locais de atividades sauda?veis de lazer com determinada freque?ncia.

No Brasil ha? alguns exemplos recentes que partem da ideia de entreter para engajar e divulgar:

Bradesco – Adivinhe o filme. Para divulgar os descontos de ingressos de cinemas aos seus clientes, o banco Bradesco utilizou os recursos do YouTube em um jogo onde as pessoas te?m que adivinhar o nome dos filmes atrave?s das mi?micas e gestos que o ator Marcelo Adnet interpreta. A cada fase ha? o incremento de pontuac?a?o que pode ser compartilhada com os amigos em redes sociais.

Allianz – LiveFrog. A Allianz Seguradora desenvolveu para o Facebook um jogo inspirado no antigo Frogger do Atari. O jogo utiliza imagens de uma ca?mera que transmite ao vivo e 24 horas o tra?nsito da Marginal Pinheiros, em Sa?o Paulo, como cena?rio. O objetivo do jogador e? atravessar um grupo de sapos virtuais atrave?s da pista sem que eles sejam atingidos pelos carros reais.

De cara?ter educativo, a cada fase o jogo apresenta dicas de seguranc?a no tra?nsito. Ha? um ranking que pode ser compartilhado com os amigos das mi?dias sociais.

Conclusa?o

Mais que meramente receberem esti?mulos, as pessoas parecem mais interessadas em serem as geradoras desses esti?mulos ao compartilharem suas experie?ncias e buscarem engajamentos. O gamification pode ser uma das vias para o encontro da publicidade com esse novo pu?blico. [Webinsider]
…………………………

Conheça os serviços de conteúdo da Rock Content..

Acompanhe o Webinsider no Twitter.

Respostas

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+

  1. Paulo Peres

    De fato Andrei. Gamificarion é um mecanismo que pode trabalhar a favor da publicidade e da interação das marcas, porque mexe com algo inato do ser humano: a competição. É do ser humano querer ser nem q seja um pouco melhor que o seu parceiro. E com as mídias sociais ficou fácil amplificar essa conquista.

    Acredito que ele crescera conforme o investimento em jogos, independente da plataforma ocorra.

    Abs!!