O avanço do Facebook

Nova Escola de Marketing
26 de junho de 2011

O tempo gasto no Facebook comparado com o resto da web.

Algo que intuitivamente a gente já vinha dizendo, que as pessoas não estavam mais navegando na internet e ficavam apenas no Facebook, foi definitivamente comprovado pelos números recentes do ComScore, em análise de Ben Elowitz da Wetpaint, sobre o tempo de navegação dos americanos.

Vejam que impressionante como o crescimento do tempo gasto no Facebook coincide com a diminuição no resto da web.

Detalhe para o último mês da amostra, quando começamos a ver uma pequena inversão na tendência. Será que os americanos já estão começando a ficar cansados do Facebook? Será o começo do declínio? (Via Business Insider)

avanco_facebook

.

[Webinsider]

…………………………

Conheça os planos de hospedagem da HostLayer.

Acompanhe o Webinsider no Twitter.

Avalie este artigo:
Share this...
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

4 respostas para “O avanço do Facebook”

  1. Carlos Lopes disse:

    Acho que os americanos já estão de saco cheio do Facebook. O site não evolui…. Daqui a pouco aparece outro e engole…

  2. Cristhiano disse:

    Tenho minhas dúvidas sobre os métodos usados pelo ComScore e pelo Facebook para alcançar estes números. Tenho lido vários questionamentos sobre as técnicas de login permantente além da forma que os aplicativos sociais interegem com o Facebook… No meu ponto de vista são técnicas de multiplicação de acesso usadas como estratégia de marketing para fazer com que nós mortais tenhamos que ficar discutindo o assunto a toda hora.

  3. Leo Cabral disse:

    Isso é reflexo cultural do nosso tempo.

    Quando a Web começou com páginas cinzas e imagens sem alinhamento, pessoas de todos os tipos (de todos os tipos mesmo, desde estudantes do primário a engenheiros) criavam páginas pessoais que iam de receitas culinárias à hai-kais, fotos, hobbies e o que mais pudessem expressar de suas individualidades.

    Hoje, essas individualidades precisam se encaixar em uma “folksonomia” de alguma rede social para ser computada, comparada e oferecer outras pessoas que tenham interesses afins não por mérito do conteúdo ou curiosidade mas por mero detalhe algoritmo. Antes você conhecia bem 10 pessoas com interesses afins e bem definidos; hoje Você tem 150 pessoas listadas como “amigos”.

    O que antes eram websites pessoais com páginas únicas, toscas, porém troféus pessoais em domesticação de linguagem de marcação tornou-se anos depois um mar de endereços de blogs pasteurizados por sistemas pré-configurados onde cada página é repetida à custa de templates de terceiros e onde o conteúdo que ao menos deveria salvar as atenções alheias tem mais intenção de gerar renda para o dono do que expressar originalmente pensamentos e criações próprias.

    E o que era meio se torna fim. Mas o mundo não vai acabar por isso, só vai ficando mais burro e sem graça.

  4. O tempo gasto no Facebook | Cristiane Marques Ferle disse:

    […] que intuitivamente a gente já vinha dizendo, que as pessoas não estavam mais navegando na internet e ficavam apenas no Facebook, foi definitivamente comprovado pelos números recentes do ComScore, […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *