Com o passar dos anos, a componetização e o reuso já são realidades em muitas empresas e equipes de desenvolvimentos. A especialização dos sistemas, ao invés da construção de colchas de retalho tecnológicas, possibilita o desenvolvimento de códigos mais enxutos e funcionais, além de maior velocidade na disponibilização de novas funcionalidades.

Juntamente com a facilidade de não mais escrever diversas linhas de código, vieram os desafios de integrar componentes, códigos e aplicações escritos normalmente por outras equipes, empresas ou membros de comunidade que estão envolvidas no dia-a-dia do negócio.

O foco é encontrar boas soluções tecnológicas especializadas que atendam aos requisitos do projeto, realizar as customizações requeridas, alinhar entradas e saídas de dados e, no final, integrar todas as partes com sucesso.

Este processo de integração que muitas vezes não envolve só tecnologia e processos, mas também cultura, com o envolvimento das equipes espalhadas globalmente. Lidar com todos estes aspectos de integração é um desafio que requer cada vez mais atenção das equipes e de seus líderes.

Comunicação e responsabilidade

A montagem deste quebra-cabeça com diversas mãos deve garantir que não sobre nem falte nenhuma peça – as equipes não podem disputar espaços ou se esquivar da sua responsabilidade em todo o processo. O sucesso só pode ser alcançado se todos colaborarem para o resultado final.

Todas as equipes devem ter conhecimento do objetivo do projeto. Para algumas pessoas isto pode parecer um pouco absurdo, mas é necessário. Analistas, desenvolvedores, designers, líderes e gestores devem saber o que deve acontecer quando todas as partes se juntarem.

Se uma das partes é desenvolvida sem conhecimento de como o todo deverá funcionar, diversas dificuldades irão surgir durante a integração, que podem inclusive impactar no produto final.

Uma reunião inicial do projeto deve trazer esta visão geral, apresentando os responsáveis pelas partes, o cronograma geral e o resultado esperado final do projeto. O escopo do projeto e o relacionamento entre os sistemas, mesmo que em nível macro, deve ser disponibilizado a todos os membros da equipe.

Um wiki ou uma área na intranet é uma sugestão para auxiliar na organização deste conhecimento. Este espaço pode ser ainda utilizado como um canal para troca entre as equipes e, futuramente, como memória do projeto.

A comunicação é a base do sucesso do projeto. Com todos os profissionais alinhados com as premissas do projeto, a responsabilidade de cada parte em relação ao todo fica mais explícita. Quando todos os envolvidos estão comprometidos com o resultado, haverá um esforço extra em comunicação para garantir que as peças funcionem em conjunto.

Exercício do tempo

Integrar é uma arte, envolve concentração, dedicação e conhecimento. O grau de dificuldade é definido pela quantidade de peças que compõem o quebra-cabeça, sendo estas pessoas, usuários, bases de dados, tecnologias, sistemas e etc.

Coordenar projetos de integração exige dos gestores jogo de cintura, pois não respeitar os prazos dos testes e da homologação é um risco muito grande e pode ter conseqüências catastróficas.

Cada parte do projeto é integrada individualmente, testes unitários e integrais são realizados em ambiente adequado e o resultado analisado pelos envolvidos. Frases como “Entrar de qualquer jeito”, “Coloca aí depois a gente acerta” e “Testar on-the-fly” deveriam passar longe de um projeto de integração, mas há sempre muitas variáveis a serem consideradas.

Buscando um pouco de sabedoria zen, na linguagem de programação Python há um aforismo que esclarece bem o momento em que um gestor de um projeto de integração deve lidar: “Agora é melhor que nunca. Mas frequentemente nunca é melhor do que neste instante”.

A solução ideal de integração é o resultado de escolhas tecnológicas adequadas, uma equipe técnica capacitada e alinhada, comunicação constante, e, claro, muito, muito teste.
[Webinsider]

…………………………

Conheça os serviços de conteúdo da Rock Content..

Respostas

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+

  1. Veronica Ribeiro

    Com certeza a integraçao é a mola impulsionadora do desenvolvimento.
    O dificil é praticá-la.
    Pois os sistemas não são compatíveis, as pessoas mergulhamem arefas e aí ão sobra nada a não ser uma grande confusão tecnológica e humana.
    Veronica

  2. Guilherme

    Bom artigo, a integração é uma arma para ampliar a capacidade dos projetos, melhorar o desempenho e usar melhor o tempo automatizando processos. Pena que poucas pessoas abrem os olhos pra isso, os potencias são incrivelmente imensos.

    Parabens pelo artigo.