O Barack (“The Man”) Obama me escreveu. OK, foi uma mensagem enviada a milhares de pessoas, todos os que se inscreveram para receber as newsletters dele durante a campanha, mas aproveito a oportunidade para compartilhar a mensagem e chamar a atenção para alguns aspectos dela.

1. Esse é o presidente dos EUA mandando uma mensagem direta para os cidadãos do país, passando ao largo de toda a imprensa, prestando contas sobre uma decisão importante. Mais do que isso, ele está diretamente influenciando a opinião pública a apoiar a indicação da filha de portorriquenhos Sonia Sotomayor para juíza da Suprema Corte do país.

Caso seja aprovada, será a primeira vez que uma pessoa de origem latino-americana ocupará esse posto e o e-mail de Obama aumenta a pressão sobre o Senado para que o nome seja aceito.

2. Detalhe técnico: a mensagem vem com o link para um vídeo sobre o assunto, que está no YouTube, mas embedado na página pessoal de Obama – não é o site da Casa Branca nem outro ambiente oficial.

3. Assistindo o vídeo, note que ele não é gravado em estúdio. Obama está sentado em um sofá, que pode ser na Casa Branca como em qualquer outro lugar, com a moldura de um quadro aparecendo no fundo. Ou seja, esse tipo de participação provavelmente não consumiu tempo (precioso) para execução, o que quer dizer que ele pode ser realizado com frequência.

4. Ele termina a mensagem convidando as pessoas para debaterem o assunto, ou seja, ao invés de a) não querer ouvir ou b) deixar cada um discutir em seus espaços, ele convida quem quiser a falar sobre isso no mesmo ambiente. Assim ele permite não só o monitoramento da temperatura do debate e de como o público está recebendo a notícia, como chama esse debate para um espaço administrado pela equipe dele onde, por exemplo, só ele pode mandar mensagens para todos os participantes.

5. Essa postura se torna uma referência que passa a ser desejada em outros países. Neste post dentro do site do jornal britânico The Guardian isso fica claro. O autor fala que Obama está começando a disponibilizar dados do governo em formatos amigáveis para a internet, e completa, na mesma frase: “se pelo menos o governo inglês fizesse o mesmo”.

Estamos nos aproximando da eleição presidencial de 2010 e não pude deixar de imaginar como seria ser tratado dessa forma, ou seja, ter um canal de interlocução com o representante máximo do meu país. Gostaria que ele pudesse me explicar porque tomou uma determinada decisão e gostaria, quando for do meu interesse, ser convidado para discutir o assunto com outros cidadãos.

Agora, a mensagem:

juliano ?

I am proud to announce my nominee for the next Justice of the United States Supreme Court: Judge Sonia Sotomayor.

This decision affects us all ? and so it must involve us all. I?ve recorded a special message to personally introduce Judge Sotomayor and explain why I?m so confident she will make an excellent Justice.

Please watch the video, and then pass this note on to friends and family to include them in this historic moment.

Judge Sotomayor has lived the America Dream. Born and raised in a South Bronx housing project, she distinguished herself in academia and then as a hard-charging New York District Attorney.

Judge Sotomayor has gone on to earn bipartisan acclaim as one of America?s finest legal minds. As a Supreme Court Justice, she would bring more federal judicial experience to the Supreme Court than any Justice in 100 years. Judge Sotomayor would show fidelity to our Constitution and draw on a common-sense understanding of how the law affects our day-to-day lives.

A nomination for a lifetime appointment to the highest court in the land is one of the most important decisions a President can make. And the discussions that follow will be among the most important we have as a nation. You can begin the conversation today by watching this special message and then passing it on:

http://my.barackobama.com/SupremeCourt

Thank you,

President Barack Obama

.

[Webinsider]

.

Respostas

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+

  1. Bruno Thomasi

    Já havia lido o Post, antes mas estava sem tempo de comentar:

    Acho que ele está acertando em cheio, porém será que ele não está criando uma guerra com a imprensa? Que pode estar vasculhando seu passado para achar algum podre?

    É uma evolução, e toda evolução exige alguns sacrifícios, vamos ver o que isso muda ao redor do mundo, o Lula já disse que vai lançar o blog, estou aguardando para ver!

  2. Geraldo Franca

    Concordo com você Bruno Thomasi, a imprensa pode sim encarar isso como uma afronta, como ocorreu aqui com o blog da petrobrás.

    E se não acharem nada contra o Obama?

    Aí fica uma dúvida:

    Algum político no Brasil tem equidade para se lançar numa empreitada dessas?

    Acho dificil, pois diferentemente da televisão e das velhas mídias, que não aceitam feedback, as novas mídias aceitam, e em questão de dias ou até mesmo horas, as mascaras caíriam caso algum politico sem moral tentasse iniciar um debate desses na web.

  3. Juliano Spyer Post-autor

    bruno, acho que ele não está abalando o relacionamento com a imprensa. a minha impressão é que o alvo dele, neste caso, foi mobilizar a opinião pública para pressionar os republicandos a aceitarem a indicação da juiza do supremo.

  4. Bruno Thomasi

    Juliano Spyer: Não me referi justamente neste email que ele enviou aos cadastrados, mas sim em toda a questão de interatividade que ele está gerando, acho isso magnífico, sem intermediários, direto ao consumidor final da informação, a guerra que eu digo é na questão da dependência dele da imprensa, não precisando colocar anúncios em tv, espaços em jornais para divulgar suas ações, ele vem usando o Twitter para divulgar sua agenda, o YouTube como canal de TV oficial, isso é algo revolucionário no cenário político que merece atenção que vem sendo dada pelos veículos tradicionais.

    Geraldo Franca: Acredito que pouquíssimos políticos teriam a capacidade de colocar a cara a tapa como ele está colocando, porém à de se entender que ele está fazendo isso para não ter a imagem distorcida que alguns veículos da imprensa tradicional cria para permanecer com seu índice de audiência nas alturas, criando manchetes tendenciosas e matérias com objetivo mais de entreter do que informar.

  5. Henrique DAgostini

    Sem dúvidas a internet reduzui os tempos de emissão e recepção da informação, mas sem dúvida Obama é um politico diferente dos demais, não pelas suas estratégias de comunicação (que a meu ver são só uma consequencia) estamos observando um politico que se preparou para o cargo e sabe o que é ser um líder antes de ser um homem (de carne e osso).

    Para o Brasil ou qualquer outro país do mundo não basta copiar e acreditar que o resultado será o mesmo.

    Politica é uma função administrativa que tem como fim a gestão da vida humana, comunicação direta não significara que será alterada a forma como essa gestão tem sido entregue.

    Vai chão pra muita coisa no Brasil, quando não vai no solavanco!

  6. Otavio

    embedado ????
    Vá lá que se tenha de conviver com web-neologismos e anglicismos novos diariamente, por força da própria vitalidade da TI, mas nos agredir desnecessariamente com uma palavra como esta aí acima, quando qualquer busca em um Aurélio podia te sugerir embutido, inserido, incluído… bom, aí já é um estupro do vernáculo!