No último texto (Gestão de pessoas, veja ao lado) faltou concluir com uma análise mais subjetiva… Além dos oito requisitos levantados, gostaria de incluir quatro dicas capazes de auxiliar qualquer profissional que exerce um trabalho com ênfase no relacionamento com pessoas.



Autoconhecimento



O conhecimento profundo de si e das questões que estão presentes nas relações que estabelecemos com pessoas é fundamental para a capacitação profissional de qualquer um que almeje trabalhar com atendimento direto.



Análise pessoal ou terapia são alguns dos instrumentos de autoconhecimento que podem gerar mudanças significativas em nosso viciado jeito de ser e contribuir para uma melhor atuação nos relacionamentos, sempre afetivos.



Maturidade e maestria



Quanto mais experiente, mais sábio e mais seguro você fica para não se curvar frente às intempéries de situações do dia–a–dia, negociações complicadas, relações políticas, aprovações de projetos e dificuldades diversas.



Não se trata aqui de idade, mas sim de maturidade pessoal, de experiência com outras situações e ter recebido ou não treinamento e orientação com suporte para a atividade exercida.



Bons superiores são de extrema importância na evolução da carreira do Atendimento.
Aprendi muito com meus chefes e com sua paciência em escutar meus relatos, ler cartas e e–mails, intervir nas horas em que era preciso, enfim. Tento sempre ser didática e cuidar dos assistentes de Atendimento com este cuidado.



Conhecimentos gerais



Buscar sempre obter uma formação sólida que permita o livre trânsito pelos mais diversos temas e assuntos, que amplie nossa capacidade criativa e associativa, que nos muna com muito mais ferramentas para elaborar soluções e manter relacionamentos mais sólidos com nossos clientes.



Uma formação básica e geral em literatura, arte, música de diferentes gêneros, geografia, cinema, teatro, política, o conhecimento de outras culturas, lugares, esportes diferentes, comidas, enfim…Quanto mais ampliamos nossos horizontes culturais, mais abertos e aptos estamos para lidar com assuntos, negócios, temas e pessoas diferentes.



Network



Para atuar neste mercado precisamos criar e manter uma boa rede de conhecimentos pessoais.



Tudo se resume a relacionamento? Sim. Mas a construção desta rede deve ser algo genuíno do sujeito. Amigos e clientes vivem brincando comigo: dizem que sou social demais e que em qualquer lugar sempre encontro alguém conhecido.



Isto acontece mesmo e faz parte de um jeito próprio de ser. O importante é gostar de pessoas. Gostar de se relacionar e estar sempre interagindo: com o porteiro do prédio, com o motorista de táxi, com o diretor de e–Business da Colgate, com a colaboradora da limpeza do WTC, com a gerente da Natura.net, com amigos antigos de escola, enfim…



Sempre brinco com um amigo – aparentemente tímido e sem jeito em encontros sociais e festas – que, por ele ser “bicho do mato”, os seus negócios acabam comprometidos.



Desde que o mundo é mundo e o homem se relaciona socialmente, as relações afetivas e de amizade foram impulsores de grandes e bons negócios… É mil vezes melhor fechar e fazer um negócio com uma empresa quando você conhece e admira as pessoas que a gerem, não é?



Claro, a marca impera… Você adquiriria um SAP para sua empresa, sim, mas é muito melhor e prazeroso fechar um contrato assim tendo quando o Atendimento é um profissional que você gosta, em quem confia e de quem tem boas referências pessoais.



E isto se constrói. No dia–a–dia, sendo disponível para as pessoas, acessível, afetivo, transparente… É preciso interessar–se genuinamente, gostar genuinamente, estar com o outro de verdade.



E aqui volto a um tema que tratei lá atrás em outro texto (Toda demanda é demanda de amor, veja ao lado) – as relações afetivas que estabelecemos em nossa vida profissional. Os profissionais de Atendimento estão muito mais expostos sempre.



Temos que escutar nossos afetos e nos colocar como campo neutro de relacionamento, sem preconceitos, sem estabelecer regras, sem nada. Sempre digo que a graça da vida são os outros. Descobrir isto nos move. Pelo menos a mim, move. [Webinsider]



Respostas

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+