A tradução de “Open Source” é “código-aberto”. A expressão se refere a softwares que as pessoas podem modificar e compartilhar, ficando disponível para o público. Você já deve ter ouvido falar disso, mas sabe realmente o que é?

O open source é uma abordagem para criação de softwares. Projetos, produtos e outras iniciativas open source seguem preceitos que promovem a troca livre, a participação colaborativa, a prototipação rápida, a transparência e o desenvolvimento por meio da cocriação entre membros da comunidade virtual.

Para exemplificar: você já deve ter ouvido falar de Linux (sistema operacional) e Firefox (navegador). Ambos são produtos open source. Assim, qualquer pessoa pode pegar o código e fazer alterações, sem correr o risco de ser processada por leis de copyright. Claro, ainda existem algumas regras que variam de acordo com a empresa dona do software, mas a ideia é basicamente essa.

Neste artigo, vamos entender o que é o sistema open source, conhecer alguns exemplos legais do mercado e saber porque as pessoas decidem lançar produtos de código aberto e não fechado, que à primeira vista seria mais vantajoso financeiramente. Vamos lá!

o que é open source

O que é open source

Open source é uma forma de criar produtos que permite sua posterior inspeção, modificação e melhoria por parte de um programador ou programadora que não esteja na equipe autora.

A maioria dos usuários de computadores não chegam nem a ver o código-fonte desses produtos. Quem tem familiaridade com a área é capaz de alterar o programa ou aplicação e adicionar funcionalidades, melhorar funções e até corrigindo erros que os criadores podem ter deixado escapar.

A maioria dos softwares open source pode ser distribuída livremente. No entanto, alguns estipulam regras que impedem esse tipo de distribuição, criando algumas restrições a fim de proteger sua propriedade intelectual, por mais que haja possibilidade de alterações sem autorização prévia dos proprietários.

Como citei acima, o sistema operacional Linux é open source. Isso significa que você pode fazer o download do software e distribuir como quiser – dar de presente para os amigos, por exemplo. Você pode instalar o Linux em qualquer computador, criar remixes do sistema e também distribuí-los. Você pode até mesmo modificar o Linux e criar um programa totalmente diferente, só seu. Legal, não?

No caso do Linux, o uso é gratuito. No entanto, open source nem sempre significa que algo é livre de cobranças. Autores podem cobrar para que as pessoas utilizem o software, no entanto, poucos o fazem. Isso porque a cobrança pode ser burocrática, já que, para que o software seja open source, é preciso liberar o código-fonte. O mais comum é que criadores cobrem para ensinar as pessoas a instalar e utilizar o programa, em uma espécie de consultoria. O pedido de suporte pago por parte dos usuários também acontece.

Mas qual é a diferença do open source para outros softwares?

Softwares “fechados” permitem que apenas os autores originais, sejam uma empresa, uma pessoa ou um grupo de pessoas, possam copiar, inspecionar o código e alterar o produto. Assim, todo o controle sobre a aplicação fica com os criadores. Produtos da Adobe, por exemplo, são softwares fechados.

Para usuários utilizarem softwares “proprietários”, como também são chamados, usuários precisam concordar com termos de uso estipulando as regras, mesmo em produtos gratuitos para uso pessoal. Assim, caso tente alterar o código-fonte, a pessoa pode sofrer punições de acordo com as leis de copyright.

software open source

Benefícios dos programas open source

Agora você já sabe que sistemas open source podem ser copiados e alterados livremente. Mas existem outras vantagens? Veja alguns benefícios dos sistemas de código-aberto:

  • Controle: usuários preferem lidar com softwares open source porque podem observar o código e garantir que não está fazendo nada indesejado. Além disso, é possível utilizar o programa para qualquer fim, sem precisar ser o original.
  • Treinamento: para programadores, softwares open source são uma forma de treinar para serem cada vez melhores no seu trabalho. Estudantes podem abrir os códigos, criticá-los, sugerir mudanças e muito mais. Criadores também podem abrir seus códigos para críticas, a fim de desenvolver suas habilidades.
  • Segurança: muitas pessoas preferem softwares open source porque o consideram mais seguro. Como qualquer um pode encontrar erros e ajustá-los, é menos possível que falhas ataques o sistema. Além disso, como não é preciso pedir autorização dos autores, as mudanças podem ser feitas e colocadas para download rapidamente.
  • Estabilidade: softwares proprietários contam com suas próprias equipes para fazer melhorias. Se os profissionais param de trabalhar no sistema, ele pode ficar obsoleto e sem atualizações. Com o modelo open source, isso não acontece e as pessoas podem fazer alterações e otimizações para sempre.
  • São uma boa base para projetos de iniciativa social. Um exemplo é o mao3D, criado para reabilitação de pessoas com deficiência. Confira uma entrevista com as autoras aqui.

Como você pode ver, os sistemas open source favorecem tanto programadores quanto usuários. Para empresas, é uma ótima maneira de construir uma comunidade em torno do seu produto, ampliar a atração de usuários, aumentar a qualidade do software e construir um produto que as pessoas amam.

Confira empresas e grupos que criaram softwares open source pelo mundo.

Exemplos de empresas que criaram software open source

Firefox

O Firefox é um dos navegadores mais utilizados no mundo e está presente em todas as plataformas. A empresa dá total apoio para projetos que contribuem para o movimento open source e para a saúde da internet e otimização do navegador. Inclusive há prêmios para os melhores projetos nesse sentido.

programas open source

Inkscape

Feito para auxiliar designers na criação de imagens vetoriais, o Inkscape também é um software open source. Cheio de funcionalidades, o programa é cada vez mais enriquecido pelo trabalho de designers e programadores que contribuem com sua construção.

LibreOffice

Feito para usuários que não podem ou não preferem pagar a licença do Microsoft Office, o LIbreOffice funciona muito bem para criação de textos, planilhas e outras atividades. Além de ser open source, o programa é gratuito para download em qualquer computador. É um dos sistemas open source mais utilizados e de mais relevância no mundo, sendo utilizado inclusive por empresas.

Audacity

Desenvolvido por um grupo de voluntários, o Audacity é o editor de áudio gratuito mais utilizado no mundo. Usuários podem executar tarefas simples, como reduzir ruídos ou cortar áudios livremente, seja para fins comerciais ou pessoais.

Se você tem uma empresa interessada em criar um programa open source e não sabe por onde começar a criar a estratégia, confira a seguir alguns caminhos para isso.

Como criar uma estratégia de open source

Para criar um software open source, é preciso esclarecer algumas coisas. Primeiro, saiba que o mercado exige bons produtos. Por mais que os erros possam ser corrigidos depois, afinal, essa é uma das vantagens, lançá-lo com eles não é boa ideia.

Além disso, você precisa conhecer o seu público e entender se o programa irá se conectar com a expertise e o dia a dia dele, além de solucionar seus problemas. Ao adquirir mais usuários, seu programa pode ser refinado, ao ser melhorado, mais usuários chegam e isso forma um ciclo.

Se você pensa em criar um software open source para a sua empresa, ainda é preciso definir alguns elementos da estratégia, como seus objetivos, que podem ir além de monetização. Confira o passo a passo abaixo e entenda se este é o seu caso:

Crie algo para atrair o máximo de pessoas possível

Seu projeto precisa ser interessante para muitas pessoas. Qualquer projeto de software open source, a fim de conseguir pessoas para aprimorar o programa, precisa ser atrativo o suficiente para um grande público.

Para isso, é preciso contar com algumas características, como abrangência de vários sistemas operacionais e linguagens de programação. Claro, nenhum programa pode agradar a todos, mas há possibilidades de expandir o público possível. Quanto mais usuários, mais as pessoas falam sobre a ferramenta, o que resulta em crescimento e melhores produtos.

Seja autêntico e informativo

Uma vez que você tem um bom potencial público-alvo, é preciso informar as pessoas sobre os objetivos e propósito do software. Evite o clichê em que muitas startups caem: website cheio de palavras bonitas com sentido vazio, adjetivos que não dizem muita coisa e imagens genéricas de bancos.

As pessoas precisam ter alguma ideia sobre o que o produto faz e como pode ajudar a superar seus problemas sem precisar falar com uma pessoa de vendas. Isso é uma perda de tempo em qualquer contexto, mas especialmente em uma estratégia de open source.

Comece explicando o problema que você resolve, divulgue estudos de caso, exemplos e mostre como a arquitetura do sistema funciona. Também é importante incluir detalhes sobre o design, especialmente para quem tem pouco background.

Se você puder incluir screenshots e um vídeo explicativo, melhor ainda. Seu objetivo é convencer as pessoas a utilizarem o produto, mas também ensiná-las um pouco sobre seu funcionamento.

Tenha novas ideias constantemente

Um dos principais objetivos dos sistemas open source é reunir novas ideias para aprimorar o software. Por isso, seu sistema deve ser aberto ao feedback por meio de vários canais. Uma vez que a comunicação está aberta, seu sistema pode melhorar muito e realmente solucionar os problemas dos usuários.

Para isso, utilize chats, formulários de contato, pesquisas e mantenha as redes sociais abertas para quem deseja oferecer sugestões e fazer críticas. Seus usuários já dão importância para o seu software, tire proveito disso para melhorá-lo ainda mais.

No entanto, tenha parcimônia. Programas com funcionalidades demais podem ter efeito contrário, afastando usuários ao invés de atraí-los. Para evitar isso, uma ideia interessante

é incluir plugins. O Firefox é um exemplo de programa open source com plugins, que não são funcionalidades do próprio sistema, mas o usuário pode instalar caso realmente precise.

sistema open source

O aspecto econômico dos softwares open source

Se você deseja investir em softwares open source, precisa conhecer três princípios básicos de como esse tipo de sistema influencia a economia:

  • Quando você reduz o preço de um item, a demanda aumenta. Ao reduzir o preço de aquisição de softwares open source, a adoção é maximizada. Claro, ainda é possível que o custo de adoção, que não envolve apenas a compra de outros softwares, mas também tempo e esforço, não compense. Mas mesmo levando isso em consideração, a tendência é que o público cresça cada vez mais.
  • Quando o preço de um item abaixa, a demanda pelos seus substitutos abaixa também. Afinal, se você tem um produto de qualidade gratuito e que pode se transformar no que você quiser, dificilmente irá preferir outros. Assim, open source sempre representa uma disrupção de mercado.
  • O terceiro e último ponto diz respeito à monetização. Se o preço de um produto reduz, o valor de seus complementos sobe. É a mesma lógica aplicada a planos de celular, onde o produto em si tem valor reduzido, mas o usuário paga mais e por mais tempo para utilizá-lo. No entanto, vale destacar que nem toda estratégia de open source visa o lucro somente. Existem outros fatores, como fortalecimento de marca, por exemplo.

Quer saber mais sobre conceitos do mundo da computação? Conheça o big data e alguns exemplos de serviços e produtos na área.Não deixe também de acessar a plataforma de 12Min, repleta de livros e publicações com conceitos que vão ajudá-lo a evoluir e descobrir algo novo todos os dias.

Respostas

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+