A migração para a governança digital

08 de maio de 2015

Todos os novos negócios que estão gerando valor, de alguma forma, fazem a passagem para o mundo das grandes plataformas digitais colaborativas.

contando-insetos-2-1Vamos aos fatos.

No livro, “Mídias sociais na Organização”, da M.Books, Anthony Bradley e Mark McDonald apresentam uma pesquisa que diz o seguinte:

Das 400 empresas entrevistadas nos Estados Unidos, que tiveram algum tipo de projeto com vistas à colaboração de massa pelos seus empregados, 10% obtiveram sucesso (teríamos que ver o que chamam sucesso), 70% são um fracasso absoluto e 20% há participação, mas não oferece valor real à organização”. (pg 45).

Os autores acreditam que é um problema metodológico.

Eu concordo, é também metodológico, mas antes de tudo é um problema filosófico, teórico, que exige uma nova metodologia.

Vivemos, com a revolução cognitiva, algo inusitado – o que podemos chamar de um movimento de governança disruptiva. O que seria isso?

Eras cognitivas definem modelos de governança da espécie

Tivemos, grosso modo, três governanças até aqui, relacionadas com o tamanho populacional.

  • Governança 1.0 – até 1 bilhão de habitantes – governança oral;
  • Governança 2.0 – depois de 1 bilhão até 7 bilhões – governança oral-escrita;
  • Governança 3.0 – depois de 7 bilhões – governança digital.

Por que isso?

O ser humano é a única tecno-espécie do planeta, que vive em uma tecno-cultura, dentro de uma tecno-ecologia, diferente dos outros animais que vivem na ecologia.

Os outros animais são escravos de seu modelo de comunicação e governança e, por isso, não conseguem expandir a quantidade de indivíduos das suas sociedades.

Há uma relação, assim, entre demografia, comunicação e governança.

O ser humano é a única tecno-espécie e, por isso, pode aumentar seu número de membros, pois tem uma tecno-comunicação e uma tecno-Governança.

Quando crescemos, temos necessariamente que criar modelos mais sofisticados da tecno-governança e da tecno-comunicação.

Revoluções cognitivas, assim, são provocadas pelo aumento demográfico, que nos faz começar a experimentar um novo modelo de governança da espécie, mais sofisticado, que significa redução de custo e aumento de benefício na solução de problemas.

Podemos ainda dizer que há modelos de comunicação-governança para cada tamanho de espécie. E o ser humano, de certa forma, se modela com estes.

  • Sonoras – espécies de baixa demografia – usam mais sons e pouco cheiro;
  • Sonoras e olfativas – espécie de média ou alta demografia – usam cheiros e sons, conforme cada grupo;
  • Olfativas – espécies de altíssima demografia – usam quase só cheiros.

Nossa caminhada nos levou a passar pelos três ambientes e hoje estamos começando a experimentar, devido ao tamanho da espécie, um modelo das espécies olfativas.

Ao simular grandes plataformas digitais colaborativas estamos criando rastros, que não podem ser “cheirados”, mas podem servir de guia para a tomada de decisões, muito similar às formigas.

Todos os novos negócios que estão gerando valor, de alguma forma, passam justamente pela passagem do mundo oral-escrito (sonoro) para o mundo olfativo (dos rastros). Mercado Livre, Google, Facebook, Twitter, Estante Virtual, Taxibeat, AirBnb têm em comum essa mudança da forma de se resolver problemas.

Há uma reintermediação.

  • Uma espécie sonora tem um papel de líder para guiar a espécie.
  • Uma espécie olfativa tem outra.

As decisões serão tomadas de outra maneira.

As organizações hoje são estruturadas na antiga governança que é tecno-culturalmente diferente da nova.

Não é pior e nem melhor, apenas foi estruturada para uma espécie que tinha um determinado tamanho. O crescimento nos obriga, por sermos uma tecno-espécie, a sofisticar.

Como proceder a passagem?

1. Ter consciência do cenário;
2. Colocar a migração para a governança digital como o principal projeto estratégico;
3. criar zonas de migração, com recursos e poder para experimentar a nova tecno-cultura, deixando, aos poucos, o antigo modelo para trás.

O problema é que estamos tão intoxicados do atual modelo, com tanta gente acostumada com ele, que ficamos tentando ver como ele continua vivo.

O resultado não é que as organizações vão acabar do dia para noite, isso é algo mais raro, mas elas vão perdendo valor gradativamente para concorrentes inusitados e quando se derem conta serão compradas a preço de banana por quem conseguiu intuir e liderar a implantação da nova Governança na sociedade.

Simples assim, complexo assim.

Que dizes? [Webinsider]

…………………………

Leia também:

…………………………

Conte com o Webinsider para seu projeto de comunicação e conteúdo

>>> Veja como atuamos.

Avalie este artigo:
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votes, average: 5,00 out of 5)
Loading...
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *