Vida acelerada, imediatismo e hiperexposição online

03 de novembro de 2015

Sucesso medido por meio de curtidas e vida virtual são duas tendências da nossa sociedade e, se não soubermos dosar as medidas, certamente nos afogaremos nelas.

hipertecnologiaAcesse o Facebook.

Busque a pessoa.

Veja fotos, leia mais sobre, virem amigos e pronto: você já sabe tudo sobre ela. São íntimos.

Lógico que exagerei nessa representação, contudo, para muitos, esse é o parâmetro para ter uma vida social bem relacionada.

Esse é o modelo de felicidade:

  • Olha que comida gostosa estou saboreando!
  • Olha que lugar lindo estou visitando!
  • Olha que perfeitas são as minhas imperfeições!

Superlativos superficiais sintéticos. Assim defino a maioria dos posts. Ganham holofotes, mas mascaram frustrações e dores. São maquiagens extremas.

A vida hiperconectada é arriscada, causa ansiedade. É tão acelerada que, quando precisamos colocar os pés novamente no mundo real, esse se torna monótono e irritante.

E, para muitos, essa é a única vida que vale a pena.

A tecnologia facilitou demais a interação, quebrou muitas barreiras, mas também criou muitas outras.

Carreira não se resume a curtidas

Eu poderia escrever um livro sobre o tema, mas vou me ater ao perfil profissional.

É muito comum definir o sucesso ou o fracasso de um projeto (livro, música, aplicativo, ilustração, etc.) pela sua repercussão nas mídias sociais, blogs e afins. Quando postamos algo que não alcança representatividade imediata ficamos magoados, descontentes e, em alguns casos, raivosos.

Tornamo-nos reféns de ilusões.

Explico:

Quantas vezes já fiz divulgações dos meus escritos e essas renderam centenas de curtidas/tuitadas, dezenas de compartilhamentos, alguns cliques nos links e ZERO vendas!

Em outras, tive pouquíssimas interações, mas consegui vender exemplares (físicos ou e-books). A balança das redes sociais nunca é bem calibrada e tampouco honesta. E viver unicamente sob esses parâmetros é frustrar-se constantemente.

O que fazer então?

Construir uma carreira sólida, com bases estáveis e boa percepção de valor. O mundo digital é apenas uma ferramenta!

E com essa ferramenta podemos montar as peças necessárias para o conjunto da prosperidade profissional de uma maneira mais ágil e com maior amplitude em relação ao offline.

Mas nunca podemos confundir agilidade com pressa!

E nunca podemos achar que o mundo virtual e as centenas de amigos são as soluções para todos os problemas.

Veja, publiquei O Andarilho das Sombras, primeiro livro da Série Tempos de Sangue em 2012, mas somente em 2014 ele começou a ter vendas expressivas e a alavancar as demais obras.

Durante todo esse tempo – e até hoje – testei, errei, acertei, aprendi e evoluí. E não fiquei restrito à comodidade de usar somente os artifícios online: fui a muitos eventos (a presença sempre é importantíssima), dei palestras, compartilhei conhecimentos, enfim, cuidei do marketing dos meus produtos, da cada deles (a Draco) e também do meu marketing pessoal.

Solidificar a nossa carreira não é fácil, leva tempo, muito (e coloca muito nisso!) esforço e boas doses de criatividade e feeling para perceber as nuances do mercado.

As mídias sociais são ótimas para criar canais de relacionamento e publicidade, mas tal como qualquer outra ferramenta, sem uma operação correta e habilidosa, elas são inertes.

O humano atrás da tela é importante (ainda, rsrsrs).

Então, antes de pisar no acelerador e andar a 200 km/h, é melhor viajar com calma, aproveitar as paisagens e vivenciar boas experiências.

Quem corre, até pode chegar mais rápido, mas o risco de perder o controle é altíssimo e, nesse caso, o acidente pode ser fatal.

Concorda?

Até mais!

Avalie este artigo:
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *