Como a internet ajudou a tirar Dilma do poder

15 de abril de 2016

O país passou de estágio cognitivo para outro. O modelo pouco transparente ficou obsoleto e deslocado em plena revolução digital.

Internet e dilmaO historiador Marco Antonio Villa em artigo no Globo, no dia 05/04/16, sobre o governo Lula comenta: “A participação das ruas na política brasileira inaugurou um novo momento na nossa história. É incrível o desinteresse da universidade em estudar o fenômeno representado, entre outros, pelos movimentos Vem pra Rua e Brasil Livre.”

Concordo com ele, mas há pesquisadores no Brasil estudando o assunto, mas não na universidade, pois lá não é ambiente de pesquisa e produção de livre conhecimento – a burocracia não deixa.

Há gente na rede, com e pela rede se dedicando ao tema. Dito isso, vamos tentar entender como a internet ajudou a tirar a Dilma do poder.

Em geral, as análises que fazemos sobre o momento político atual se restringem a períodos muito curtos de tempo e, por isso, não conseguimos enxergar o que ocorre. A chegada da internet é fenômeno macro-histórico. Rupturas de mídia ocorrem raramente na história.

Vejamos: chegada da oralidade (70 mil anos), da escrita (8 mil), escrita impressa (550), mídias eletrônicas de massa (100), computador (60 anos) e internet (20).

São movimentos de passagem de eras cognitivas para outras.

A chegada da prensa revolucionou

Antropólogos cognitivos têm comparado o momento atual com a chegada da prensa, em 1450. Em ambos os momentos, temos a passagem de mídia hiper-centralizada para mídia descentralizada. Rapidamente, a sociedade que não tinha informação, não trocava impressões, passa a fazer.

Por causa disso, os movimentos de rua no Brasil, desde 2013 e agora de 2015 e 16, não se assemelham aos anteriores do país, nem da marcha dos 100 mil (68), nem das Diretas (83-84) e nem do Fora Collor (92). São movimentos só comparados aos que ocorreram no final da Idade Média com a chegada da prensa – o primeiro deles a Revolta Protestante, na Alemanha, por volta de 1510-20.

Seguidos pela Renascença, Iluminismo, revoluções científicas, industriais e culminando com as revoluções liberais na Inglaterra (1642), americana (1776) e francesa (1789). Nenhuma delas teria ocorrido sem a difusão da escrita impressa, séculos antes.

No fim da Idade Média havia mídia concentrada, com as limitações da escrita manuscrita e rapidamente se espalha na sociedade a mídia impressa, através da chegada da prensa. Há surto de inovação social, igual ao que temos agora, pois sociedades com ideias fortemente controlada passam ao descontrole, com os seguintes reflexos:

  • Acesso à informação de diferentes fontes locais e internacionais;
  • Passagem de papel passivo de receptor para também emissor;
  • Aumento do adensamento social, em ampliação do contato permanente com desconhecidos, conhecidos, amigos e parentes;
  • Organização de eventos, sem o controle de antigos intermediadores.

Transparência social

São revoluções cognitivas descentralizadoras, que têm como missão iniciar longo ciclo de renovação tecnocultural, a partir do:

  • aumento de autonomia de pensamento de cada cidadão que se utiliza da nova mídia;
  • aumento de transparência social e respectiva redução de taxa de hipocrisia entre o que se faz e o que se diz;
  • sofisticação cada vez maior das demandas em qualidade, quantidade, tempo de resposta e respeito à subjetividade.

Indo mais fundo na análise, podemos dizer que tanto lá como agora tais movimentos são motivados pela complexidade demográfica progressiva, fenômeno típico, especial e particular de espécies tecnoculturais, como a nossa. Os outros animais têm limitação genética para crescer em tamanho, nós não!

De tempos em tempos, conforme vamos aumentando a demografia, precisamos OBRIGATORIAMENTE inovar de forma incremental ou radical a tecnocultura.

O MBL e o Vem para a Rua são expressões destes movimentos de mudança cognitivos, São organizações que fogem do modelo hierárquico dos partidos e sindicatos. São, entretanto, ainda primitivos diante do que está por vir.

A meta do Sapiens, se me permitem prever, é trazer algo parecido com o Uber para a tecnopolítica.

Avaliação debaixo para cima, constante e online, através de qualificação coletiva para produção de decisões de leis, orçamentos, decisões dentro de plataformas digitais participativas, reguladas por algoritmos sociais inteligentes. É o que chamo de República 3.0, nova etapa digital da tecnopolítica.

A queda de Dilma só é passível de explicação porque o país mudou e não aceita mais o que aceitava antes. Se o PT teve sorte com as commodities, deu um azar danado em querer repetir o modelo Sarney em plena revolução digital.

O país passou de estágio cognitivo para outro. O que era passível de aceitação pelo cidadão diante do rádio e televisão, passivo, não é mais teclando ativamente na rede.

Quem se ilude que o movimento de mudança vai parar com a queda da Dilma levará grande susto, pois caminhamos, liderando a América Latina, em direção ao novo ambiente tecnopolítico digital.

Tais temas estão presentes no meu livro, ainda em fase alfa, “Tecnopolítica Digital: novas premissas e macrotendências” da coleção “Mundo 3.0″, que tem ainda o Volume 1, “”Curadoria Digital: filosofia, teoria e estratégias”, já na fase beta e com versão impressa.

Veja mais sobre a coleção e como comprar os livros.

[Webinsider]


Leia também:

O modelo Uber adotado em larga escala

Facebook engolindo o jornalismo

Avalie este artigo:
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (3 votes, average: 3,33 out of 5)
Loading...
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

3 respostas para “Como a internet ajudou a tirar Dilma do poder”

  1. Mamae Sarada disse:

    e automaticamente botar temer. substituir 6 por meia dúzia. uma lástima.

  2. […] Source: Como a internet ajudou a tirar Dilma do poder […]

  3. Claudia disse:

    É isso aí, a força digital é tão ou mais poderosa que a força militar. Ninguém ficará mais calado ou protestando nas esquinas sem nenhuma representatividade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *