E a internet acabou criando o filtro bolha

29 de junho de 2016

Filtros de preferência são um conforto. Ok, mas vamos tomar controle sobre o conteúdo que consumimos, antes que alguém faça isso por nós.

Filtros de preferência acabam por criar uma bolha invisível onde circula pouco informação renovada
Imagine um mundo onde todas as pessoas à sua volta discutem os mesmos assuntos, têm as mesmas opiniões, e, portanto, concordam com você.

Ouvem as mesmas músicas, leem os mesmos livros, trabalham no mesmo segmento, etc. Seria tediosamente estranho e perigosamente alienador!

Graças ao que ficou conhecido como “filtro bolha”, esse mundo existe e chama-se internet.

É bom, mas é ruim

Eli Pariser, em 2011, fez uma apresentação no TED falando sobre o tema. Segundo ele, o filtro bolha é uma característica da web de apresentar como resultado de busca o que é considerado relevante para o usuário.

No início do discurso, Eli apresenta essa “ferramenta” como algo positivo da internet, pois as preferências e relevâncias dos temas são importantes para separar o joio do trigo em um universo de informações.

No entanto, no decorrer, ele desconstrói esse argumento e começa a defender que, no frigir dos ovos, há algo prejudicial.

O fato é que o filtro bolha aprisiona os internautas a verem, ouvirem, assistirem e comentarem apenas sobre assuntos que conhecem e concordam.

Com as ferramentas de buscas e as timelines programadas para nos mostrar nossas preferências, fica cada dia mais difícil chegar a conteúdos que nos desafiem e nos façam mudar de opinião, gosto ou preferência.

O que pouca gente sabe é que todos os dados apresentados pelas redes, seja no Facebook ou na pesquisa do Google, sofrem interferência de seus algoritmos para que apresentem apenas aquilo que supostamente interessa a você, aquilo que a tecnologia acredita ser de extremo valor para o que você procura ou quer ver.

Façamos um teste. Role sua timeline e tente encontrar aquele seu amigo com quem você não interage faz alguns meses. Certamente você não o encontrará. Não porque ele parou de postar, mas sim porque o seu algoritmo entendeu que aquela pessoa não é relevante para você e parou de mostra-la na sua timeline.

Para aprimorar esse teste, faça uma busca no Google sobre um assunto aleatório e peça para que seu amigo faça a mesma pesquisa na ferramenta dele; você perceberá que os resultados não serão os mesmos.

A imprensa atrás de cliques

Até aí ok, afinal de contas é relativamente fácil recriar preferências e reprogramar essas condições de navegação. O problema é que 30% da audiência de um portal de notícias vem das redes sociais.

E os jornais, por sua vez, para conquistarem relevância digital e atraírem leitores para suas páginas, precisam ser cada dia mais partidários, sensacionalistas e, por que não dizer, caçadores de cliques.

À primeira vista parece assustador descobrir que estamos imersos em uma bolha sem ver ou interagir com o mundo lá fora. A internet nasceu para democratizar o acesso à informação, por isso mesmo parece difícil acreditar que exista dentro desse contexto algo tão contraditório.

Fure o filtro bolha

Não estou falando para sair das redes sociais, parar com as pesquisas no Google e viver na época das caverna.

Minha proposta é que passemos a buscar a fonte de cada conteúdo e entender o contexto geral dos temas do dia a dia. Buscar ler opiniões contrárias, que além de enriquecer o discurso, vão desafiá-lo e àquilo que você tem como verdade absoluta.

Sugiro que tomemos o controle sobre o conteúdo que consumimos, antes que alguém faça isso por nós. [Webinsider]

Leia também:

Facebook engolindo o jornalismo

Avalie este artigo:
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *