IoT: o que falta para avançar mais rápido?

Nova Escola de Marketing
28 de agosto de 2017

Internet das Coisas: o mundo vai mudar mais rápido ainda quando o consumo de energia e a escassez de frequências estiverem melhor resolvidos.

IoT: o que falta?A internet das coisas é a nova tendência da tecnologia da informação, na qual todo dispositivo, literalmente, terá um endereço TCP/IP e será capaz de se comunicar, interagir, tomar decisões e operar em conjunto com outros dispositivos sem fios.

Esse verdadeiro bioma cibernético, que está sendo construído hoje em laboratórios, e já encontra alguns representantes no cotidiano, será uma realidade total apenas daqui a alguns anos, tornando cenas de filmes hoje futurísticos pura realidade.

A velocidade em que isso vai ocorrer dependerá da solução de alguns desafios, de ordem bastante prática.

Consumo de energia

Comecemos pelo principal e mais básico deles, a matriz energética. Todo dispositivo eletrônico necessita de energia elétrica para funcionar. Além dos dispositivos, utilizados pelas pessoas é necessária uma grande quantidade de energia elétrica para alimentar muitos servidores, que suportam os serviços em nuvem.

Deste modo, o incremento da demanda por mais energia tende a crescer em progressão geométrica, seja para suportar bilhões de dispositivos interligados por redes wi-fi ou para suportar uma infraestrutura gigantesca de data centers e redes de telecomunicações que também demandarão muita energia.

Já vivemos a escassez e o déficit de energia elétrica em muitos países do mundo, sendo tal problema comum a países desenvolvidos e em desenvolvimento.

Espectro

Outro gargalo também decorrente de um fator essencialmente ambiental o é fato que todo dispositivo sem fio necessita do espectro radioelétrico para se comunicar, recurso natural escasso, finito e não renovável.

Na era da internet das coisas a quantidade de espectro demandada será absurdamente maior que a demanda atual, sendo que hoje, já há problemas de escassez, principalmente nos grandes centros urbanos devido a concentração de pessoas e dispositivos.

Uma coisa é certa: o mundo vai mudar e muito. Hoje já vivemos muitas situações tidas como ficção científica há poucas décadas atrás.

As transformações hoje em andamento prometem literalmente inaugurar um Admirável Mundo Novo, parafraseando o título de um livro de ficção científica escrito por Aldous Huxley e publicado em 1932, que narra um futuro onde as pessoas (ou dispositivos) serão organizadas por castas e pré-condicionadas a comportamentos e padrões psicológicos devido à manipulação biológica. Qualquer coincidência com o projeto genoma não é mera coincidência.

Hoje já estão sendo testados carros capazes de se guiarem sozinhos de um lugar para outro.

Graças a sensores, softwares, sistemas GPS, evolução de processadores e banco de dados, os carros em breve serão capazes de se auto guiarem. A regra áurea para o desenvolvimento da tecnologia da internet das coisas é a não intervenção humana em nenhum processo aliada ao desenvolvimento da inteligência artificial.

A internet das coisas não parará por aí. Será inserida em eletrodomésticos, aviões, bicicletas, literalmente tudo, por isso “internet das coisas”. O tema ainda gerará muita polêmica, embora para alguns seja fascinante, para muitos será a aurora de um amanhã tenebroso e sombrio, devido à desconstrução, assim como ocorre no livro de Huxley, da sociedade atual que engendrará uma nova humanidade sem padrões morais, religiosos e com um sentido ético certamente bem diferente do atual.

Na radiocomunicação, o SDR (Software Defined Radio, ou Radio definido por software), estudado em laboratórios de pesquisas desde os idos de 1980, será a solução para o problema de espectro, pois otimizará faixas de frequência ociosa.

Assim como o aprimoramento das tecnologias verdes de geração de energia elétrica trará a solução para o abastecimento do novo bioma cibernético, ora em estágio embrionário.

Eis uma nova revolução a caminho.

[Webinsider]

. . . .

A Internet das Coisas transparente e imperceptível

Estamos realmente prontos para a Internet das Coisas?

Internet das coisas é conectar com inteligência

O papel das ontologias é abastecer o cérebro das máquinas

Leia também:

Avalie este artigo:
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

Uma resposta para “IoT: o que falta para avançar mais rápido?”

  1. Bruna disse:

    Realmente com o avanço da tecnologia muitas coisas ainda vai mudar,como dito acima,que os carros com a tecnologia podem ser guiados sozinhos e muitos já esperam isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *