A exibição de filmes em 70 mm no Brasil foi feita com projetores brasileiros, em vários cinemas. Conhecer quem os fez e a sua trajetória foi um grande privilégio.

Mesmo depois de duas décadas freqüentando cinemas com sistemas estado da arte para projeção em 70 mm, e de ter tido uma vivência prévia em cabines de projeção, 35 e 16 mm, com algum conhecimento neste assunto, eu jamais imaginaria que os maiores espetáculos de cinema que eu vi, incluindo o Cinerama 70, no antigo Roxy do Rio de Janeiro, se deveram a uma única pessoa: Orion Jardim de Faria, designer e fabricante do Incol modelo 70/35.

E esta descoberta aconteceu um tempo depois de começar a pesquisar que tipos de equipamentos eram usados pelos exibidores, nos cinemas do Rio de Janeiro. Na realidade, muito antes de falar com qualquer pessoa do ramo, eu descobri uma página no site “in70mm.com”, do dinamarquês e expert em 70 mm Thomas Hauerslev, falando sobre o Incol. O que acontecera é que o autor do artigo, Richard Fowler, conhecia Alysson de Faria, filho de Orion que trabalhou na Dolby, e soube por ele dos projetores, tendo depois a chance de vê-los e fotografá-los, na cabine de projeção do Senado Federal, em Brasília.

Algumas outras fotos, dos mesmos projetores, vieram parar eventualmente em minhas mãos, por gentileza e cortesia de Charles Torres, gerente comercial da Projecine. São poucas, infelizmente, as referências que sobraram dos Incol 70/35, mesmo nos escritórios do principal exibidor que os usara, Luiz Severiano Ribeiro. Para agravar esta situação toda, quando a fábrica do Incol foi fechada, um dos funcionários jogou toda a papelada fora, achando que ela não tinha mais serventia. E lá estavam a maior parte dos designs e das documentações que hoje nos teriam sido de imensa valia para um estudo.

Não sobrando quase nada, é quase que impossível se fazer qualquer tipo de pesquisa. E é por isso, em última análise, que vários países mantêm museus especializados ou bibliotecas separadas por áreas, nas instituições acadêmicas. E este é um aspecto, o do cinema, onde, a meu ver, estas iniciativas andam por demais negligenciadas.

Entretanto, eu dei a sorte e tive o imenso privilégio de receber uma ligação de São Paulo, do engenheiro que tornou o 70 mm possível na maioria dos cinemas que eu freqüentei: o próprio Orion de Faria. Então eu me propus a visitá-lo, mesmo não morando em São Paulo, onde ele reside. Para isto, eu tive que ir preparado, e um grande amigo logo me sugeriu carregar no bolso um desses gravadores digitais, que acabou me salvando a vida, pois é impossível guardar ou anotar tudo, depois de umas três horas de conversação.

A visita

Eu me encontrei com Orion de Faria no dia 15 de maio deste ano, às 09h00min, e este encontro foi especialmente registrado numa página escrita para o in70mm, site especializado e dedicado a todas as atividades relativas ao formato.

Chegando lá, eu me deparei com uma pessoa extremamente afável, e com uma enorme paixão pelo cinema, e só isso me deixou totalmente à vontade. E quando falo em cinema, eu preciso incluir tudo, desde o projeto original no estúdio, até a projeção do filme. Orion conhece tudo e fala com proficiência sobre isso, uma coisa rara, mesmo entre os vários experts e scholars que eu tive a chance de conhecer na minha vida de cinéfilo.

Orion Jardim de Faria, em sua residência em São Paulo.

Orion Jardim de Faria, em sua residência em São Paulo.

É claro que a gente quando encontra alguém nesta estatura de conhecimento quer logo saber como isso foi possível. Orion é filho de engenheiro diplomado, Alysson de Faria, com largo background em mecânica e eletrônica, e que se tornou empresário de uma firma fornecedora e instaladora de equipamentos de cinemas, atravessando alguns períodos de transição no processo de exibição, como por exemplo, o início do cinema falado. E foi através da firma do pai e da curiosidade que lhe é natural, sobre a parte técnica que o cercava, que ele deu os seus primeiros passos para conhecer o que seria depois a peça mais importante da sua indústria: o projetor de cinema profissional sonoro!

Mas, foi depois de ter feito um curso técnico na Western Electric, que os seus passos mais importantes foram dados. Aliando teoria e prática, Orion se tornou auto-suficiente para, em 1959, montar a sua própria indústria: a Indústria Cinematográfica Orion Limitada, ou simplesmente INCOL.

O aparecimento do formato de filme em 70 mm no país

Segundo seu relato, em 1958, Orion de Faria viajou para os Estados Unidos, para estudar o projetor Philips DP-70. Alguns anos antes, o produtor Michael Todd, proponente do Cinerama de uma só câmera e projetor, processo conhecido depois como Todd-AO, encomendou à Philips holandesa a construção de um projetor para este sistema. Fruto de um trabalho inovador nesta área, nasceu o Philips DP-70.

O DP-70 é considerado até hoje um projetor revolucionário, no que tange à exibição de filmes, porque ele contempla todas as possibilidades da época: a máquina pode projetar 70 mm e também 35 mm, e faz isso com cadência de 30 ou 24 quadros por segundo. Os visionários do Todd-AO achavam, e com razão, que com 30 qps uma série de artefatos de movimento era totalmente eliminada. O formato só não foi adiante por causa do custo, tendo sido usado nos dois primeiros filmes em Todd-AO, e em alguns poucos documentários, e nos projetos seguintes voltou-se à cadência padrão de 25 qps do cinema convencional.

Detalhes do corpo do Philips DP-70, mostrando algumas das bases do Incol 70/35.

Detalhes do corpo do Philips DP-70, mostrando algumas das bases do Incol 70/35.

Orion me contou que ficou entusiasmado com o projeto do Philips e do Todd-AO. Até então, a produção americana para 70 mm tinha se restringido ao projetor Simplex para o formato Grandeur, na década de 1930, e que acabou não dando certo. O DP-70 traz modificações principalmente ao nível da janela de projeção, com um design das guias curvo, terminando de vez com o estresse da passagem do filme diante do obturador, em qualquer das duas bitolas.

Além disso, Orion me chama a atenção que, bem em frente à janela, foi usado um par de molas, cujo objetivo é manter a película de cinema totalmente plana, evitando assim a chamada “canoagem” (deformidade em forma de canoa), e otimizando a passagem do filme, com um reflexo imediato na estabilização do foco do mesmo na tela. Esta melhoria é tão importante, que foram feitas molas separadas para 35 mm também.

Molas de pressão, para estabilizar a passagem do filme na frente da janela, inovação do Philips DP-70 (acima), mantida no Incol 70/35.

Molas de pressão, para estabilizar a passagem do filme na frente da janela, inovação do Philips DP-70 (acima), mantida no Incol 70/35.

A parte superior do projetor, a partir das cabeças magnéticas e principalmente o conjunto janela e lente, foram parcialmente copiadas, no projeto do Incol 70/35. Alguns detalhes foram mantidos, e outros extensamente modificados.

No que tange às cabeças magnéticas, por exemplo, Orion preferiu usar pick-ups magnéticos separados, para 70 e 35 mm, e então invés de usar um conjunto de cabeças fixas, como o DP-70, ele as encapsulou uma de costas para a outra, num invólucro rotativo. Com isso, o processo de alinhamento se tornou mais flexível e os ajustes de zênite e azimute mais finos, e específicos para cada bitola. Neste ponto, eu posso afirmar que sou testemunha da qualidade do som que eu ouvi nos cinemas, e desnecessário dizer, fiquei encantado em saber como ele foi possível com tanta fidelidade e dinâmica.

Parte superior do Incol 70/35, mostrando as cabeças magnéticas, em encapsulamento duplo e rotativo, na cor preta, bem no topo do corpo do projetor.

Parte superior do Incol 70/35, mostrando as cabeças magnéticas, em encapsulamento duplo e rotativo, na cor preta, bem no topo do corpo do projetor.

O Philips DP-70 é dotado de uma mecânica invejável, o que não quer dizer que para o Incol ela tenha sido transposta integralmente. Na verdade, todo o design mecânico do Incol 70/35 foi feito a partir do zero, e Orion se orgulha, com toda a razão, do projetor ter sido um dos únicos no mundo dotado de apenas três conjuntos de catracas, banhados em óleo, e em constante lubrificação, praticamente dispensando manutenção por anos a fio.

Este mesmo transporte foi desenhado de modo a contemplar o formato de 70 mm com 30 quadros por segundo. Orion me contou que, sendo um grande amigo de um alto executivo da Fox de então, ele foi presenteado com um documentário feito com esta cadência, e que ele usou várias vezes, para mostrar a capacidade e as virtudes técnicas do seu projetor. Muito justo!

É importante ressaltar que o projeto do Incol 70/35 não estaria completo, se não fosse contemplada uma solução moderna para a amplificação do áudio. Orion de Faria desenhou e fabricou seis amplificadores transistorizados, com potência musical contínua de 200 watts RMS cada um.

A Incol também importou alto-falantes para design e fabricação própria de caixas acústicas pelo princípio de cornetas, usadas com sucesso nos grandes cinemas. Em algumas instalações, disse-me ele, o exibidor preferia manter as caixas originais previamente instaladas, quando então apenas as partes de amplificação eram instaladas.

Orion enfatiza, e com toda a razão, que a potência alta não é necessária para este tipo de instalação, já que o sistema de cornetas favorece a uma pressão sonora elevada em potência baixa. Porém, e mais uma vez acertadamente, ele diz que potências mais altas, aliadas à maneira como o circuito amplificador é feito, ajudam a manter o som linear nas faixas de freqüência onde há maior necessidade de se manter a dinâmica do programa original.

Para completar, e tratando-se de projeção em bitola de filme mais larga, os Incol 70/35 foram providos de lanterna dotadas de arco voltaico a carvão capazes de sustentar até 140 ampères de carga. No caso de um cinema como o Roxy, que projetava Cinerama, as lanternas operavam com corrente de 130 ampères, dando à imagem uma clareza extraordinária.

Entretanto, Orion orgulha-se de ter sido também o pioneiro do uso de lâmpadas Xenon de alta potência, que eventualmente acabaram por substituir o arco voltaico nas lanternas.

As instalações nos cinemas

A Incol, em toda a sua existência, fabricou cerca de 1000 projetores para uso profissional, sendo 178 do modelo 70/35, instalados no Brasil e exportados para outros países. A fabricação do Incol 70/35 começou em 1968. O primeiro deles foi instalado no cine Scala, em São Paulo. O cinema abriu a exibição em 70 mm com a cópia ampliada de “O Vento Levou”, da M-G-M.

Eu perguntei a ele como os seus projetores vieram parar no Rio, e a história que ele me contou é a seguinte:

O grupo Luiz Severiano Ribeiro se interessou em instalar o formato de 70 mm em vários de seus cinemas. Mas, a empresa enfrentava problemas financeiros, e por consequência impedida de importar equipamento cinematográfico. Acabou então por comprar um par de Philips DP-70 de um exibidor em Porto Alegre e os instalou no Vitória, que abriu com a exibição de “My Fair Lady”, em 1965. Depois, sabendo da existência dos Incol, a empresa mandou o seu técnico sênior a São Paulo, para ver os Incol.

Depois de um acordo de financiamento feito diretamente com a Incol, o grupo instalou os 70/35 no cinema Roxy, que abriu com o filme “Uma batalha no Inferno” (“Battle of the Bulge”), em Cinerama 70. Em seguida, como é de seu feitio, o grupo Severiano Ribeiro resolvera padronizar a instalação do formato nos outros cinemas, e assim foram instalados mais projetores nos cinemas Palácio, Rian, Madrid (retirados após o incêndio), Tijuca, Leblon e Veneza, sendo que no próprio Vitória os Philips DP-70 foram retirados pela Incol e substituídos por suas unidades, abrindo as exibições com “Sweet Charity”, filme de Bob Fosse anteriormente mostrado na tela de Cinerama do Roxy.

Declínio do formato 70 mm e fechamento da fábrica

A chamada loucura da moda do formato 70 mm (referida pelos americanos como “70 mm craze”) foi repetida no Brasil e durou enquanto as cópias podiam ser distribuídas regularmente. Durante esta época, muitos filmes em 35 mm foram ampliados, para exibição neste formato, e isto ajudou a manter os cinemas com 70 mm funcionando a pleno vapor.

Depois, com o declínio das salas maiores de exibição, a ausência de cópias e principalmente o fechamento das grandes salas, o 70 mm desapareceu por completo.

Por volta de 1980, a Incol havia comprado parte e depois o total da Empresa Cinematográfica Triumpho, fabricante dos projetores de 35 mm do mesmo nome, e antes, quando a Inbelsa (Philips) fechou, Orion ficou com todos os moldes para projetores e os maquinários, usados nos Philips FP-5 e outros modelos, montados no Brasil. Orion me contou que vários desses moldes desapareceram, quando a Incol se transferiu para São Paulo, e acredita-se terem sido roubados. As dificuldades de mercado, entretanto, fizeram a Incol fechar as portas da Triumpho e depois a sua própria, no início dos anos 90.

O show de TV e o livro

Orion Jardim de Faria escreveu um livro chamado “Cinema, escalada pela existência, das sombras à realidade”, e o levou para a apresentação no “talk show” da TV Globo “Programa do Jô”, com o popular escritor/ator/comediante Jô Soares. Curiosamente, o livro fala pouco sobre os Incol, preferindo se concentrar na paixão do autor pelo cinema.

Orion de Faria, junto com o apresentador Jô Soares.

Orion de Faria, junto com o apresentador Jô Soares.

Durante o show, o projetor Incol 70/35 foi exibido para a platéia:

image010

Um técnico da Incol mostrou aos espectadores detalhes do mesmo. Começou abrindo a lanterna, para mostrar detalhes da modificação para lâmpada Xenon, do qual Orion havia sido um dos pioneiros:

image012

Lâmpada Xenon instalada em frente ao seu espelho refletor, na lanterna do Incol 70/35.

Lâmpada Xenon instalada em frente ao seu espelho refletor, na lanterna do Incol 70/35.

Em seguida a uma explicação de como o filme é iluminado para a projeção, e a troca do arco voltaico pelas novas lâmpadas, o técnico mostra detalhes de como o filme é colocado no corpo do projetor:

image016

O livro mostrado por Orion no show ainda vai sofrer uma nova revisão, segundo ele mesmo me prometeu. Eu, por outro lado, espero que a nova edição esteja ao alcance do público e com a divulgação adequada, quando ela for lançada.

Uma vida toda dedicada ao cinema

Apesar do relativo pequeno número de contatos que eu tive recentemente com pessoas ligadas ao cinema, em vários dos seus segmentos, me parece patente que muito pouco se tem feito para se preservar a memória.

Orion Jardim de Faria, do alto de sua idade biológica, conhecimento e experiência de vida, poderia ser olhado como um ícone do nosso despreparo em tratar com a preservação de valores culturais, sejam eles quais forem.

Eu não sei bem quanto à situação em outros estados e cidades, mas não é possível que em pleno século XXI, uma cidade como o Rio de Janeiro não seja capaz de achar um espaço para um museu de cinema, tanto do lado técnico quanto artístico. Aqui se produziram muitos filmes, e o número de salas era um dos maiores do país, isso sem falar na presença das cinematecas e cineclubes, durante décadas.

Neste lugar, poderiam ser exibidos, por exemplo, todos os projetores de cinema fabricados no Brasil. Com isso facilitar-se-ia o acesso ao público do conhecimento da vida desses pioneiros.

Como ainda não existe nada disso, para mim foi uma honra imensa ser recebido por um deles. E que se trata de uma pessoa com a qual eu poderia facilmente me identificar, quando o assunto é cinema e projetores, sobre os quais ele me falou com grande entusiasmo.

Orion Jardim de Faria é, com toda a justiça, o personagem que nos liga ao formato de 70 mm no país. Com ele e por causa dele foi possível que várias gerações de espectadores e cinéfilos descobrissem as grandes produções do gênero, em salas dotadas do melhor equipamento técnico possível. A nós nos resta lhe agradecer por isso, e esperar que o seu nome seja sempre lembrado junto com o do cinema pelo qual nos apaixonamos. [Webinsider]

…………………………

Conheça os serviços de conteúdo da Rock Content..

Acompanhe o Webinsider no Twitter.

Respostas

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+

  1. ivo raposo jr

    Paulo, acho que o Orion se esqueceu que na época em que o GSRibeiro instalou os Incol 70, havia proibição da receita federal de importação de aparelhos estrangeiros que tivessem similar nacional. Foi aí que nosso amigo Orion deslanchou sua vendas.(Felizmente pois somos um dentre poucos fabricantes dessas maravilhas)
    Abraços

  2. Paulo Roberto Elias

    Oi, Ivo,

    Na realidade, ele colocou isso exatamente da maneira como eu descrevi, exceto que eu usei o termo “dificuldades financeiras” como uma figura de retórica. Até esse encontro acontecer, tinha sido o Prof. Luiz Gonzaga de Luca quem havia me passado as melhores informações sobre a situação dos Incol, ele mesmo tendo dito que as obtivera de um funcionário sênior do Severiano.

    Eu levei todas essas informações impressas, para não me perder na conversa com o Orion, e alguns pontos que o Gonzaga me relatara sobre isso foram peremptoriamente negados pelo Orion, como por exemplo, o financiamento do INC, que eu havia inclusive relatado no meu texto para o in70mm.

    Eu concordo contigo com relação à possibilidade de influência dessa proibição de importação que você cita, e me lembro bem dos efeitos que ela teve sobre produtos de áudio, e depois com a lei de reserva da informática, de triste lembrança.

    Mas, com relação ao texto, eu fiz um esforço para manter o que me foi dito, durante o encontro, e evitei inserir qualquer tipo de retificação ou nota de rodapé, até porque, diante da magnitude do meu personagem, pequenos detalhes deixam de ter qualquer importância prática, mesmo que fossem mais próximos da situação que havia ocorrido naquela época, concordas?

  3. Pedro Olivotto

    Aos Faria,
    com o ORION, estelar, iluminando!

    Com regozijo e orgulho, m’imagino fazer parte desta família, tão querida e pioneira do cinema no Brasil e na minha própria trajetória cinematográgica pessoal.

    Parabéns , algure!!!
    P.

  4. CELSO DANIEL DA SILVA

    Bom dia Paulo,
    Como sempre, um ótimo trabalho versando sobre cinema e suas variantes. Eu na minha ignorância, nunca tinha ouvido falar no Sr. Orion. Como sempre, você enriquece nossos conhecimentos. Tive a oportunidade de informá-lo anteriormente que a sala do cineclube aqui de Avaré, onde trabalhei por vários anos, possui um projetor 70/35mm. da marca Bauer, creio de origem alemã. Hoje está lá de posse da Prefeitura que não programa nada em película. Você fala de “O Vento Levou” ampliado para 70. Curioso que acredito que foi fotografado lá em 1939 em 1.33:1. Não houve deformação? Ou foi em VistaVision no original? Projetei nos anos 60 em 4:3 com aquela imagem belíssima em technicolor!
    Abraço.

  5. Paulo Roberto Elias

    Oi, Celso,

    Se você quer uma idéia da discrepância entre o fotograma original de “E o vento levou” em 35 mm e o da cópia em 70 mm, você pode vê-la nesta página: http://www.widescreenmuseum.com/special/gwtw.htm

    Existe uma lista bem elaborada, em construção, de todos os filmes ampliados para 70 mm, ano a ano:

    http://www.in70mm.com/library/blow_up/index.htm

    A maioria desses filmes foram projetados no Brasil, alguns em Dimensão 150 ou Cinerama 70.

    Em todas essas cópias não há deformação alguma, apenas cortes da imagem para readaptação da relação de aspecto. O Vento Levou não foi o único filme M-G-M antigo ampliado para 70 mm, como você poderá ver na lista. E os filmes processados em VistaVision tiveram uma transcrição sem cortes para a cópia de 70 mm. Este tipo de transcrição foi feito recentemente no trabalho de preservação de Um Corpo Que Cai (Vertigo) do Hitchcock.

    A cópia de E o vento levou em 70 mm foi lançada em 1967 e exibida em São Paulo em 1968, segundo o relato do Orion. No Rio, esta cópia foi exibida um tempo depois, eu a assisti, mas não me recordo em que ano.

  6. CELSO DANIEL DA SILVA

    Olá Paulo, bom dia!
    Grato pelas informações. Agora entendi o processo de ampliação do 35 para o 70mm. Pelo fotograma de O Vento Levou, pode-se inferir no recorte que há perdas nas bordas superior e inferior da imagem. Curioso que pela relação de filmes ampliados do 35, na realidade creio que bem poucos foram filmados com as pesadas câmeras de 70, não é mesmo? Poderíamos denominar esse formato ampliado de falso 70? Tenho aqui uma cópia original de Grand Prix lá de 1966 que vi duas vêzes no extinto cine Majestic em São Paulo num espetáculo majestoso (sem trocadilho),no lançamento e, no disco extra observa-se as câmeras utilizadas com o logo “Cinerama -Superpanavision”.
    Essas eram as autênticas no formato 70?
    Abraço.

  7. Paulo Roberto Elias

    Celso,

    A projeção de filmes originalmente rodados em 35 mm e depois ampliados para 70 mm só trouxe vantagens, porque primeiro o som magnético da cópia em 70 mm roda mais rápido no projetor, e segundo, porque o fotograma de 70 mm exige mais luz, dando à imagem muita clareza para quem vê.

    A diferença na performance do áudio é enorme. O filme 70 mm passa 5 perfurações de cada vez na janela, ao invés de 4, e isso provoca uma aceleração da passagem do filme pelas cabeças de leitura da banda magnética, aumentando a fidelidade e a dinâmica do programa ali contido.

    O processo fotográfico em si é feito com estoque de 65 mm e depois modificado para 70, com a adição das faixas magnéticas.

    O 65 mm foi usando para os formatos Grandeur da Fox (década de 1930, abandonado), Camera 65 (M-G-M), Super Panavision, Ultra Panavision, Todd-AO, etc.

    Grand Prix trabalhou com câmeras Super Panavision (Cinerama 70), e câmeras MCS (SuperPanorama) em algumas cenas. No link http://www.in70mm.com/news/2009/mcs_70/english/index.htm você pode distinguir, pela foto e pelo documentário incluído no DVD, a diferença de tamanho entre uma e outra. A MSC 70 foi desenvolvida para a M-G-M e usada em alguns dos seus filmes.

  8. Edson Pereira Bragança

    -Parabenizo sr.Paulo R.Elias, pela felicidade na reportagem a respeito do Orion, e sua fábrica dos Projetores INCOL. Amei encontrar esta página, onde alguem ainda se preocupa com o Cinema. Sou devoto desta arte e feliz, porque a quase 20 anos atráz, adquiri e montei em minha modesta casa, uma salinha simples e modesta de cinema, com dois projetores INCOL-35, que estão em estado de novos, e funcionando perfeitamente. Sempre que disponho de tempo, estou a pesquisar sobre o Cinema. Infelismente em nossa Cidade não tem mais Cinemas. Mas me orgulho de ter um Cineminha em minha casa e com a marca INCOL.
    – Parabens,
    Um grande Abraço
    Edson Pereira Bragança.

  9. Eder Delatore

    Oi, Paulo!

    Felizmente ainda temos o pioneirismo do Sr. Orion como referencia nacional! Pena não haver nenhum espaço dedicado a preservação à memoria do cinema nacional, artistico ou tecnico!

    Parabéns pela conquista dessas importantes informações.

    Abraços.

  10. Paulo Roberto Elias

    Pois é, Eder, é um absurdo, e eu já tenho conversado isso com várias pessoas, porque bastaria uma ala de um museu que fosse, para mostrar ao público toda a linha de projetores de cinema fabricados no Brasil.

    Esta linha inclui não só a Incol, mas todos os outros fabricantes que merecem ter a sua memória preservada perante as pessoas, que não tem idéia de que neste país se fabricou aparelhos no mesmo nível dos de fora!

  11. MARCELO BIANO.

    parabéns ao senhor orion pelo seu grande projetor o incol 70/ 35mm,eu tinha um estalado no meu cinema em araguari mg,ficou comigo 8anos funcionando uma blzz só tenho que elogiar esse grande projetor.abraçoss a familia faria principalmente a meu amigo OLEGARIO abraçosss…

    1. Paulo Roberto Elias Post-autor

      Olá, Helcio,

      Obrigado, mas eu não faço mais do que a minha obrigação, e se tivesse meios teria arregaçado as mangas e ajudado a montar um museu de cinema decente nesta cidade! O Orion é um herói, e foi por causa do esforço deles que nós pudemos conhecer o melhor do 70 mm.

  12. JOÃO ALVES DE ALMEIDA FILHO

    Sempre admirei a Incol, era ponto de honra trabalhar com uma Incol, sou um ex-operador cinematográfico, trabalhei em quase toas as companhias, CIC, Serrador, Paris Filmes e muitas outras, mais o show acabou, a tecnologia derrubou as esperanças dos operadores, passei pela fase dos carvões, emendava carvão com latinha para patrões com pequeno porte, poucas posse, pois a caixa de carvão era caríssima, adorei aquelas épocas, obrigado pela apresentação.