A ressurreição do som quadrafônico

Nova Escola de Marketing
23 de agosto de 2010

O som quadrafônico tem muitas nuances e qualidades que só a sua redescoberta poderá revelar. O formato está muito mais ao alcance do que se imagina.

No início da década de 1970, a reprodução do som por Lps ou fitas magnéticas passou por um período muito interessante e, por que não dizer, bastante “romântico”. Tentando sair das limitações do som estereofônico de dois canais e dar uma vida nova ao mercado musical, a indústria fonográfica lançou o som quadrafônico! Infelizmente, o formato entrou em colapso comercial, e lá pelo meio desta mesma década, desapareceu.

Durante a sua permanência no mercado, algumas gravadoras fizeram várias mixagens em quadrafônico, lançadas na época em Lp ou fita magnética, e depois as mesmas matrizes foram usadas para o lançamento de CDs. Já há algum tempo, sites de entusiastas em multicanal vêm se propondo a garimpar os títulos desses discos e depois montar uma lista, a partir da qual se pode pensar em sobre o que fazer para resgatar o sinal de fonte, para depois remasterizá-lo para uma mídia em formato de áudio multicanal mais moderno.

Essas listas são constantemente atualizadas, e os seus proponentes se dão ao trabalho de dizer de que forma elas podem ser aproveitadas nos dias de hoje. Assim, quem achava que o formato estava morto e enterrado há mais de trinta anos atrás se enganou redondamente.

Sinceramente, eu não creio que o usuário que gosta de música e de áudio faça isso por pura nostalgia. Na realidade, existe muita coisa desta época que ficou para trás sem ser devidamente explorada! E mesmo levando-se em conta o primitivismo do processo, comparado com os recursos de hoje, a observação da mixagem quadrafônica não deixa de ser fascinante. Os motivos são explicados a seguir:

O surround do quadrafônico é diferente!

O surround pós 1977 e pós 1992, usados principalmente para o cinema, baseiam-se na dispersão do som no ambiente e na localização e movimentação espacial de sons, na base de efeitos sonoplásticos, respectivamente. Mas, nas primeiras proposições de som multicanal os conceitos de surround eram muito diferentes.

O objetivo de se introduzir o som quadrafônico no lugar do estéreo convencional de dois canais é o de se obter o aumento da ambiência. Isso porque as melhores gravações estereofônicas são aquelas que dão uma sensação ao ouvinte do espaço físico onde o som foi gravado.

Na sala de concerto, o som dos instrumentos se dispersa em todas as direções e como conseqüência o ouvido humano ouve o som direto seguidos dos demais, que se refletem antes nas paredes do auditório, com um ligeiro retardo.

A diferença de percepção entre eles é o que determina a qualidade acústica do ambiente: alguns são mais vivos (com maior quantidade de sons refletidos) e outros são mais abafados, quando então a maior parte dos sons refletidos são absorvidos pelas paredes, como é o caso da maioria dos estúdios de gravação. É na recriação do primeiro desses ambientes que o som quadrafônico pode ser melhor percebido.

O som gravado com a ambiência correta permitirá ao ouvinte distinguir e apreciar em que tipo de local ele foi registrado. E embora seja perfeitamente possível recriar esta sensação de ambiência com a reprodução de apenas dois canais, o aumento para quatro canais, com a contribuição de reproduzir o som ambiente, não deixa de ser uma proposição mais atraente.

A idéia em si não é nova, mesmo na década de 1970. Entretanto, coube ao designer de áudio David Hafler propor um circuito passivo, com o uso de caixas traseiras, capaz de recriar a ambiência derivada de apenas dois canais estereofônicos. Este circuito, que leva o seu nome, circuito Hafler, pode ser construído por qualquer pessoa, com o uso de um ampificador estéreo, fios de alto-falantes e um par de caixas para a traseira da sala.

O mérito deste circuito é a sua simplicidade e relativo baixo custo. Para fazê-lo, liga-se o positivo de cada uma das caixas frontais aos positivos de suas respectivas caixas traseiras. E dentre estas, estende-se um cabo ligando-se os dois negativos. Só isso. Se o usuário quiser, poderá interpolar um potenciômetro em série, com o objetivo de nivelar o volume entre as quatro caixas:

image001

Ligação em série dos alto-falantes traseiros, no circuito Hafler original, mostrando a inserção de um potenciômetro entre os dois polos negativos dos mesmos.

O circuito Hafler funciona de forma surpreendemente eficiente. E serve, inclusive, para a reprodução de filmes gravados em Dolby Stereo, cujo princípio de funcionamento é semelhante ao das gravações quadrafônicas: sons idênticos e totalmente em fase entre os canais esquerdo e direito são reproduzidos no espaço central das mesmas, e são monaurais. Sons idênticos, porém fora de fase, são reproduzidos no campo espacial criado pelos canais traseiros esquerdo e direito.

O circuito Hafler alcançou enorme reputação entre aficionados, em função não só da simplicidade da sua construção, mas também pela qualidade do seu funcionamento. Ao audiófilo purista, é importante que o som das caixas frontais não sofra qualquer interferência das caixas traseiras. Para este tipo de ouvinte, a simples inserção de um canal central poderá determinar a deterioração da qualidade do som frontal, causada pela possibilidade de destruição da imagem e da reprodução desbalanceada de transientes, com a perda da coerência de fasamento e da localização precisa dos instrumentos ou das vozes. O circuito Hafler, entretanto, dispensa o canal central e permite a calibração de seus componentes, de tal forma que este efeito seja minimizado.

A matriz do som quadrafônico

Embora o ideal para o quadrafônico da década de 1970 era que ele fosse derivado diretamente de quatro canais discretos, de início isso só era possível com o uso de fitas magnéticas, o que foi feito comercialmente pela RCA, com o uso de cartuchos de oito trilhas, no nome comercial de “Quad-8”.

Símbolo padrão usado para a identificação da gravação e reprodução quadrafônicas.

Símbolo padrão usado para a identificação da gravação e reprodução quadrafônicas.

Para levar o quadrafônico ao Lp, bem mais popular que as fitas, a primeira proposição foi a do formato SQ (Stereo Quadraphonic), pela CBS. No Lp, a limitação mais evidente é a presença de apenas dois canais físicos, e assim desses era preciso derivar os outros dois. O formato SQ faz isso com a codificação dos canais traseiros nos da frente, porém 90º fora de fase. Sem a decodificação, o som estéreo é reproduzido sem o efeito surround, o que torna codificação compatível com os sistemas estereofônicos convencionais.

Formatos semelhantes apareceram a seguir, entre eles destacou-se o QS (Quadraphonic Stereo), proposto pela Sansui, numa tentativa de achar soluções de limitações do formato da CBS. O QS é o formato mais próximo do que se convencionou chamar na época de Regular Matrix, seguindo um modelo matemático diferente daquele proposto pelo SQ, e com uma performance alegadamente superior ao mesmo.

Outras variações de matriz foram estabelecidas por formatos como EV-4 (da Electro-Voice) e Dynaquad (da Dynaco). Em todos os casos, a adesão dos estúdios de gravação não foi a mesma, gerando grande indecisão na escolha do usuário pelo formato ideal e o seu equipamento de decodificação.

A mudança do matricial para o discreto

A mudança do quadrafônico em Lp, do formato matricial para o discreto (os quatro canais separados) só veio a partir da introdução do CD-4. Porém, esta mudança só ocorreu tarde demais, e trazendo com ela uma série de problemas. O CD-4 foi desenhado de tal forma a incluir os canais traseiros em faixas de freqüência extremamente elevadas, 45 a 50 kHz, tipicamente.

O CD-4 (Quadradisc) apresentou formidáveis desafios para a sua reprodução, já que a inclusão de alta freqüência em disco de vinil o deixa bastante vulnerável ao desgaste e à eventual destruição da informação gravada. O disco CD-4, por causa disso, não poderia ser tocado com agulhas convencionais, do tipo cônica ou elíptica. A solução foi redesenhar o “footprint” das agulhas para aprofundar o assentamento das mesmas no sulco dos discos. A agulha Shibata foi então introduzida para a reprodução de discos CD-4, mas com um custo ao consumidor bastante elevado.

Diferença de “footprint” entre agulhas fonográficas

Cônica

conica

Elíptica
eliptica

Shibata 
shibata

O desgaste e o desaparecimento do disco quadrafônico

Embora haja hoje um consenso que muitos dos discos quadrafônicos soavam bem, até em reprodução estereofônica convencional, o fato é que, em meados do meio da década de 1970 o formato desapareceu do mercado. É possível que a cultura da época tenha impedido a sua adoção pela massa que consumia Lps, ou talvez que não fosse ainda o momento para adoção e instalação de som multicanal dentro de casa.

Mas, outras causas óbvias podem também serem apontadas: primeiro, porque não houve um consenso entre as gravadoras na escolha de um formato específico para o consumidor. Segundo, os formatos matriciais, na forma de Lps, acabaram revelando as suas limitações, como por exemplo, uma separação pobre entre a frente e os canais traseiros (cerca de 3 dB apenas), o que tornava quase nula a correta percepção da ambiência. E terceiro, pela necessidade de aprimoramento do sistema com um investimento mais alto, como foi (e ainda é) o caso das cápsulas dotadas de agulhas Shibata. E aí, quando se chega ao nível de custo do áudio esotérico, o mercado de massa desaparece como que por encanto!

A ressurreição do quadrafônico

Não é preciso ser nenhum expert em áudio, para se poder dar conta dos méritos da proposta do som quadrafônico. E como hoje em dia, qualquer pessoa que monta um home theater, com som multicanal embutido e a custo relativamente mais baixo do que anteriormente, a ressurreição do som quadrafônico e/ou a revisita a antigas matrizes é lógica e intuitiva, além de excitante para os ouvidos.

Com os recursos atuais de reprodução não há mais o que temer quanto às limitações anteriormente citadas, nem quanto ao desgaste das mídias, fitas ou Lps, experimentadas pelos seus antigos usuários.

O processo de recuperação de uma gravação quadrafônica pode ser feito até em discos de vinil bem conservados. Entretanto, para que o trabalho esteja de acordo com os padrões de dinâmica atuais, os melhores resultados têm sido obtidos a partir de CDs remasterizados a partir de matrizes quadrafônicas.

Os projetos dos usuários

Basta dar uma percorrida por fóruns diversos pela Internet, para se perceber a engenhosidade do aficionado. Ele faz o que as gravadoras deveriam estar fazendo! A descoberta da codificação original em quadrafônico é seguida em listas permanentemente atualizadas. E, a partir da edição regular em CD, procede-se a uma reconstituição minuciosa dos originais.

Esta reconstituição é possível porque os discos foram feitos a partir das matrizes em fitas analógicas já codificadas. Com isso, basta saber que tipo de codificação é esta, o que, convenhamos, não é difícil, pelo fato histórico das gravadoras terem escolhido tipos específicos de formatos e editado todos os seus discos Lps somente desta maneira.

A manutenção da codificação quadrafônica em CD só não é factível para o CD-4 ou outros formatos discretos. Com os formatos matriciais, o efeito é idêntico ao dos respectivos Lps Quad. Estes CDs podem ainda serem tocados com um decodificador apropriado, caso haja algum disponível. Para torná-los disponíveis a um maior número de usuários, a solução é a separação prévia do áudio no computador e depois remasterizar o resultado para um disco multicanal, utilizável em qualquer home theater.

Basicamente o que é feito por usuários é a reversão da codificação matricial e a separação em quatro canais distintos. O processo é conseguido com o uso de programas de processamento de áudio e filtros de rotação de fase. Existem scripts já prontos, montados por pessoas experimentadas, mas o processo pode até ser feito manualmente, quando se conhece os passos do que deve ser feito.

Depois de separar os quatro canais, resta a escolha do formato multicanal mais adequado. O formato de eleição, para um trabalho simples e objetivo, é o CD em DTS. Este tipo de disco vinha sendo fabricado desde a década de 1990, e necessita hoje apenas de um leitor de CD, DVD ou Blu-Ray com uma saída ótica ou coaxial, que é conectada a um decodificador DTS apropriado.

A preparação do DTS-CD é feita por um programa específico, e a partir daí pode-se produzir uma imagem, que pode ser queimada em um CD-R. O DTS é um formato 5.1, mas no caso apenas os quatro canais originais do quadrafônico são reproduzidos. A passagem para o DTS não provoca perda significativa, em relação ao PCM usado no CD. Por questões de obediência ao chamado “redbook”, a freqüência de amostragem é mantida em 44.1 kHz em todos os canais.

Os resultados deste tipo de trabalho, se o leitor quiser avaliá-los por si próprio, podem ser baixados dos arquivos disponibilizados pelos seus usuários, para peças de Stravinsky ou Débussy, antes que os links desapareçam! Para queimar um CD-R/RW, pode-se usar o programa IMGBurn, gratuito e altamente recomendável para este e outros fins.

O projeto da Pentatone

A Pentatone é um selo de audiófilo, criado por três executivos da extinta gravadora Philips, na Holanda. A antiga gravadora supriu, durante muitos anos, uma série de discos com o selo Philips Classics, com excelente qualidade de áudio. As suas matrizes quadrafônicas pertencem ao Decca Music Group, tendo sido licenciadas para reedição na Pentatone.

Para a Pentatone, todas as matrizes quadrafônicas desta época são submetidas a um tratamento “vip”: cada canal é transformado em DSD (Direct Stream Digital), e depois mixado sem alterações em um disco SACD híbrido. O processo é chamado de RQR (Remastered Quadro Recordings).

image006

A vantagem do processo é óbvia: as fitas matrizes são originais de estúdio sem qualquer tipo de codificação quadrafônica, apenas a mixagem se refere ao formato. A passagem para DSD ocorre, portanto, bem antes de se obter qualquer perda ou inconsistência causadas pela codificação. E finalmente, o DSD permite uma amostragem na conversão analógico-digital que nenhum outro processo consegue, preservando da melhor maneira possível os canais originais.

A reprodução dos quatro canais do SACD pode ser feita exatamente como se o mesmo fosse um disco quadrafônico, com a eliminação implícita do processo de decodificação e todas as suas mazelas. O resultado é a descoberta, pelo ouvinte, da excelência do trabalho de captura do áudio feito na década de 1970. Embora o SACD estenda a capacidade de audição para 5.1 canais, somente os canais quadrafônicos são transcritos.

A audição do som quadrafônico

Para quem nunca ouviu quadrafônico, é possível ficar sem saber como ele soa e se o setup de áudio na reprodução está correto. É bom que se diga que a primeira coisa que se percebe na reprodução quadrafônica é o aumento do espaço de audição!

Amplificador quadrafônico Sansui modelo QS-1 (foto cedida por cortesia do Dr. Carlos Fernando Blanco).

Amplificador quadrafônico Sansui modelo QS-1 (foto cedida por cortesia do Dr. Carlos Fernando Blanco).

Tomando-se, inicialmente, como base a formação da orquestra sinfônica, com violinos à esquerda, percussão ao centro, e metais e violoncelos à direita, a reprodução quadrafônica correta não pode destruir a imagem dos diversos instrumentos dispostos ao longo das caixas acústicas frontais. Em outras palavras, o ouvinte tem que ser capaz de localizar esses instrumentos no espaço, tal qual uma gravação estéreo convencional.

A diferença, neste particular, entre dois e quatro canais, é a percepção neste último de um alargamento do palco frontal. Uma vez que sons mais à esquerda “vazam” para o canal surround esquerdo, o mesmo acontecendo do lado direito, porém com a reprodução atrás com amplitude menor do que a da frente, haverá uma tendência de se perceber uma interposição de sons nas laterais da sala. A propósito: proposição de reprodução idêntica foi adotada para a decodificação de programas estéreo convencionais, pela Dolby, no processamento do Dolby ProLogic II/IIx, já comentados anteriormente nesta coluna.

Em gravações com mixagem de música popular, particularmente as de rock progressivo, será possível ouvir instrumentos localizados nos canais traseiros, ora de um lado, ora de outro. Um exemplo deste tipo de mixagem está contido na versão quadrafônica de Tubular Bells, de Mike Oldfield, original de 1973, lançada em SACD híbrido, alguns anos atrás.

De entusiastas para entusiastas

Eu confesso que, desde que eu me entendo por gente, eu nunca notei grande interesse por áudio, pela maior parte das pessoas com quem convivi, e às vezes até mesmo por música. Muito embora a cultura das famílias antigas tenha sido a de oferecer a seus filhos algum tipo de educação musical, como aulas de piano, por exemplo, ela não se traduziu necessariamente no interesse específico da audição dentro de casa. Em outras palavras, me parece até hoje que o interesse por áudio começa pelo interesse por música, mas a recíproca não é verdadeira!

Em anos recentes, foi fácil perceber que o que mais atrapalhou o mercado de massa em se envolver com áudio é a enorme parafernália de equipamentos e formatos, gerando confusão e principalmente desvantagem financeira. Muitas pessoas que eu conheço tiveram enorme dificuldade de passar do Lp para o CD, e já nesta época (circa década de 1980) a indústria fonográfica fora dos grandes centros custou a decolar num formato caro de um disco novo, que muita gente desta área achava desnecessário ou dirigido para uma elite de consumidores.

E nem mesmo depois do virtual abandono do Lp as coisas melhoraram. Na década de 1990, com a introdução do DVD, do DAD (DVD com música em 96 kHz/24 bits), e depois na virada do século, com o SACD e o DVD-Audio, o consumidor continuou confuso, e sem entender o porquê de tantos formatos, para uma coisa só, que é “apenas” ouvir música. E se, no caso, o ouvido do usuário não for muito seletivo, é compreensível que qualquer formato portátil resolva. Daí se pode entender o espalhamento de áudio em AAC ou MP3, para citar alguns, durante os anos que se seguiram.

Em vista disso, tudo era de se esperar que o áudio e a audiofilia como um todo fossem esquecidos e enterrados, mas não é de forma alguma a realidade que se vê. Certamente, que o nicho de antes continua existindo, mas eu creio que, via Internet, as comunidades de entusiastas antes isoladas passaram a ter câmara de ressonância para discutir seus hobbies e tomar iniciativas para o seu cultivo e manutenção.

Talvez essa tenha sido uma forma de sobrevivência à ameaça de extinção da indústria fonográfica. Ao longo das últimas décadas, as grandes gravadoras e as grandes cadeias de lojas de discos desapareceram, tornando este tipo de comércio ainda mais virtual.

A premência de readaptação compeliu e ainda compele os entusiastas em tornar disponíveis novamente gravações que, por direito autoral, não lhes pertencem, mas que deixaram de ver a luz do dia e foram engavetadas em algum depósito, pelos seus legítimos proprietários.

A iniciativa do usuário é, por isso mesmo, ironicamente libertária, reprocessando material gravado cujas gravadoras se desinteressaram em disponibilizar novamente, por motivos de falta de mercado.

É possível que, num futuro mais à frente, esta realidade mude completamente outra vez. Pessoalmente, eu não vejo sentido em não se colocar à venda discos que podem ser facilmente reproduzidos com os equipamentos que qualquer um tem em casa. Mas, talvez o futuro seja mesmo o dos estúdios independentes, cujo menor custo de produção, poderá, quem sabe, reverter o desinteresse do mercado.

Se isso não acontecer, resta ainda a chance de manter vivo o interesse do consumidor que gosta de música e de áudio, e não se importa de gastar um pouco mais por ela. [Webinsider]

…………………………

Conheça os planos de hospedagem da HostLayer.

Acompanhe o Webinsider no Twitter.

Avalie este artigo:
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votes, average: 5,00 out of 5)
Loading...
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

28 respostas para “A ressurreição do som quadrafônico”

  1. Olá, Elber,

    Eu posso passar esta tua pergunta para um amigo que teve muito mais vivência nisso do que eu, e vamos ver se ele te sugeres alguma coisa a respeito.

    Neste interregno gostaria de sugerir que você faça a montagem de acordo com os parâmetros de layout que a matriz quadrafônica exige. Note que é basicamente o mesmo layout usado para o Dolby ProLogic. Inclusive você pode tentar usar um decodificador Dolby e ver se dá algum resultado que te agrade comparativamente.

  2. Elber Zaccarezi disse:

    Olá. Ótima matéria. Quase não temos informação a respeito da Quadrifonia em português. Gostaria de reativar esse assunto, pois acabei de montar um set quadrifonico.
    Composto de:
    – Amplificador Integrado Marantz model 4100 com o decoder full-logic SQA-2;
    – 4 caixas acústicas de 4 vias da Pioneer model CS-907 japonesas
    – Toca Disco Marantz model 6300 com capsula pioneer PC-Q1 e agulha PN-Q1.
    E tenho diversos LPs quadrifonicos

    O que mais eu preciso saber para extrair o melhor com esses equipamentos. Preciso trocar alguma coisa nesse set para melhorar?
    Eu gostaria de experimentar outro amplificador integrado e/ou Receiver quadrifonico para comparar.

    Possuo uma capsula SEMI-CONDUTORA rara da Panasonic – é a EPC 450-II, para quadrifonia, mas não tenho um aparelho que a reconheça (Panasonic ou Technics). Estou atrás de um demodulator deles.
    Obrigado

  3. Olá, Vinicius,

    Shibata é mais para CD-4, como mencionado no texto.

    Um amplificador integrado para discos quadrafônicos precisa ter o decodificador correspondente, para poder separar os canais. Só a saída para caixas traseiras não basta. Normalmente, a presença dos circuitos decodificadores são mencionados no manual e/ou no gabinete do aparelho.

  4. Muito boa a matéria! Eu tenho algumas dúvidas sobre a reprodução do Quadrafônico a partir de discos de vinil. Se for num vinil de formato QS ou SQ uma agulha elíptica já captaria a informação ou seria necessária a Shibata? E se um aparelho de som que tem saída para caixas traseiras pode ser considerado um aparelho para som quadrafônico ou precisa de mais alguma coisa para assim caracterizá-lo? Abraços!

  5. Olá, Emerson,

    Este assunto já foi até comentado na coluna, mas vamos lá:

    O Lp estereofônico usa sulcos em “V”, no formato 45/45. A informação dos canais é ondulada nas paredes do sulco. Se você quiser ter uma ideia visual procure nesses dois links:

    Video promocional da RCA para a série Living Stereo: https://www.youtube.com/watch?v=GqEeP6YPkGM

    Explicações sobre a gênese:
    http://www.badenhausen.com/VSR_History.htm

    Neste segundo texto os autores ressuscitaram uma microfotografia do sulco em V. Além disso, você vê as diferenças nas agulhas mono e estéreo.

    Espero que ajude.

  6. Emerson Lara disse:

    PELAMORDEDEUS! Como pode ser um LP estéreo (ou quadrifônico) sendo que é UMA ponta de agulha que “lê” o vinil?

    Eu tenho cerca de 500 LPs e essa bruxaria me assombra há anos!

    Me explique por favor?

  7. Prezado A. Ramos,

    Obrigado pela leitura, elogio e pela contribuição da sua informação.

  8. A.Ramos disse:

    Belo artigo Paulo ..me lembrei que na época de sua implantação( 1971) tinham que escolher uma composição para a estréia do primeiro disco a ser lançado no Mercado . Bach Tchaikovski Brahms Mozart Beethoven Vivaldi Lizt Paganini Haendell Schbbert Schumann ??? Nada nada disso nenhum deles ! Poucos sabem mas a escolha recaiu exatamente em Rimski KORSAKOV de SHERAZAADE pois tinha todas as nuances musicais que uma composição pode ter . Uma composição perfeita e magnânima . Eu tinha o disco em 1980 . Espero que os fatores econômicos desta vez não travem mais este esplendor que é o quadrifonico …Só quem já ouviu pode saber.. Consegue ser até melhor que ao vivo,,,impressionante

  9. Paulo disse:

    Ola boa tarde, interessante sua matéria, lembro-me que pela RCA foi lançado o disco Elvis Aloha from Hawaii, inaugural do sistema quadrafônico, uma espécie de ancestral do home theater, foi imediatamente colocado no mercado atingindo rapidamente o marco de 1 milhão de cópias vendidas naquela epoca da decada de 70, eu o possuo em cd e tem realmente um som diferenciado da maioria dos cd’s de discos antigos relançados do Elvis, um abraço!

    • Oi, Paulo,

      Obrigado pela leitura.

      E ainda é possível resgatar os quatro canais, se você tiver os recursos e a paciência para fazê-lo.

      É lamentável que a memória do áudio nas gravadoras não tenha feito isso com frequência em fontes quadrafônicas, como aquele que você citou.

  10. Paulo Roberto Elias disse:

    José Luiz,

    Fui lá conferir e vi que os links para o plugin estão mortos. Tente nesta página: http://www.softpedia.com/get/Multimedia/Audio/Audio-Plugins/foo-dsp-fsurround.shtml

    O autor e o nome do plugin estão na mesma, se não der certo, ache outra, ok?

  11. Paulo Roberto Elias disse:

    Oi, José Luiz,

    Obrigado por acompanhar a coluna.

    O Hafler funciona com eficiência a partir de trilhas matriciais, como o Dolby Surround. Para CD o efeito não é tão bom, e eu particularmente não gosto. Quando eu usei Hafler, eu o fiz de maneira a poder selecionar a saída de caixas para estéreo ou Hafler, no meu amplificador.

    Hoje em dia, o Hafler perdeu o sentido. Aliás, eu diria que perdeu o sentido desde a implementação dos decodificadores Dolby ProLogic, mas na época muitos puristas preferiram continuar usando o Hafler.

    Se você tem um CD masterizado a partir de original quadrafônico, você pode usar o Dolby ProLogic II, movie mode (music mode não serve) ou simplesmente Dolby ProLogic convencional.

    Mas, se você quer tirar o máximo de CDs quadrafônicos, use o programa Foobar 2000, gratuito, e que tem um plugin para todos os tipos de surround usados em disco, inclusive SQ e QS (http://www.hydrogenaudio.org/forums/index.php?showtopic=52235). Infelizmente, você precisará ter som multicanal instalado no micro e ficará limitado a ele. Mas, é o máximo de separação para quadrafônico que eu já ouvi até hoje. O Hafler, neste ponto, nem passa perto!

  12. José Luiz disse:

    Olá Paulo,

    Adorei o artigo, tenho lido vários textos seus tentando aprofundar meus conhecimentos sobre som e confesso que fiquei tentado em reproduzir o circuito Hafler aqui em casa, mas tenho uma dúvida.

    Caso eu reproduza um CD convencional nesse sistema o efeito quadrafônico irá aparecer mesmo que em menor escala? E caso o CD já tenha sido gravado em quadrafonia?

  13. Paulo Roberto Elias disse:

    Olá, Guto,

    Até onde eu saiba, as limitações são as mesmas. Eu creio que em um auditório grande haverá necessidade de se introduzir ajustes de retardo, como se faz com o Dolby ou DTS, mas como eu nunca tive esta experiência antes, eu não posso afirmar nada com segurança.

    Se eu estivesse nesta situação, procuraria usar um equipamento que permitisse ajuste de retardo. Que eu me lembre, os amplificadores quadrafônicos antigos só tinham ajuste de volume ou balanço entre frente e traseira.

    Nas últimas audições que eu fiz com fontes quadrafônicas, mas repassadas a DTS, eu usei meu receiver,e não tive problema algum.

    Sobre o uso de subwoofer, ele deve ficar na frente, de preferência. O uso de um segundo subwoofer no surround é possível, mas se o da frente tiver boa potência e estiver bem instalado, deverá ser o suficiente. Para saber ao certo, só experimentando, concorda?

  14. Guto disse:

    Olá Paulo, gostaria de agradecer antes de tudo pelo excelente texto, muito informativo.

    Estou com uma dúvida relativa a som quadrafônico, se puder me responder ficaria agradecido! Para ambientes grandes, mais especificamente platéias de teatro, existe alguma medida ou área máxima indicada para esse sistema que na qual, se passada, diminui ou acaba com a qualidade do som quadrafônico? Por exemplo, uma situação onde pessoas sentadas nas fileiras de trás acabem tendo uma experiência pior que as sentadas na frente ou vice versa, já que são apenas 4 caixas? E também qual a diferença do uso do sub nesse sistema em comparação ao surround?

  15. Paulo Roberto Elias disse:

    Oi, Nelson,

    Eu desconheço o uso de placas de áudio para se conseguir som quadrafônico. É bom lembrar que as placa de áudio e de vídeo são apenas um conjunto de chipsets com decodificadores embutidos e toda e qualquer aproveitamento dos mesmos vai depender de programas dedicados.

    Em outras palavras, apenas uma placa ou adaptador de áudio seria suficiente para conseguir ou não diferentes modos de reprodução.

    Note também que o motivo pelo qual os atuais adeptos e adaptadores de gravação quadrafônicas usam o DTS é porque é mais fácil de reproduzir dentro ou fora do computador, e cabe em um CD. Qualquer sistema 5.1 poderá conter de mono até 5 canais, e então o hobbyista encarcera os 4 canais em 5.1 e pronto!

    Se você tem alguma fonte quadrafônica em Lp, por exemplo, basta converter o conteúdo para CD, e na reprodução usar um decodificador Dolby ProLogic comum ou DPL II/IIx em “film mode”. Eu já fiz isso e funciona muito bem.

    De resto, eu lhe aconselho acompanhar os forums de quadrafonia, porque por ali aparecem muitas dicas de como fazer ou usar.

  16. Nelson disse:

    Olá, Paulo. Parabéns pela matéria. Eu me senti ‘em casa’ lendo sua matéria sobre quadrafonia, no sentido que esbarrei nisso na escola na década de setenta (estudava eletronica) e infelizmente não tive o prazer (leia-se dinheiro) de comprar um equipamento assim. O tempo passou, e como voce disse, essa técnica foi ‘enterrada’ e agora eu gostaria de tentar chegar mais perto dela. Acha que com computador com duas placas de som e algum programa apropriado eu conseguiria isso? Sabe me dizer onde eu posso encontrar gente que possa me ajudar com o ‘caminho das pedras?’. Desde já muito obrigado; e saiba que vou começar acompanhar suas matérias. Abraços.

  17. Paulo Roberto Elias disse:

    Oi, João Paulo,

    É possível reproduzir fontes quadrafônicas sem ter Lps e amplificadores neste formato. Tudo vai depender da fonte de transporte. Se for alguma gravação em quadrafônico matricial em CD ou DVD, qualquer decodificador Dolby ProLogic serve. Se for fonte discreta, é necessário passá-la para uma mídia 5.1, como descrito no artigo.

    Sobre a IBS, eu sugiro um contato com a empresa: http://www.ibscaixasacusticas.com.br/

    Para ter som multicanal no carro é preciso adquirir um player com decodificador para CD e DVD. Eu sei que existem modelos dedicados até a DVD-Audio, mas eu nunca os pesquisei no mercado brasileiro. É possível que alguma revenda os tenha por aí.

  18. João Paulo Cimò disse:

    Apreciei muito seu artigo sobre a quadrofonia. Sempre me interessei por este assunto e só agora com seu artigo tive a oportunidade de conhecer melhor sobre o mesmo. Creio que hoje seria impossivel encontrar um amplificador que reproduza em quatro canais e também caixas de som em suspensão acústica “IBS” iguais às que possuo.Porém, se isso possivel fosse gostaria de poder ter um.
    Mudando um pouco de assunto: é viavel colocar no som do automovel quatro canais?

  19. EDSON disse:

    OBRIGADO VALEU MAIS UMA VEZ PELAS DICAS

  20. Paulo Roberto Elias disse:

    Edson,

    O estúdio da CBS que ficava ali na Visconde do Rio Branco já fechou há muitos anos, e como a própria CBS já mudou de mãos várias vezes, fica difícil saber aonde foram parar essas matrizes. Eu acredito que você poderia entrar em contato com a Sony Music Brasil e começar a garimpar informações por lá.

    Eu não sei o que é que você chama de cura, mas é sim possível transformar mono em estéreo, através de alguns programas de computador, ou então com o uso de alguns DSPs de certos receivers. O resultado nem sempre é bom, e ainda tem muito estúdio por aí, particularmente na América do Norte dedicado a fazer este tipo de transformação.

    Se o estúdio não tem a fita original, ou se a mesma é mono, normalmente ele a transcreve 1:1 com algum melhoramento, se ela for pré-processada antes por um redutor de ruído, como o Cedar ou o NoNoise, por exemplo.

    Se você já tem o disco, o jeito é tentar processar você mesmo, pelos métodos que eu citei acima, mas se for pelo computador não vou te iludir dizendo que é fácil!

  21. EDSON disse:

    OLÁ, BOM DIA
    OBRIGADO PELOS ESCLARECIMENTOS…TERIA UMA FORMA DE TER ESSA INFORMAÇÃO PERANTE ALGUMA GRAVADORA, OU ALGUM ÓRGÃO? REALMENTE ACHO QUE ME PREOCUPO COM COISAS QUE JAMAIS ALGUÉM SE PREOCUPA…RS
    DEFEITO OU QUALIDADE? TEM CURA? RS
    OBRIGADO MAIS UMA VEZ…

  22. Paulo Roberto Elias disse:

    Olá, Edson,

    As gravações em estúdio passaram de mono para estéreo em muitos países no início da década de 1960, apesar dos equipamentos para estéreo já existirem quase uma década antes. E mesmo nos estúdios pioneiros, o reaproveitamento de matrizes mono se deu pela simulação de estéreo, como o Duophonic da Capitol, por exemplo.

    A mudança de formato não foi imediatamente acompanhada, em muitos casos, pela contrapartida em Lps, e nós tivemos vários exemplos de matrizes estéreo que eram lançadas em mono.

    A CBS, onde Roberto Carlos gravava, já era equipada com decks Ampex de 4 canais, e depois passou para sistemas com 8 canais, ao final da década de 1960.

    Normalmente, a fita de estúdio era passada para 2 canais, antes de virar Lp, e de 2 para mono, no caso do corte de Lp mono.

    Se alguma gravação do artista não foi reeditada em estéreo, das duas uma: ou as matrizes não são estéreo mesmo ou as fitas originais foram perdidas. É difícil dizer, sem ter as informações do acervo.

  23. EDSON MACHADO DA ROCHA disse:

    ACHEI INTERESSANTE SEU RELATO, EMBORA CONFESSO QUE NÃO TENHO O CONHECIMENTO APROFUNDADO DA MATÉRIA, SEMPRE ACOMPANHEI E ME INTERESSEI PELO EFEITO STEREO. DESDE CRIANÇA PERCEBI EM MEU APARELHO MONO, UM OUTRO BARULHO NA AGULHA…RS
    DEPOIS DESCOBRI QUE SE TRATAVA DE OUTRO CANAL QUE EU NÃO TINHA…
    QUANDO PERCEBI QUE HAVIA OUTRO ACOMPANHAMENTO OUVINDO LP DE ROBERTO CARLOS, FIQUEI FASCINADO, EMBORA SEMPRE OUVINDO DAS OUTRAS PESSOAS QUE ESTAVA LOUCO E QUE NÃO NOTAVAM DIFERENÇA ALGUMA…
    BOM, SE FOR POSSÍVEL GOSTARIA DE SABER O POR QUE DE CERTAS GRAVAÇOES NÃO SEREM EM STEREO ATÉ OS DIAS DE HOJE. A PRINCIPIO ACHAVA QUE ERA PURAMENTE COMERCIAL, MAS COMO PODE POR EXEMPLO MUSICAS DE ROBERTO CARLOS SEREM EM MONO ATÉ HOJE, COMO POR EXEMPLO O LP SAN REMO 1968, POSSUE GRANDE NUMERO DE MUSICAS EM MONO, ENQUANTO OS SEUS PRIMEIROS LPS DE MAIS DE 5 ANOS ATRÁS JÁ SEREM EM ESTEREO, POR QUE ESSA IMPOSSIBILIDADE DE CERTAS MUSICAS TEREM VERSÕES ESTEREO.
    SE FOR POSSÍVEL ME ESCLARECER SOBRE ESSE TÓPICO FICAREI GRATO…

  24. Paulo Roberto Elias disse:

    Oi, Roger,

    Às vezes também tenho saudade do meu gravador de rolo, acho que a época era muito mais, digamos assim, lúdica, porque a gente sempre andava atrás de alguma coisa nova em termos de som.

    Na minha época de faculdade, lá pelo início da década de 70, nós nos juntávamos em grupos, para ouvir música, e rolava de tudo, incluindo jazz, clássico, rock progressivo, MPB, etc. Acho que a época era outra, o momento fazia aquilo ali, não sei. Se eu fizer um esforço de memória, eu ainda vejo a estudantada toda sentada no chão da sala lá de casa!

    Mas, eu tenho um conhecido, engenheiro de estúdio, que tem hábito de resgatar gravadores de rolo e recuperá-los em sua oficina. Todos da coleção dele funcionam impecavelmente. Não é bacana?

    Parabéns pela sua iniciativa, também.

  25. Roger E Nascimento disse:

    Paulo,
    Parabéns pela matéria.
    Parece incrível a coincidência, no final de semana passado estava testando um gravador de Rolo Quadrafônico antigão 1971 que comprei “no estado” e estou recuperando, um Akai 1730D-SS. Achei algumas fitas quadra que eu guardava justamente para testar num equipamento deste tipo e a surpresa foi gratificante, gravações da década de 70, gravados de discos quadra e ainda com timbre interessante. Não dá para explicar em palavras, mas usei justamente este termo “ambiência” (sem ter lido sua matéria) para comentar ao meu irmão que é músico.
    Bem, agora é garimpar as gravações com qualidade extra em algum site do exterior.
    Obs. Isto, para minha pessoa é uma febre, pois já estou começando a reparar um Akai 280D-SS um monstro de aparelho.. abraço

  26. Paulo Roberto Elias disse:

    Olá. Rodrigo,

    Não há de quê!

    Eu acho que a nossa sorte é que, a despeito dos incontáveis decretos de morte das mídias, coisas do tipo ninguém se interessa mais por isso, etc., nem a própria indústria conseguiu capitular ou se eximir de masterizar e prensar. Até Lp ainda está sendo feito. Eu não uso, mas sob este ponto de vista, eu acho ótimo.

    Há poucos dias atrás, eu tomei conhecimento de algumas re-edições importantes do extinto selo MPS, que raríssimamente chegaram ao CD. E, por uma dessas incríveis coincidências, eu estava fazendo uma pequena pesquisa aqui em casa, para depois começar a escrever um artigo sobre upsampling (deve sair por esses dias), quando eu li na contracapa de um disco desses que a transcrição analógico-digital de estúdio foi feita a 192 kHz e 24 bits. E parece que toda uma série está sendo feita assim. Não é incrível?

    Para o CD, faz-se um downsampling para 44.1/16 e mesmo assim o resultado é estupendo. O disco em questão, eu tive em Lp, o qual foi escrupulosamente restaurado, então eu posso te dizer como ele soa, com razoável segurança. É uma pena que a gravadora (Universal) detentora dos direitos autorais, não disponibilize a versão 192/24.

    Eu acredito que o futuro é esse. Vários selos já vendem download em alta resolução, e depois você se vira e faz o disco que quiser ou puder em casa.

  27. Rodrigo disse:

    Paulo, muito obrigado pelo empenho em detalhar esse formato.

    Tenho alguns álbuns (baixados, claro) de rock’n’roll em QUAD e no começo até soava confuso o porquê disso (apenas 4 canais) perto dos 5.1.

    Vale acrescentar que o álbum “Paranoid”, do Black Sabbath, foi reeditado em 2009 (edição de 40 anos) contendo a versão QUAD de 1974 como a “definitiva” em multicanal do álbum.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *